InícioEsportesOlimpíadasRebeca Andrade faz historia em Tóquio e é prata

Rebeca Andrade faz historia em Tóquio e é prata

É a primeira brasileira a ganhar uma medalha na categoria.

- continua após a publicidade -

Rebeca Andrade faz historia em Tóquio e é prata no individual geral da ginástica

Ginasta brasileira se apresentou na manhã desta quinta-feira na final do individual geral dos Jogos Olímpicos Tóquio 2020

Ao som do funk Baile de Favela, Rebeca Andrade conquistou o prata para o Brasil na disputa do individual geral da ginástica artística dos Jogos Olímpicos Tóquio 2020, na manhã desta quinta-feira (29).

Após se apresentar nos quatro aparelhos (salto, barras assimétricas, trave de equilíbrio e solo), a brasileira somou a nota de 57.298. O ouro ficou com a norte-americana Sunisa Lee (57.433) e o bronze foi para a ginasta russa Angelina Melnikova (57.199).

- CONTINUA DEPOIS DE PUBLICIDADE -

Rebeca treinou por 5 anos em projeto social de iniciação ao esporte no Ginásio Bonifácio Cardoso. A ginasta conquistou vaga em três finais em Tóquio.

Rebeca começou a treinar aos 4 anos no Ginásio Bonifácio Cardoso. “A Rebeca desde pequena sempre foi muito travessa, tudo que ela fazia era pulando, ela levava muito jeito para a coisa, mas eu não tinha muita noção de como funciona as coisas, onde tinha ginásio”, conta a mãe da ginasta, Rosa Rodrigues, de 51 anos.

Segundo Rosa, o acaso interveio, e a tia de Rebeca, que era funcionária pública, teve que cobrir a licença de uma outra pessoa que trabalhava no ginásio da cidade. Na semana em que a tia começou a trabalhar por lá, estavam abertas as inscrições para testes de novos atletas. Ela levou Rebeca, que na época tinha 4 anos, para se inscrever. Foi nesse dia de teste que ela levou o apelido de ‘Daianinha’.

O passo seguinte foi dado por Mônica Barroso dos Anjos, técnica da equipe de ginástica de Guarulhos e árbitra internacional. Foi ela quem descobriu Rebeca na Iniciação Esportiva. Mônica treinou a jovem por um ano e meio. Em seguida, a encaminhou para o grupo de alto rendimento, onde Rebeca disputou competições representando Guarulhos, como o estadual, o brasileiro e até um interclubes em Cuba, em 2009.

Início de carreira

Rosa Rodrigues, que além de Rebeca tem outros sete filhos, conta que a família enfrentou dificuldades para que a jovem continuasse treinando. “No começo, eu trabalhava como empregada doméstica, então estava tudo certo. Mas teve uma época que as contas apertaram, e ela teve que parar de treinar por falta de condições financeiras. Mas quando retornou, não parou mais. Ia de ônibus e, quando não tinha dinheiro, ia a pé, mesmo com a distância do local do treino — cerca de 2 horas a pé.”

Quando a jovem parou de frequentar os testes por falta de dinheiro, os treinadores de Rebeca criaram um esquema de rodízio para levá-la até o local. Na época, a Prefeitura de Guarulhos disponibilizou uma espécie de bilhete único para que os atletas frequentassem os treinos, porém, quando o valor disponível no cartão acabava, demorava muito tempo para cair a recarga novamente.

Apoio da família

Rosa conta que foi nesse período que o irmão de Rebeca, Emerson Rodrigues, hoje com 30 anos, comprou uma bicicleta para levar e buscar a atleta nos treinos. “No começo, ele levava ela a pé, mas teve a ideia de comprar a bicicleta em uma fábrica de reciclagem. Ela tinha entre 6 e 7 anos, e ele, cerca de 15.”

A ginasta conquistou vaga em três finais, incluindo a do solo, em que se apresenta ao som do funk “Baile de favela”, e vai tentar ser a primeira brasileira medalhista olímpica na categoria.

Depois de duas cirurgias nos joelhos apenas neste ciclo olímpico, Rebeca se equiparou às melhores do mundo novamente. Ela se classificou para a final do individual geral na segunda posição, com 57,399 pontos, atrás da americana Simone Biles por 0,332 de diferença. Foi também a terceira colocada no salto e a quarta no solo. Biles não irá participar das competições desta quinta-feira (29).

Veja mais notícias de Ribeirão Preto e Região no Em Ribeirão

publicidade
.
publicidade

Menor NÃO: Ministro destaca eventos adversos em adolescentes vacinados

Segundo Queiroga, foram identificados 1,5 mil eventos adversos em adolescentes imunizados. “A OMS não recomenda a vacinação de adolescentes

Teatro Municipal lança edital de ocupação do 1° semestre de 2022

Inscrições começaram dia 15 de setembro e vão até 15 de outubro

Avenida Thomaz Alberto Whately tem nova interdição para obras

Bloqueio ocorre para obras do trecho 1 do corredor de ônibus Norte-Sul pelo programa Ribeirão Mobilidade

IMPORTANTE COMPARTILHE: Anvisa e Min. da Saúde NÃO Recomendam a vacinação para Menores de 18 Anos

Não se vê veículos de imprensa ou governantes falando sobre o assunto, muito pelo contrario continuam incentivando a vacina que não tem teste para menores de 18 anos

Vacinados já são 81,7% dos internados em SP

Do total de hospitalizados, 51,6% (325 doentes) já foram totalmente imunizados, com as duas doses, (34,6%) com Coronavac.
- PUBLICIDADE -