Início Blogs DSOP Educação Financeira Qual o impacto da Reforma Trabalhista nos bancos de horas e nas...

Qual o impacto da Reforma Trabalhista nos bancos de horas e nas horas extras?

- continua após a publicidade -

Com a Reforma Trabalhista já sancionada, as empresas deverão se adequar a uma nova realidade. Pontos que terão importantes modificações são os relacionados aos bancos de horas e horas extras, que se tornarão mais simples.

Enquanto a nova lei não entra em vigor, o que se observa é uma grande burocracia para implementação dos bancos de horas e horas extras aos trabalhadores, sendo que até então só era permitido a instituição dessa alternativa por meio de convenção ou acordo coletivo (sempre com a participação da entidade sindical).

“Observamos que teremos grandse melhorias relacionadas aos temas com a entrada em vigor da lei. Exemplo é que poderá ser instituído o banco de horas sem a intervenção ou participação da instituição sindical. Só será necessário um acordo individual entre o empregado e o empregador por escrito. Tudo se tornará muito mais simples, beneficiando os dois lados”, explica o diretor executivo da Confirp Consultoria Contábil, Richard Domingos.

O diretor complementa que com a regra ficará fixado o prazo de 6 meses para compensação das horas trabalhadas adicionalmente, salvo em casos de rescisão que deverão ser convertidas em horas extras adicionados o percentual mínimo definido nessa lei de 50%.

“Outro ponto que proporcionará simplificação é que passa a ser permitido o regime de compensação de jornada estabelecido por acordo individual, ainda que tácito (sem necessidade de ser escrito) para a compensação horas no mesmo mês”, explica Domingos.

Contudo, a empresa deverá se atentar pois o percentual de majoração do adicional da hora extra é adequado ao que estabelece a art. 7º inciso XVI da Constituição Federal, que é os 50%. Também foi excluído a necessidade de descanso de 15 (quinze) minutos antes de iniciar o período de hora extra.

- CONTINUA DEPOIS DE PUBLICIDADE -

O que muda também para as empresas é a possibilidade de redução do horário de repouso e alimentação de empregado (de no mínimo uma hora). Quando esse fato não ocorria, o empregador era obrigado a pagar a hora integral desse repouso (com acréscimo de 50%) como hora extra, independentemente do tempo suprimido. A partir de agora, o empregador que não cumprir com tal prerrogativa deverá pagar apenas o período suprimido do horário para repouso ou alimentação do empregado com acréscimo dos mesmos 50%.

 “É importante frisar que a lei só passará a ter validade a partir de novembro de 2017 e terá impacto a princípio nos novos contratos que serão firmados a partir dessa data”, finaliza do diretor da Confirp.

Veja mais notícias de Ribeirão Preto e Região no Em Ribeirão

publicidade
.
publicidade

João Dória deve definir lockdown aos finais de semana e após às 20hs em dias de semana.

João Dória deve anunciar medidas com mais restrições para o estado aos finais de semana e toque de recolher durante a semana.

Startup de Ribeirão Preto tem apoio da ANVISA para avançar estudo de vacina contra COVID-19.

Empresa de Ribeirão Preto recebe o apoio da ANVISA para submeter os estudos no desenvolvimento de uma vacina contra o Coronavírus.

Mega-Sena pode pagar R$ 22 milhões neste sábado (23)

sorteio será realizado a partir das 20h (horário de Brasília), no Espaço Loterias CAIXA, localizado no Terminal Rodoviário do Tietê, em São Paulo.

Na brincadeira Ad aeternum Ribeirão deve voltar ao lockdown

Nova atualização acontece nesta sexta-feira (22) no palácio do imperador João Tranca rua, e salve-se quem puder.

Prefeitura inicia vacinação dos funcionários da saúde

A auxiliar de enfermagem Maria Aparecida recebeu a primeira dose da vacina nesta quinta-feira, dia 21 e representou os profissionais da saúde que se dedicaram ao enfrentamento da pandemia em Ribeirão Preto
- PUBLICIDADE -