InícioPolíticaFake do G1: "Manifestantes pró-Bolsonaro exibem símbolo usado por neonazistas"

Fake do G1: “Manifestantes pró-Bolsonaro exibem símbolo usado por neonazistas”

"Essa bandeira rubro-negra é uma bandeira histórica que significa a terra fértil da Ucrânia, com a faixa negra, e [a vermelha] o sangue que ucranianos durante séculos derramaram na luta pela nossa soberania, liberdade e independência"

- continua após a publicidade -

G1/SP

Apoiadores do governo Bolsonaro exibem bandeira preta e vermelha com símbolo que também é usado por grupo de extrema direita ucraniano durante manifestação na Avenida Paulista, região central da cidade

A polícia vai apurar se a presença de bandeiras com símbolos também usados por neonazistas foi o estopim para o confronto entre manifestantes pró-democracia e pró-Bolsonaro, neste domingo (31), na Avenida Paulista, Centro de São Paulo.

Fake deste jornal de propriedade da Globo

Bandeira e símbolo

- CONTINUA DEPOIS DE PUBLICIDADE -

As bandeiras vistas na Paulista com o símbolo ucraniano, no entanto, não são consideradas neonazistas.

O embaixador da Ucrânia no Brasil, Rostyslav Tronenko, disse que a bandeira usada por manifestantes no protesto na Avenida Paulista, em São Paulo, não é nazista nem fascista, como circula nas redes sociais. O uso do símbolo por alguns manifestantes foi citado como possível causa para o início da confusão que terminou em confronto entre manifestantes e policiais militares na tarde deste domingo (31).

“Essa bandeira rubro-negra é uma bandeira histórica que significa a terra fértil da Ucrânia, com a faixa negra, e [a vermelha] o sangue que ucranianos durante séculos derramaram na luta pela nossa soberania, liberdade e independência”, disse.

O tridente, segundo o embaixador, “é símbolo do príncipe Vladimir, do século 10, que trouxe o cristianismo à Ucrânia e esse tridente significa a santíssima trindade”, disse.

O representante diplomático fez uma breve crítica aos veículos de imprensa que fazem um ataque aos símbolos nacionais sem uma apuração sobre seus significados e pediu que a mídia brasileira tenha um cuidado maior.

– Nós não concordamos com algumas interpretações da mídia brasileira da nossa história e dos nossos símbolos. Pra nós ucranianos esses símbolos são sagrados. Por isso, eu apelo para a mídia brasileira para ver o contexto, o significado verdadeiro desses símbolos e não interpretá-lo deliberadamente assim como fazem as redes sociais – completou.

arquivo

Veja mais notícias de Ribeirão Preto e Região no Em Ribeirão

publicidade
.
publicidade

Rayssa Leal, a Fadinha, fatura prata no skate street em Tóquio 2020

Com apenas 13 anos atleta é a mais jovem na história a conquistar uma medalha para o país

De virada Fogão vence o Ituano e cola no G-4

Com a vitória, o Pantera chegou a 16 pontos —mesma pontuação do Ituano, quarto colocado

Olimpíadas de Tóquio: Oitavas do surfe começam neste domingo com quatro brasileiros

Medina, Italo, Silvana e Tatiana caem na água a partir das 22h

Olimpíadas de Tóquio: Rebeca Andrade dá show e se classifica para três finais

Ginasta vai brigar por medalhas no solo, individual geral e salto, Flávia Saraiva conseguiu a vaga na final na trave.

Universidade federal terá cotas para detentos, ex-presidiários e refugiados

Ser bandido virou bom negocio no Brasil, com aplauso do PSOL a decisão penaliza o cidadão de bem
- PUBLICIDADE -