Início Especiais Feira do Livro 16ª Feira Nacional do Livro de Ribeirão Preto atende cerca de 180...

16ª Feira Nacional do Livro de Ribeirão Preto atende cerca de 180 mil visitantes

- continua após a publicidade -

Nesta 16ª edição, a Feira Nacional do Livro de Ribeirão Preto levantou como bandeira o tema Viva o escritor salve, salve o leitor! O fascinante mundo do romance, do conto, da crônica e da poesia. O evento aconteceu de 11 a 19 de junho e trouxe uma proposta fundamentada pela nova diretoria da Fundação do Livro e Leitura (instituição realizadora do evento): promover a formação do público leitor por meio de ação cultural que incentiva a aproximação com obras literárias. E deu certo: pela feira passaram cerca de 180 mil pessoas, alguns à procura dos escritores prediletos, outros por livros nas bancas de expositores e muitos interessados na diversificada programação do evento.

feira_do_livro_fotojf_pimenta__mgm7276_(14)O público acostumado com uma quantidade maior de expositores dos últimos anos foi surpreendido por uma Praça do Leitor mais receptiva e adequada para receber visitantes com o propósito da leitura. Desta vez, foi possível até fazer no local doações, trocas de livros e levar exemplares gratuitos para casa. No circuito de vendas de livros, a estrutura reuniu 35 estandes e 20 livreiros.

Segundo a presidente da Fundação, Adriana Silva, o objetivo inicial foi lançado à população da cidade e região e teve como pilar a democratização do acesso à cultura, à educação, à leitura e à participação social, por meio de mais de 250 atividades gratuitas.

- CONTINUA DEPOIS DE PUBLICIDADE -

Durante uma semana, o foco da feira foi direcionado para discussões e análises complementares sobre o papel do escritor e do leitor. Essa diretriz veio das novas estratégias de gestão e parâmetros da Fundação do Livro e fazer no local doações, trocas de livros e levar exemplares gratuitos para casa. No circuito de vendas de livros, a estrutura reuniu 35 estandes e 20 livreiros.

Segundo a presidente da Fundação, Adriana Silva, o objetivo inicial foi lançado à população da cidade e região e teve como pilar a democratização do acesso à cultura, à educação, à leitura e à participação social, por meio de mais de 250 atividades gratuitas.

feira_do_livro_fotojf_pimenta__mgm7276_(45)Durante uma semana, o foco da feira foi direcionado para discussões e análises complementares sobre o papel do escritor e do leitor. Essa diretriz veio das novas estratégias de gestão e parâmetros da Fundação do Livro e Leitura, que recentemente remodelou sua política de atuação e visou garantir o espaço para debates literários, bem como apresentar a evolução de seus respectivos representantes brasileiros, muitos premiados nas esferas nacional e internacional.

“Procuramos promover uma feira em torno das figuras do escritor e do leitor entrelaçados pelo livro e pelas descobertas do valor das obras literárias. Por isso, incentivamos um debate sobre o ato transformador da leitura como um processo educacional e de cidadania”, explica o vice-presidente da Fundação, Edgard de Castro.

Para o escritor e também vice-presidente da Fundação, Nelson Jacintho, uma das maiores conquistas dessa edição da Feira do Livro foi o destaque para os escritores e autores locais. “Nunca antes na história da feira tivemos uma valorização tão grande para os autores locais. Isso mostra o amadurecimento e o avanço do nosso trabalho”, afirma o escritor.

O tema desta edição, organizado como uma saudação procurou fazer um chamado decisivo ao público para incentivar o hábito da leitura e para alertar a população sobre a importância da permanência da feira, só que num novo formato e estrutura.

Ação cooperada – Neste ano, em função do momento econômico brasileiro, a Fundação encontrou uma fórmula cooperada para viabilizar a realização do evento, o que foi possível através dos patrocínios do BNDES e de parceiros de edições anteriores.

Segundo a superintendente da feira, Viviane Mendonça, todo o esforço da Fundação contou com instituições que foram protagonistas no processo de preparação do evento.

“Juntas, elas contribuíram de forma significativa com a programação e estrutura. Estima-se que um terço do custo para viabilização do evento tenha sido através das mais diversas parcerias. Este modelo se mostrou muito importante para a sustentabilidade da feira, a longo prazo, uma vez que demonstrou o compromisso de diversas entidades e empresas em garantir a continuidade e sobretudo a qualidade da Feira do Livro”.

O presidente da CBL – Câmara Brasileira do Livro, Luis Antonio Torelli, que também marcou presença na feira, parabenizou a Fundação do Livro e Leitura e recomendou que é preciso manter sempre ativa a relação do autor com seu leitor.

“O escritor é muito isolado e quando ele vem a uma feira para estabelecer este contato é sempre uma festa”. A CBL foi parceira e contribuiu com a seleção dos escritores que participaram da Sessão Jabuti. “Colaboramos com a vinda de autores expoentes e premiados e também alguns novos escritores que já estão despontando no mercado editorial”, explicou.

O diretor regional do Sesc São Paulo, Danilo Santos de Miranda, que ministrou uma conferência no espaço Encontros Sesc, com o tema “Coisa que não se explica: o ser leitor”, falou sobre a importância da cultura e das relações que se estabelecem entre o leitor e o texto. “Nem sempre as pessoas enxergam a cultura como algo tão penetrante, mas ela está presente em tudo em nossa vida, tendo um papel transversal e fundamental”, apontou.

Danilo analisou que é importante para uma cidade do tamanho de Ribeirão Preto contar com uma entidade que promove a cultura como é o caso da Fundação do Livro e Leitura de Ribeirão Preto. “A realização da Feira do Livro, assim como de outras ações da Fundação, mostram um trabalho pioneiro, que se consolidou e tornou-se referência para outras cidades”, afirmou o diretor do Sesc São Paulo.

feira_do_livro_fotojf_pimenta__mgm7276_(42)Estabelecer um canal de força literária, com a possibilidade de se realizar microfeiras e programas conjugados com outros municípios do interior do Estado de São Paulo é um dos futuros desafios anunciados pela presidente da Fundação, Adriana Silva. De acordo com ela, “o fato de Ribeirão Preto ser cidade referência para 34 municípios da nova região metropolitana e ter uma expertise após 16 anos de Feira do Livro traz a possibilidade de se iniciar novos polos de fomento à leitura”.

Pré-Lançamento da 17ª edição – Pela primeira vez, a Fundação do Livro e Leitura antecipou o lançamento da próxima edição de 2017 ainda durante a feira deste ano. O anúncio foi feito pela presidente Adriana Silva, antes da conferência do diretor regional do Senai-SP e superintendente do Sesi-SP, Walter Vicioni Gonçalves. A atividade foi considerada a primeira da 17ª edição da Feira Nacional do Livro de Ribeirão Preto.

“Só foi possível lançarmos a próxima edição da feira com tanta antecedência por conta de um novo modelo de gestão que implantamos na Fundação do Livro e Leitura, que agora conta com programas fixos e trabalha com uma produção bianual de feiras”, anunciou.

Segundo Adriana Silva, essa nova postura da direção do evento opera com um planejamento voltado sempre para duas edições consecutivas, o que otimiza nossas relações com patrocinadores, instituições parceiras e traz mais oportunidades para viabilizarmos financeiramente o evento.

Após o anúncio, a cerimônia de fechamento da 16ª edição da Feira contou com espetáculo do Quinteto Bachiana Sesi-SP, com a participação especial da escritora e cantora lírica, Giovanna Maira. O espetáculo aconteceu, às 18 horas, no Theatro Pedro II. O Quinteto Bachiana Sesi-SP tem direção artística do maestro João Carlos Martins que desenvolve um trabalho relevante à música erudita. O concerto contou com a participação da cantora lírica e compositora Giovanna Maira.

Formato da 17ª edição da Feira – A 17ª edição da Feira Nacional do Livro de Ribeirão terá como tema “Do conhecimento que liberta ao amor que educa – o livro na escola” e será realizada de 03 a 11 de junho de 2017.

Como em todos os anos, a feira fará homenagem a um país – e o escolhido foi Portugal, berço da Língua Portuguesa, o 8º idioma mais falado no mundo.

-Quanto aos autores celebrados, o escritor principal será Fernando Pessoa.
-Autor educação escolhido é César Nunes;
-Autor infantojuvenil é Ricardo Azevedo
-Autor local Rosa Maria de Britto Cosenza.
-Como patrono, a feira indicou o empresário e fundador do Sistema Coc, Chain Zaher.

No próximo ano, há uma novidade – a modalidade de professor homenageado e o nome indicado é o de Maris Ester de Souza – professora da rede de ensino local.

O livro e a educação – Para 2017, a Fundação do Livro e Leitura tem objetivos bastante ambiciosos: fazer da Feira Nacional do Livro de Ribeirão Preto o palco para um amplo debate sobre o papel do livro na Educação. O país que se deseja repleto de leitores, precisa ter em suas bases educacionais, políticas públicas efetivas e cientes para promover o acesso do leitor ao livro. A escola que recebe o brasileiro para a alfabetização tem que estar preparada para este importante encontro.

Reconhecer boas iniciativas, diagnosticar realidades diferentes, promover encontros entre quem escreve e quem ensina a ler são algumas das propostas para a edição de 2017.

Papel socioeducativo e cultural – A Feira Nacional do Livro faz parte do calendário cultural de Ribeirão Preto e região. Trata-se de uma feira reconhecida nacionalmente e consolidada como um dos mais importantes eventos do interior e uma das sete maiores feiras literárias da América Latina.

“O intuito em realizar a Feira Nacional do Livro de Ribeirão Preto se alinha aos objetivos do Plano Nacional de Livro e Leitura dos Ministérios da Cultura e de Educação, focados em desenvolver o Brasil como uma sociedade leitora, mais justa e inclusiva”, acrescenta a presidente da Fundação, Adriana Silva.

A programação, completa e sempre gratuita, é acessível a todos os públicos. “Uma das características da agenda cultural deste ano foi incluir atividades para diversos locais da cidade, como escolas, instituições, bibliotecas, praças, Ongs, universidades, museu, shoppings e centros culturais na periferia. O evento atendeu não só a cidade de Ribeirão Preto, mas também 25 municípios da região”, destaca a superintende da Fundação do Livro e Leitura, Viviane Mendonça.

Neste ano, a Feira repetiu a parceria com escolas públicas e está pronta para receber estudantes e professores de cidades como Sertãozinho, Serrana, Bebedouro, Pontal, Viradouro, Batatais, Dumont, Jurucê, Taquaritinga, Guará, Orlândia, Biraci, Igarapava, Jeriquara, Itaú de Minas, Dourado, Matão, Jardinópolis, Nuporanga, Araraquara, Jaboticabal, entre outras – todas cidades de pequeno porte da região, com baixa diversidade de acesso à cultura da leitura, livro e escrita.

A Fundação do Livro e Leitura de Ribeirão Preto é uma entidade de direito privado, sem fins lucrativos. Trata-se de uma evolução da antiga Fundação Feira do Livro, criada em 2004, especialmente para realizar a Feira Nacional do Livro da cidade – hoje considerada a segunda maior feira a céu aberto do país, realizada tradicionalmente no mês de junho. Com uma trajetória sólida e projeção nacional e internacional, a entidade ganhou experiência e, atualmente, além da Feira, realiza muitos outros projetos ligados ao universo do livro e da leitura com calendário de atividade durante todo o ano. A Fundação se mantém com o apoio de mantenedores e patrocinadores, com recursos diretos e advindos das leis de incentivo, em especial do Pronac e do Proac.

A diretoria é eleita para um mandato de dois anos, sob acompanhamento do Conselho Fiscal. Com nova diretoria, a Fundação se prepara para implementar uma nova política de atuação em Ribeirão Preto e em outras cidades, com projetos na área de formação de professores e mediadores de leitura.

O Ministério da Cultura, Governo do Estado de São Paulo, Secretaria de Estado da Cultura e Fundação do Livro e Leitura de Ribeirão Preto apresentam a 16ª Feira Nacional do Livro de Ribeirão Preto com Patrocínio Ouro do BNDES – Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social.

Veja mais notícias de Ribeirão Preto e Região no Em Ribeirão

publicidade
publicidade

Odebrecht fez pagamentos a Toffoli, denuncia Marcelo Odebrecht à PGR

Marcelo Odebrecht e os demais diretores da empresa sempre se referiam a Toffoli como “amigo de Adriano” ou “amigo de AM (Adriano Maia)”

Gol de Bolsonaro: SBT acerta transmissão da final do carioca, Flamengo e Fluminense

O SBT alcançou a sua maior audiência na história da emissora até então com a transmissão da final da Copa do Brasil, decidida por Corinthians e Grêmio

Divirta-se com os melhores tweets do MBL tratando Ayan como um guru

Com a prisão de Luciano Ayan por suspeita de lavagem de dinheiro, separamos os melhores do tweets em que mblistas idolatram o prisioneiro.

Ribeirão Preto tem leitos sobrando na rede privada e deveria contratar com urgência

Presidente da entidade diz que hospitais de campanha são um erro estratégico e que Ribeirão Preto vive o cenário já experimentado por Manaus

Preso por lavagem de dinheiro do MBL teve cargo no governo Doria

Os presos Alessander Mônaco e Carlos A. de Moraes Afonso são investigados por ocultação de patrimônio, além de lavagem de dinheiro.
- PUBLICIDADE -