InícioSaúdeApós 4 consultas e diagnóstico de gases paciente morre

Após 4 consultas e diagnóstico de gases paciente morre

- continua após a publicidade -

A informação consta do inquérito policial a que a família do paciente de 55 anos tiveram acesso esta semana.
As investigações estão a cargo da Corregedoria da Polícia Civil – o profissional também atua como legista.

O órgão profissional prevê que sua investigação termine em um mês. A Secretaria Municipal de Saúde comunicou que não vai comentar o caso e que já tomou as medidas necessárias.
Após um ano e meio pela Prefeitura, que apontou indícios de imprudência e imperícia no atendimento a Fernando Garcia.

O motorista foi atendido quatro vezes na UPA entre 28 e 29 de setembro de 2014.
Diagnosticado com gases, teve um rim extraído ao ser encaminhado ao Hospital das Clínicas, onde morreu em 4 de outubro do mesmo ano, em decorrência de um choque séptico causado por complicações de uma infecção urinária.

A família acusou a unidade de pronto atendimento de negligência. Na época, o secretário municipal de Saúde, Stênio Miranda, disse que a conduta dos profissionais tinha sido “oportuna”, mas chegou a transferir seu gabinete para a UPA.

- CONTINUA DEPOIS DE PUBLICIDADE -

Plantão de 36 horas
Cópias do inquérito policial mostram que, em depoimento prestado à polícia, um dos médicos da UPA confirmou ter trabalhado por 36 horas consecutivas entre 28 e 29 de setembro. A mesma documentação traz escalas da Prefeitura que comprovam a alegação.
A relação mostra que o profissional foi escalado para entrar às 7h do dia 28, um sábado, e somente encerrou o expediente às 19h do domingo, 29.

“Recomendamos sempre que os médicos não ultrapassem 24 horas trabalhando porque, dentro desse período fazendo atendimento contínuo, você tem um desgaste físico, emocional e psicológico muito grande, podendo ter um ilícito ético que, possivelmente, seria evitado se estivesse descansado”,

afirma Eduardo Luiz Bin, conselheiro do Cremesp de Ribeirão.

Segundo ele, é preciso avaliar se o médico permaneceu um dia e meio na UPA por decisão própria ou por outras razões, como a ausência de outro profissional na escala.

“Se, nesse caso, não houve comparecimento de um médico e o outro teve se estender dentro desse plantão, ele não será penalizado pelo conselho, mas sim quem o encaminhou ou quem faz a escala de plantão. Se for por interesse próprio dele, que quis continuar dando esse plantão, ou pegou plantão de outro colega para ganhar mais, ele assume o risco”,

afirmou o conselheiro.

Indícios de imprudência
Concluído em novembro do ano passado, o relatório de uma comissão sindicante instaurada pela Prefeitura em novembro de 2014 chegou às mãos dos familiares esta semana.
Diante de fichas de atendimento, prontuários e cópia da escola de funcionários, o grupo concluiu que existem indícios de imprudência e imperícia no serviço médico prestado ao motorista.

“As condutas adotadas nos atendimentos não foram provavelmente as mais adequadas para o caso, pois são relevantes os fatores agravantes apresentados para o caso”,

documenta.

O resultado da sindicância recomenda a melhoria na produção dos prontuários dentro da UPA e a orientação sobre a responsabilidade para o preenchimento das fichas.

Filho do motorista, critica o atendimento, desde a falta de um diagnóstico à forma como as fichas foram preenchidas.

“Eu espero, por parte do Cremesp, a resposta. Espero que eles sejam verdadeiros como a Prefeitura, que assumiu que houve imprudência no atendimento do meu pai, que o prontuário do meu pai não foi feito adequadamente”,

afirmou.

 

Veja mais notícias de Ribeirão Preto e Região no Em Ribeirão

publicidade
.
publicidade

Menor NÃO: Ministro destaca eventos adversos em adolescentes vacinados

Segundo Queiroga, foram identificados 1,5 mil eventos adversos em adolescentes imunizados. “A OMS não recomenda a vacinação de adolescentes

Teatro Municipal lança edital de ocupação do 1° semestre de 2022

Inscrições começaram dia 15 de setembro e vão até 15 de outubro

Avenida Thomaz Alberto Whately tem nova interdição para obras

Bloqueio ocorre para obras do trecho 1 do corredor de ônibus Norte-Sul pelo programa Ribeirão Mobilidade

IMPORTANTE COMPARTILHE: Anvisa e Min. da Saúde NÃO Recomendam a vacinação para Menores de 18 Anos

Não se vê veículos de imprensa ou governantes falando sobre o assunto, muito pelo contrario continuam incentivando a vacina que não tem teste para menores de 18 anos

Vacinados já são 81,7% dos internados em SP

Do total de hospitalizados, 51,6% (325 doentes) já foram totalmente imunizados, com as duas doses, (34,6%) com Coronavac.
- PUBLICIDADE -