InícioPolíticaLarapio cobrando férias: Dárcy Vera cobra férias vencidas

Larapio cobrando férias: Dárcy Vera cobra férias vencidas

Não é piada, depois de arrombar os cofres públicos, ficar detida, e estar usufruindo dos tesouros escondidos, Darcy Vera cobra mais de 200 mil do seu bolso.

- continua após a publicidade -

Não é piada, depois de arrombar os cofres públicos, ficar detida, e estar usufruindo dos tesouros escondidos, Darcy Vera cobra mais de 200 mil do seu bolso.

Dárcy Vera (sem partido) está cobrando R$ 250.167,81 da prefeitura de Ribeirão Pre­to. A ex-prefeita ingressou, na 2ª Vara da Fazenda Pública, com uma ação para reivindicar o pagamento de férias venci­das que não teriam sido goza­das quando ela comandou o Palácio Rio Branco, entre ja­neiro de 2009 e dezembro de 2016, até ser afastada do car­go por causa das denúncias da Operação Sevandija.

O caso será julgado pela ju­íza Lucilene Aparecida Canella de Mello, titular da 2ª Vara da Fazenda Pública. Na ação, a ex-prefeita afirma que exerceu a função de forma ininterrupta entre 2010 e 2016 e que faria jus sobre o direito às férias, que não teriam sido pagas. Argu­menta que, neste período, de­senvolveu atividades laborais em tempo integral e, por isso, haveria a previsão legal para concessão da indenização por conta das férias não efetivadas.

arquivo

Subsídio
O valor total de R$ 250.167,81 do processo é referente a R$ 174,3 mil que seriam devidos por conta das férias, além do cál­culo de um terço dessa quantia, do abono pecuniário e aos cus­tos do processo e de honorários advocatícios. Na época, ela re­cebia R$ 17.359,21 de subsídio. A ex-prefeita também pede que a Justiça determine sigilo sobre a ação, mas esta solicita­ção foi negada porque a juíza entende que se trata apenas de uma ação de cobrança.

- CONTINUA DEPOIS DE PUBLICIDADE -

Dárcy Vera salienta que, hoje, sua renda mensal varia entre R$ 2.600 e R$ 3.200 e não tem condições de bancar as custas processuais das ações em que é ré. Diz que sempre trabalhou em tempo integral e teria direito ao benefício, assim como vereadores, deputados e senadores. A prefeitura diz que a decisão sobre o pagamento de férias à ex-prefeita cabe ao Tribunal de Justiça de São Pau­lo (TJ/SP).

No caso de Ribeirão Preto, a Lei Orgânica do Município (LOA) prevê, no parágrafo único do artigo 67, que “anu­almente, o prefeito terá direito ao gozo de trinta dias de férias renumeradas, que poderão ser gozadas em mais de um perío­do, não inferior a dez dias”. No entanto, o texto não faz referên­cia ao pagamento no caso das férias não terem sido gozadas.

Prisão domiciliar relaxada
Em abril, o juiz Lúcio Al­berto Enéas da Silva Ferreira, da 4ª Vara Criminal de Ribeirão Preto, revogou as medidas que impediam Dárcy Vera de sair de casa no período noturno e aos finais de semana. O magistrado aceitou um pedido feito pela de­fesa para que fossem relaxadas as medidas cautelares impostas à ex-chefe do Executivo quan­do ela deixou a Penitenciária Feminina Santa Maria Eufrásia Pelletier, em Tremembé.

Condenação
A ex-prefeita foi condena­da, em 2018, a 18 anos e nove meses de prisão. Em novem­bro de 2020, o Tribunal de Jus­tiça de São Paulo (TJ/SP) au­mentou a pena de Dárcy Vera na ação penal dos honorários advocatícios. Esta ação envolve um suposto esquema de frau­de no processo do acordo dos 28,35%. O processo é referente à reposição das perdas infla­cionárias do Plano Collor aos servidores municipais.

O caso é uma das frentes de investigação da Operação Sevandija. A ex-prefeita e mais cinco pessoas são acusadas de desviar R$ 45,5 milhões da prefeitura de Ribeirão Preto através deste esquema. A pena de reclusão da ex-prefeita, que atualmente está em regime de prisão domiciliar, passou de 18 anos e nove meses para 26 anos, um mês e três dias.

Ela passou mais de dois anos e seis meses presa na Peniten­ciária Feminina de Tremembé, entre 19 de maio de 2017 e 6 de dezembro de 2019. Saiu graças a um habeas corpus concedido pelo ministro Rogerio Schietti Cruz, da Sexta Turma do Supe­rior Tribunal de Justiça (STJ).

Stock Car
Dárcy Vera também é acu­sada de cometer improbidade administrativa em ação civil movida pelo Ministério Públi­co de São Paulo (MPSP) por desvio de verba quando da primeira prova da Stock Car em Ribeirão Preto, em 2010, quando era prefeita. Também são citados a Confederação Brasileira de Automobilismo (CBA) e a Vicar Promoções Esportivas, empresa contrata­da para organizar a prova sem licitação. A cidade sediou qua­tro etapas da categoria entre 2010 e 2015.

Segundo a denúncia, por meio de um convênio, o Mi­nistério do Turismo (MTur) repassou R$ 2 milhões à pre­feitura para a contratação de serviços publicitários de divul­gação com o objetivo de trazer turistas para o evento. Entre­tanto, o valor teria sido repas­sado à Confederação Brasileira de Automobilismo, que “quar­teirizou” o serviço para a Vicar Promoções Desportivas S/A.

As irregularidades foram detectadas durante a presta­ção de contas ao Ministério do Turismo, que considerou a contratação irregular, já que o Tribunal de Contas da União (TCU) proíbe a prática. Ou­tro problema detectado foi a emissão pela Vicar de recibos dos serviços realizados e não de notas fiscais, como deter­mina a lei.

Em 2013, para não ficar inadimplente junto ao governo federal por causa das irregula­ridades apontadas e não per­der recursos federais, como o do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), a prefeitura assinou um acor­do parcelando a devolução – corrigida para R$ 2,3 mi­lhões – em 24 vezes. A Justiça entendeu que houve prejuízo aos cofres públicos.

Bloqueio de bens
O juiz Reginaldo Siqueira, da 1ª Vara da Fazenda Públi­ca de Ribeirão Preto, chegou a bloquear bens no montante de R$ 769,6 mil da ex-prefei­ta, da CBA e da Vicar. Dárcy Vera foi condenada, em 23 de abril de 2018, pelo suposto desvio de R$ 2,2 milhões pro­venientes do MTur para rea­lização desta etapa da Stock Car, em junho de 2010.

Foi o primeiro ano da competição em Ribeirão Pre­to e que levou cerca de 45 mil pessoas à Zona Sul da cidade. A ex-chefe do Executivo mu­nicipal, que exercia o primeiro mandato à frente do Palácio Rio Branco (2009-2012), nega a prática de crimes. O juiz Eduardo José da Fonseca Cos­ta, da 7ª Vara Federal de Ribei­rão Preto, condenou a ex-pre­feita a cinco anos de prisão em regime semiaberto.

Conforme materia de https://www.tribunaribeirao.com.br

Veja mais notícias de Ribeirão Preto e Região no Em Ribeirão

publicidade
publicidade

STF julga liberação de crininosas para prender manifestantes de 8 de janeiro

Vão soltar criminosas para sobrar lugar para prender senhoras que se manifestavam dentro da constituição e acreditaram em um capitão e alguns generais

As críticas do New York Times a Moraes

O jornal norte-americano New York Times voltou a falar sobre o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF). Uma reportagem publicada neste domingo, 22,...

5 depredações da esquerda contra o patrimônio público

“Nunca vocês leram alguma notícia sobre um movimento ou partido de esquerda invadir o Congresso Nacional, a Suprema Corte ou o Palácio do Planalto”,...

Valor bloqueado de manifestantes sobe para R$ 18,5 milhões

A Justiça Federal autorizou hoje (21) novos bloqueios de bens de suspeitos de financiar os atos que resultaram na depredação dos prédios dos Três Poderes...

José Dirceu propõe reestruturar papel dos militares no Brasil

Militares precisam voltar para os quartéis e sair de órgãos do governo, sugere. José Dirceu de Oliveira e Silva, ex-ministro da Casa Civil de Lula,...
- PUBLICIDADE -