InícioSaúdeO melhor remédio contra Covid disponível no mundo é brasileiro

O melhor remédio contra Covid disponível no mundo é brasileiro

A medicação reduziu em 92,2% a mortalidade. Houve redução também no tempo de internação e redução da necessidade de intubação.

- continua após a publicidade -

A diretoria do Grupo Samel divulgou em coletiva de imprensa nesta quarta-feira (10) os resultados oficiais do estudo conduzido com o uso do medicamento antiandrogênio Proxalutamida no tratamento de pacientes com Covid-19. Participaram da coletiva o presidente do Grupo Samel, Luiz Alberto Nicolau, o Diretor técnico da Samel, Daniel Fonseca, o Dermatologista e Pesquisador estadunidense Andy Goren e os especialistas Flávio Cadegiane e Ricardo Zimerman.

No dia 9 de fevereiro, foi anunciado o início dos estudos com o medicamento.

Na ocasião, o dermatologista Andy Goren, afirmou que a partir de uma pesquisa dermatológica, foi descoberto que o androgênio (hormônio), tinha ligação com a Covid-19, pois o vírus Sars-Cov-2 só consegue entrar nas células através dos androgênios. Agora, um mês depois, o estudo apresentou resultados promissores, conforme divulgado em apresentação de slides.

O estudo, também conduzido em outros países, foi aprovado pelo Governo Federal através do Comitê Geral de Pesquisa.

- CONTINUA DEPOIS DE PUBLICIDADE -

A pesquisa foi feita com pacientes de 9 hospitais em Manaus e no interior do Amazonas. O estudo foi conduzido dividindo os medicamentos de forma ordenada e aleatória. Parte dos pacientes recebeu o medicamento verdadeiro e parte recebeu ‘placebos’. Nem os pacientes e nem os médicos sabiam a diferença entre os medicamentos administrados aos participantes do estudo.

Participaram do estudo clínico, 600 pacientes.

Foram incluídos no estudo pacientes hospitalizados por Covid-19 de qualquer idade acima de 18 anos, que apresentassem baixa saturação de oxigênio em ar ambiente, que precisaram obrigatoriamente de oxigênio (de preferência em alto fluxo), com pelo menos 25% a 50% dos pulmões, acometidos e que não tivessem disfunções importantes no fígado e rins.

Entre o grupo que tomou o placebo (294 pacientes), houve o registro de 141 mortes, o equivalente a 47,6%.

Já no grupo que tomou a Proxalutamida (296 pacientes) houve o registro de 12 mortes, apenas 3,7% do total de pacientes.

Sendo assim, a medicação reduziu em 92,2% a mortalidade. Houve redução também no tempo de internação entre os dois grupos de pacientes e redução significativa da necessidade de intubação.

As conclusões do estudo foram que a Proxalutamida reduziu drasticamente o número de mortes, reduziu o tempo de internação hospitalar, inibiu a progressão da Covid-19 e parece atuar nos mecanismos principais da morte por Covid-19.

“Não temos dúvida que esse é o melhor remédio contra Covid disponível no mundo. Como brasileiro, eu espero que essa droga esteja disponível logo para todos”, afirmou o presidente da Samel, Luiz Alberto Nicolau.

Veja mais notícias de Ribeirão Preto e Região no Em Ribeirão

publicidade
publicidade

As críticas do New York Times a Moraes

O jornal norte-americano New York Times voltou a falar sobre o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF). Uma reportagem publicada neste domingo, 22,...

5 depredações da esquerda contra o patrimônio público

“Nunca vocês leram alguma notícia sobre um movimento ou partido de esquerda invadir o Congresso Nacional, a Suprema Corte ou o Palácio do Planalto”,...

Valor bloqueado de manifestantes sobe para R$ 18,5 milhões

A Justiça Federal autorizou hoje (21) novos bloqueios de bens de suspeitos de financiar os atos que resultaram na depredação dos prédios dos Três Poderes...

José Dirceu propõe reestruturar papel dos militares no Brasil

Militares precisam voltar para os quartéis e sair de órgãos do governo, sugere. José Dirceu de Oliveira e Silva, ex-ministro da Casa Civil de Lula,...

Lula quer endurecer penas para crimes ‘contra a democracia’

O Ministério da Justiça e Segurança Pública trabalha em uma proposta para endurecer as punições para crimes “contra a democracia”. O projeto, ainda a...
- PUBLICIDADE -