InícioSaúdeMédico defende Annita contra a covid-19 e cita casos

Médico defende Annita contra a covid-19 e cita casos

Edimilson Migowski afirma que o medicamento é efetivo se usado nos estágios iniciais da doença

- continua após a publicidade -

Desde o início da pandemia, o infectologista Edimilson Migowski defende o uso da nitazoxanida, comercialmente vendida como Annita, no tratamento precoce da covid-19.

Professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Migowski lidera um convênio entre a instituição e a prefeitura de Volta Redonda (RJ) e comemora os resultados.

Até 5 de novembro, 435 pacientes receberam o tratamento e não houve registro de nenhuma internação, falência respiratória ou óbito.

“Em Volta Redonda, todos os pacientes que receberam a medicação até o terceiro dia a partir do início dos sinais e sintomas, 100% deles, tiveram evolução satisfatória para a cura”, garante o médico.

O Ministério da Ciência e Tecnologia conduziu um ensaio clínico com a nitazoxanida envolvendo 1.575 voluntários. Segundo o estudo, divulgado em 24 de outubro, pacientes que receberam a droga tiveram maior redução da carga viral e resultados negativos para o novo coronavírus mais rápido.

Em entrevista a Oeste, o infectologista Edimilson Migowski respondeu a perguntas sobre o tema e resumiu o protocolo que vem sendo adotado na cidade fluminense em 3 pilares:

divulgação

Seis dúvidas sobre a nitazoxanida

1. Pesquisa divulgada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações indica que a nitazoxanida reduz carga viral de pacientes com covid-19. O que isso representa na prática?
- CONTINUA DEPOIS DE PUBLICIDADE -

Comprovadamente, a nitazoxanida reduz a replicação do vírus, por quatro mecanismos bem determinados e conhecidos. O que foi observado nessa pesquisa clínica era algo que já tinha evidências no laboratório, in vitro [em células isoladas em laboratório]. Isso significa que, provavelmente, a pessoa que venha a receber a droga precocemente, no início dos sintomas, vai ter uma doença de menor gravidade, como menos risco de internação, falência respiratória e morte.

Devido à redução da carga viral, a pessoa também vai transmitir menos esse tipo de coronavírus. A medicação é benéfica tanto para o paciente que está enfermo como para quem tem contato com ele, já que a redução da carga viral ajuda a diminuir o risco de propagação do vírus.

2. O medicamento é indicado para os estágios iniciais da doença?

Em Volta Redonda, todos os pacientes que receberam a medicação até o terceiro dia a partir do início dos sinais e sintomas, tomando 500 miligramas de oito em oito horas por no mínimo seis dias, 100% deles, tiveram evolução satisfatória para a cura.

3. Volta Redonda assinou convênio com a UFRJ para tratamento de casos leves da covid-19. Como está a situação na cidade?

Começamos em 8 de julho e entramos no quarto mês de observação. Até a presente data, sucesso absoluto: zero falência respiratória, zero internação e zero óbito. Na rotina da saúde pública de Volta Redonda, esse medicamento tem, sim, minimizado o sofrimento. Na cidade, aumentaram em 70% as notificações e reduziram-se em 70% as internações, o que mostra o tratamento precoce como eficiente e seguro.

foto internet
4. Qual o uso original do medicamento?

Nitazoxanida foi utilizada inicialmente para o tratamento de parasitoses intestinais como as causadas por giárdia e amebas. Depois, indicou-se em bula o uso no tratamento de norovírus e rotavírus, que causa muita diarreia, vômito e febre. Também existe emprego no tratamento da hepatite C.

Eu e o professor Davis Ferreira desenvolvemos algumas pesquisas e comprovamos em avaliação de laboratório que esse medicamento também apresentava ação na inibição da replicação de vírus da dengue e de vírus da febre amarela. De lá para cá, surgiram aplicações para outros vírus, como, por exemplo, o da hepatite B, ebola, HIV, vírus influenza, chikungunya, zika vírus e outros.

5. Ele apresenta efeitos adversos?

O efeito adverso mais documentado com esse medicamento, que já foi utilizado por mais de 250 milhões de pessoas no mundo, é basicamente dor abdominal, que quase inexiste quando se administra a droga junto com alimentos.

6. O senhor acredita que está havendo uma politização nos tratamentos?

Infelizmente, tanto em termos nacionais como internacionais, incluindo os Estados Unidos, países europeus e a Organização Mundial da Saúde. Se houvesse mais tecnologia, mais ciência e menos politização desse tema, estaríamos em situação melhor. Muitos erros foram cometidos em nome de uma politização que eu acho bastante deletéria para a saúde pública e mundial

foto divulgação

Veja mais notícias de Ribeirão Preto e Região no Em Ribeirão

publicidade
publicidade

Valor bloqueado de manifestantes sobe para R$ 18,5 milhões

A Justiça Federal autorizou hoje (21) novos bloqueios de bens de suspeitos de financiar os atos que resultaram na depredação dos prédios dos Três Poderes...

José Dirceu propõe reestruturar papel dos militares no Brasil

Militares precisam voltar para os quartéis e sair de órgãos do governo, sugere. José Dirceu de Oliveira e Silva, ex-ministro da Casa Civil de Lula,...

Lula quer endurecer penas para crimes ‘contra a democracia’

O Ministério da Justiça e Segurança Pública trabalha em uma proposta para endurecer as punições para crimes “contra a democracia”. O projeto, ainda a...

Lula nomeia novo comandante do Exército; Saiba quem é o General Tomás

O governo federal anunciou na tarde deste sábado (21) que o general Tomás Miguel Ribeiro Paiva é novo comandante do Exército. O ex-comandante Militar...

General demitido por Lula reúne Alto Comando do Exército

Objetivo é anunciar a decisão do presidente de demiti-lo
- PUBLICIDADE -