InícioEconomiaAtividade no comércio registra crescimento de 6,8% em 2018 e reforça expectativas...

Atividade no comércio registra crescimento de 6,8% em 2018 e reforça expectativas para este ano

- continua após a publicidade -

No segundo semestre do ano passado, o comércio contabilizou um volume maior de consumidores nas lojas, conforme aponta pesquisa recente da Serasa Experian. Nela, constatou-se que houve um incremento de 6,8% de público dentro dos estabelecimentos comerciais em todo o país, número bem acima dos 1,1% registrado em 2017.

Esse aquecimento, além de dar novo fôlego frente aos dados anteriores, pode estimular empresários a retomar seus planos do pré-crise, contribuindo para novos negócios e contratações no varejo. De acordo com Cesar Renato Poletti, docente da área de gestão e negócios do Senac Jaboticabal, as empresas devem aproveitar esse cenário favorável para preparar suas equipes, para que elas possam antecipar as necessidades dos consumidores e, dessa forma, impulsionar as vendas.

“A sustentabilidade dos negócios inclui a capacitação constante dos profissionais, uma vez que a atualização de práticas e conteúdo permite a adequação das estratégias na conquista de novos clientes e no posicionamento de produtos e serviços”, orienta Cesar.

As empresas que estão alinhadas a essa realidade, segundo o especialista, já incorporaram no cotidiano uma nova visão, focada em tecnologia, por exemplo. “Sabemos que os dispositivos móveis são poderosas ferramentas em comunicação, especialmente para o varejo, onde as companhias ou os empreendedores têm experimentado outros meios de interagir e promover mais conhecimento aos seus públicos-alvo. Mas, para que isso aconteça, as equipes precisam estar preparadas.”

- CONTINUA DEPOIS DE PUBLICIDADE -

No varejo, a capacitação da mão de obra inclui temas como visual merchandising, logística, pós-venda, marketing de relacionamento e gerenciamento das redes sociais. Marcelo Rodrigues do Lino, aluno recém-formado no curso Técnico de Comércio do Senac Jaboticabal, destaca a relevância do aprimoramento das habilidades, mesmo para o profissional que já acumula experiência de mercado: “Trabalho no varejo desde os 14 anos e  buscava renovar o meu conhecimento. Os conceitos e a prática ministrados durante o curso foram um divisor de águas para minha carreira. A partir das aulas, adquiri mais perspicácia, por meio de inúmeras técnicas de negociação que inseri ao meu dia a dia profissional. Sobretudo, mudou minha postura enquanto colaborador e nos relacionamentos interpessoais ”, afirma.

Para a retenção de clientes e o sucesso dos negócios, o docente do Senac Jaboticabal ressalta que há estratégias mercadológicas capazes de convencer o consumidor a conhecer a loja e seus produtos e serviços, daí a importância de os profissionais investirem no aperfeiçoamento de competências. “A retenção se dá pelo bom atendimento, preço justo, condições de pagamento, entrega no prazo e eficiência operacional. Todas essas questões são orientadas por técnicas de vendas”, pontua Cesar.

Consumidores e clientes estão cada dia mais exigentes, o que torna a atividade comercial altamente competitiva e, como consequência, aumenta a necessidade de ter equipes qualificadas. O especialista da instituição afirma que “não há mais espaço para amadores; uma equipe qualificada é fundamental para a loja atrair potenciais consumidores, transformando-os em clientes fiéis”.

Lembre-se: atendimento de qualidade não é mais diferencial, é condição de existência para uma loja. Inclusive no pós-venda; é imprescindível que o profissional esteja preparado: seja no feedback com o cliente, seja em momentos de troca ou devolução. “A construção da boa relação empresa x cliente deve ser trabalhada a todo o momento. Um bom pós-venda é sempre o início de uma nova venda, e assim se conquista a tão sonhada e imprescindível fidelização. Clientes satisfeitos voltam e trazem novos consumidores”, explica Cesar.

Qualificação

Aos que desejam aprimorar as competências profissionais no setor, o Senac Jaboticabal está com inscrições abertas para a nova turma do curso Técnico em Comércio, que tem mais de 20 vagas gratuitas. As aulas começarão em 18 de março e abordarão temas como ambientação organizacional; empreendedorismo; marketing e vendas; relacionamento com o cliente; planejamento e operações comerciais; e tendências e inovação na área comercial.

Para se candidatar a uma vaga gratuita, o interessado precisa ter renda familiar per capita de até dois salários mínimos federais. As inscrições são realizadas exclusivamente no Portal Senac (www.sp.senac.br/bolsasdeestudo), e se encerram dois dias antes do início das aulas ou quando as turmas atingirem a relação de três candidatos por vaga. Mais informações pessoalmente na unidade.

O portfólio completo de cursos da unidade está disponível no site www.sp.senac.br/jaboticabal.

Serviço:

 Técnico em Comércio

Data: 18 de março de 2019 a 6 de abril de 2020

Horário: de segunda a sexta-feira, das 14 às 18 horas

Local: Senac Jaboticabal

Endereço: Rua 24 de Maio, 831, Centro – Jaboticabal/SP

Programação e inscrições: www.sp.senac.br/jaboticabal

Veja mais notícias de Ribeirão Preto e Região no Em Ribeirão

publicidade
.
publicidade

O Papa Francisco critica a prática de tratar Pets como filhos

O papa Francisco fez um apelo, nesta quarta-feira, para que pais e mães adotem crianças, e disse que “vivemos uma época de orfandade notória”.

Depois de vacinação em massa Serrana tem recorde de casos desde o inicio da pandemia

Se após 3 doses a cidade tem números maiores do que antes da vacinação, para o que serviu a vacina? Doria garantiu.

Aluno de academia morre por mau súbito.

As UPAs lotadas com gripe e corona depois de picada em massa, agora já estamos com uma pandemia pouco falada, mas será com frequência. Os efeitos.

IBGE oferece 266 mil oportunidades de emprego até 21 de janeiro

Agentes recenseadores deverão visitar 78 milhões de lares brasileiros Cerca de 78 milhões de residências brasileiras devem receber, a partir do dia 1º de agosto,...

Auxílio Brasil começa a ser pago nesta terça-feira

O custo para os pagamentos supera R$ 7,1 bilhões aos cofres do governo federal
- PUBLICIDADE -