InícioSaúdeLegalização da maconha no Uruguai só agravou o problema e colou o...

Legalização da maconha no Uruguai só agravou o problema e colou o pais em apuros

- continua após a publicidade -

O Governo Uruguaio criou uma equipe especial para enfrentar o crescimento da violência em Chuy, Minas e San Carlos, entre gangues rivais que disputam o controle do tráfico de maconha paraguaia, pasta base e cocaína advindas do Brasil. Os deputados uruguaios também aprovaram que o Exército tenha atuação policial para deter narcotraficantes em uma faixa maior da fronteira.

Estas ações coincidem com o reconhecimento por parte das autoridades do Uruguai que não se alcançou o objetivo de controle estatal sobre a maconha.

Apenas 15% do consumo está concentrado nos meios de venda estabelecidos pelo decreto que o ex-presidente Jose Mujica infligiu ao país.

Existem 23.161 pessoas registradas para a compra nas poucas farmácias que aceitaram efetuar tal venda.

- CONTINUA DEPOIS DE PUBLICIDADE -

O restante do total, estimado pelo governo em 147 mil usuários, recorrem ao mercado negro para o uso, o que agrava a insegurança pública nas lutas entre facções de narcotraficantes.

Somente 12 das 1200 farmácias do país vendem maconha. Inicialmente eram 16 porém o total foi reduzido pela decisão do sistema bancário de não operar com empresas envolvidas neste comércio. A imensa maioria se recusou a vender sob o argumento lógico que empresas que vendem medicamentos para a cura não poderiam vender uma droga que traz prejuízos á Saúde.

Além das fábricas autorizadas a produzir a maconha, existem 8418 cultivadores privados e 90 clubes de consumidores. Os cultivadores domésticos podem ter até 6 plantas porém, como a fiscalização é virtualmente impossível, nada impede que suplantem este limite com uma produção que chegará ao mercado ilícito. Recentemente um estudo de uma organização francesa revelou que no ano passado aumentou o consumo total de maconha, incluindo os adolescentes.

Foto: Divulgação/Polícia Militar)

Todos estes fatores confirmam o erro de Mujica em crer que a maconha legalizada substituiria o consumo de drogas mais pesadas, cujos volumes seguem inabalados, especialmente nas drogas sintéticas. O presidente Tabaré Vasques se pronunciou contra a legalização e consumo da maconha mas nada fez – ou pode fazer – para eliminar a legislação equivocada.

Para o combate eficaz do problema é necessário reconhecer o fiasco da legislação e eliminar o plano de drogas de Mujica.

Veja mais notícias de Ribeirão Preto e Região no Em Ribeirão

publicidade
publicidade

STF julga liberação de crininosas para prender manifestantes de 8 de janeiro

Vão soltar criminosas para sobrar lugar para prender senhoras que se manifestavam dentro da constituição e acreditaram em um capitão e alguns generais

As críticas do New York Times a Moraes

O jornal norte-americano New York Times voltou a falar sobre o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF). Uma reportagem publicada neste domingo, 22,...

5 depredações da esquerda contra o patrimônio público

“Nunca vocês leram alguma notícia sobre um movimento ou partido de esquerda invadir o Congresso Nacional, a Suprema Corte ou o Palácio do Planalto”,...

Valor bloqueado de manifestantes sobe para R$ 18,5 milhões

A Justiça Federal autorizou hoje (21) novos bloqueios de bens de suspeitos de financiar os atos que resultaram na depredação dos prédios dos Três Poderes...

José Dirceu propõe reestruturar papel dos militares no Brasil

Militares precisam voltar para os quartéis e sair de órgãos do governo, sugere. José Dirceu de Oliveira e Silva, ex-ministro da Casa Civil de Lula,...
- PUBLICIDADE -