Início Variedades Dia Internacional da Mulher: a origem operária do 8 de Março

Dia Internacional da Mulher: a origem operária do 8 de Março

- continua após a publicidade -

Muitas pessoas consideram o 8 de Março apenas uma data de homenagens às mulheres, mas, diferentemente de outros dias comemorativas, ela não foi criada pelo comércio – e tem raízes históricas mais profundas e sérias.

Oficializado pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 1975, o chamado Dia Internacional da Mulher é comemorado desde o início do século 20.

Hoje, a data é cada vez mais lembrada como um dia para reivindicar igualdade de gênero e com protestos ao redor do mundo – aproximando-a de sua origem na luta de mulheres que trabalhavam em fábricas nos Estados Unidos e em alguns países da Europa.

- CONTINUA DEPOIS DE PUBLICIDADE -

Elas começaram uma campanha dentro do movimento socialista para exigir seus direitos – as condições de trabalho delas eram ainda piores que as dos homens à época.

A origem da data escolhida para celebrar as mulheres tem algumas explicações históricas. No Brasil, é muito comum relacioná-la ao incêndio ocorrido em Nova York no dia 25 de março de 1911 na Triangle Shirtwaist Company, quando 146 trabalhadores morreram, sendo 125 mulheres e 21 homens (naa maioria, judeus), que trouxe à tona as más condições enfrentadas por mulheres na Revolução Industrial.

No entanto, há registros anteriores a esse episódio que trazem referências à reivindicação de mulheres para que houvesse um momento dedicado às suas causas dentro do movimento de trabalhadores.

As origens dos Dia Internacional da Mulher

Se fosse possível fazer uma linha do tempo dos primeiros “dias das mulheres” que surgiram no mundo, ela começaria possivelmente com a grande passeata das mulheres em 26 de fevereiro de 1909, em Nova York

Naquele dia, cerca de 15 mil mulheres marcharam nas ruas da cidade por melhores condições de trabalho – na época, as jornadas para elas poderiam chegar a 16h por dia, seis dias por semana e, não raro, incluíam também os domingos. Ali teria sido celebrado pela primeira vez o “Dia Nacional da Mulher” americano.

Enquanto isso, também crescia na Europa o movimento nas fábricas. Em agosto de 1910, a alemã Clara Zetkin propôs em reunião da Segunda Conferência Internacional das Mulheres Socialistas a criação de uma jornada de manifestações.

“Não era uma questão de data específica. Ela fez declarações na Internacional Socialista com uma proposta para que houvesse um momento do movimento sindical e socialista dedicado à questão das mulheres”, explicou à BBC News Brasil a socióloga Eva Blay, uma das pioneiras nos estudos sobre os direitos das mulheres no país.

“A situação da mulher era muito diferente e pior que a dos homens nas questões trabalhistas daquela época”, disse ela, que é coordenadora da USP Mulheres.

A proposta de Zetkin, segundo os registros que se tem hoje, era de uma jornada anual de manifestações das mulheres pela igualdade de direitos, sem exatamente determinar uma data. O primeiro dia oficial da mulher seria celebrado, então, em 19 de março de 1911.

Em 1917, houve um marco ainda mais forte daquele que viria a ser o 8 de Março. Naquele dia, um grupo de operárias saiu às ruas para se manifestar contra a fome e a Primeira Guerra Mundial, movimento que seria o pontapé inicial da Revolução Russa.

O protesto aconteceu em 23 de fevereiro pelo antigo calendário russo – 8 de março no calendário gregoriano, que os soviéticos adotariam em 1918 e é utilizado pela maioria dos países do mundo hoje.

Após a revolução bolchevique, a data foi oficializada entre os soviéticos como celebração da “mulher heróica e trabalhadora”.

Data foi oficializada em 1975

O chamado Dia Internacional da Mulher só foi oficializado em 1975, ano que a ONU intitulou de Ano Internacional da Mulher para lembrar suas conquistas políticas e sociais.

“Esse dia tem uma importância histórica porque levantou um problema que não foi resolvido até hoje. A desigualdade de gênero permanece até hoje. As condições de trabalho ainda são piores para as mulheres”, pontuou Eva Blay.

“Já faz mais de cem anos que isso foi levantado e é bom a gente continuar reclamando, porque os problemas persistem. Historicamente, isso é fundamental.”

No mundo inteiro, a data ainda é comemorada, mas ao longo do tempo ganhou um aspecto “comercial” em muitos lugares.

O dia 8 de março é considerado feriado nacional em vários países, como a própria Rússia, onde as vendas nas floriculturas se multiplicam nos dias que antecedem a data, já que homens costumam presentear as mulheres com flores na ocasião.

Na China, as mulheres chegam a ter metade do dia de folga no 8 de Março, conforme é recomendado pelo governo – mas nem todas as empresas seguem essa prática.

Já nos Estados Unidos, o mês de março é um mês histórico de marchas das mulheres.

No Brasil, a data também é marcada por protestos nas principais cidades do país, com reivindicações sobre igualdade salarial e protestos contra a criminalização do aborto e a violência contra a mulher.

“Certamente, o 8 de Março é um dia de luta, dia para lembrarmos que ainda há muitos problemas a serem resolvidos, como os da violência contra a mulher, do feminicídio, do aborto, e da própria diferença salarial”, observou Blay.

Segundo ela, mesmo passadas décadas de protestos das mulheres e de celebração do 8 de Março, a evolução ainda foi muito pequena.

“Acho que o que evoluiu é que hoje a gente consegue falar sobre os problemas. Antes, se escondia isso. Tudo ficava entre quatro paredes. Antes, esses problemas eram mais aceitos, hoje não.”

publicidade
publicidade

Últimas Notícias

Morre Danny Aiello, ator de ‘Faça a Coisa Certa’ e ‘O Poderoso Chefão 2’...

Integrou o elenco de O Poderoso Chefão 2, cravando uma frase que ficou icônica ao atacar um inimigo: "Michael Corleone manda 'olá'".

Shopping Iguatemi amplia horário de funcionamento e apresenta programação especial de Natal

Para oferecer mais opções de compras e momentos de lazer e entretenimento para toda a família, há dez dias do Natal, o Shopping Iguatemi Ribeirão Preto traz uma programação especial gratuita e horário diferenciado de funcionamento. Saiba mais detalhes de cada ação:

Ciclismo de RP confirma o pentacampeonato do ranking nacional por equipes

De quebra, equipe ainda festeja título individual do ciclista Cristian Egídio também na categoria elite

Kauai Sports recebe banda Melim com show inédito

O trio apresenta sua nova turnê no complexo esportivo, no dia 22 de dezembro

ShoppingSantaÚrsula oferece teatro infantil e diversas atividades para as crianças até o Natal

Espaço Mágico Leonardo Rodrigues, no Piso 2, permanece até o dia 24 de dezembro no centro de compras com ampla programação. Indicação livre

Árvore de Natal do RibeirãoShopping muda de local e vira ponto de parada para...

Uma das atrações da cidade neste fim de ano está na Praça Jair Yanni - Palhaço Piolin, localizada entre a Avenida Presidente Vargas e a Rua Couto Magalhães

Casa da Memória Italiana realiza Concerto di Natale 2019

A rua da Casa da Memória Italiana estará fechada e o público terá à disposição food trucks que estarão estacionados no local. O acesso é gratuito e indicado para todas as idades.

Chega ao McDonald’s a campanha do McLanche Feliz: os personagens de STAR WARS: A...

Rede lança campanha com os personagens da saga, em cartaz nos cinemas da América Latina a partir do dia 19 de dezembro

Secretaria da Educação compatibiliza calendário escolar com o do Estado de SP

Novo modelo prevê 04 recessos e uma ferias. Programe sua viagem com esta novidade.

Com tributo à Frank Sinatra, cantor Gabriel Locher se apresenta no Shopping Iguatemi

Apresentação contará também com participações especiais dos artistas ribeirão-pretanos Fernanda Marx, Karol Sun e Fabrício Silva.
- PUBLICIDADE -