InícioSaúdeIvermectina reduz infecção e mortes, aponta estudo robusto publicado neste dia 15

Ivermectina reduz infecção e mortes, aponta estudo robusto publicado neste dia 15

A pergunta que não pode calar: Onde estão os bandidos que demonizaram o remedio e ajudaram a imprensa a MATAR milhares de pessoas? Ouvimos muitos insultos aqui, e não abrimos mão de trazer a verdade.

- continua após a publicidade -

Foi publicado ontem um artigo com estudos robustos na cidade de ITAJAÍ/SC, com apoio do poder público municipal e diversos pesquisadores BRASILEIROS, em 223.128 pessoas.

2. A IVERMECTINA foi demonizada por políticos, extrema-imprensa e negacionistas, e também devidamente censurada pelas big techs. Porém, os números da pesquisa realizada desde 2020 são conclusivos e atestam a eficácia da IVERMECTINA na redução de infecções e mortes por COVID

3. Trechos do estudo, publicado na CUREAUS, com o seguinte título, comprovam: “Profilaxia com ivermectina usada para COVID-19: um estudo observacional prospectivo em toda a cidade de 223.128 indivíduos usando correspondência de pontuação de propensão”

4. Esse estudo tem algumas características muito especiais: – É brasileiro e o maior estudo já realizado com a ivermectina: população analisada tem 220.517 habitantes; – É o segundo maior estudo da COVID-19 já realizado, só aquém do estudo de Israel com a vacina da Pfizer

arquivo
- CONTINUA DEPOIS DE PUBLICIDADE -

5. – É um estudo prospectivo observacional que pode ser analisado e comparável com estudo Randomizado e controlado, quase duplo cego, graças ao tipo de análise estatística utilizada, que combina o Método de Poisson (para os ajustes) com o PSM – propensity’s score matching (balanceamento das variáveis).

6. -A combinação dos dois métodos é considerado padrão ouro estatístico hoje em dia. – Utilizou a infraestrutura do SUS e teve o apoio financeiro do município. É um estudo forte, robusto, muito acurado, de altíssima qualidade.

7. O estudo é tão importante que já está repercutindo internacionalmente. Segundo o documento,os pesquisadores ficaram impressionados quando iniciaram o trabalho e o finalizaram com duas características locais: -No início descobriu-se que toda a população de Itajaí estava cadastrada digitalmente no SUS, onde todo o histórico médico constava e tiveram apenas que fazer atualizações dos dados desejados aplicando a ficha médica desenvolvida antes da distribuição da ivermectina; ao final constatou-se que todos os pacientes incluídos tinham dados médicos completos e não havia nenhum dado faltante.

A ivermectina, usada apenas profilaticamente, foi capaz de diminuir em: 57% a taxa de infecção pelo COVID-19, 56% a taxa de hospitalização pela doença, 68% a taxa de mortalidade e 76% o risco de morrer de COVID-19. Abaixo dos 50 anos

Acima dos 50 anos foram salvas 66 a cada 1000 vidas, demonstrando pela primeira vez que esta terapia é capaz de maior proteção em idosos e com comorbiidades, o que nunca havia sido demonstrado até então.

No artigo, os números ficaram assim distribuídos: “Resultados:

Dos 223.128 cidadãos de Itajaí considerados para o estudo, um total de 159.561 indivíduos foram incluídos na análise: 113.845 (71,3%) usuários regulares de ivermectina e 45.716 (23,3%) não usuários. Destes, 4.311 usuários de ivermectina foram infectados, sendo 4.197 da cidade de Itajaí (taxa de infecção de 3,7%) e 3.034 não usuários (de Itajaí) foram infectados (taxa de infecção de 6,6%), com redução de 44% na COVID -19 taxa de infecção (razão de risco [RR], 0,56; intervalo de confiança de 95% (IC 95%), 0,53-0,58; p < 0,0001). Usando o PSM, duas coortes de 3.034 indivíduos que sofrem de infecção por COVID-19 foram comparadas.

O uso regular de ivermectina levou a uma redução de 68% na mortalidade por COVID-19 (25 [0,8%] versus 79 [2,6%] entre não usuários de ivermectina; RR, 0,32; IC 95%, 0,20-0,49; p < 0,0001) .

Quando ajustado para variáveis ​​residuais, a redução na taxa de mortalidade foi de 70% (RR, 0,30; IC 95%, 0,19-0,46; p < 0,0001). Houve redução de 56% na taxa de hospitalização (44 versus 99 internações entre usuários e não usuários de ivermectina, respectivamente; RR, 0,44;IC 95%, 0,31-0,63; p < 0,0001).

Após ajuste para variáveis ​​residuais, a redução na taxa de hospitalização foi de 67% (RR, 0,33; IC 95%

Foto:: Montagem

Os pesquisadores chegaram à seguinte conclusão:

“Neste grande estudo de PSM, o uso regular de ivermectina como agente profilático foi associado a uma redução significativa nas taxas de infecção, hospitalização e mortalidade por COVID-19.”

O estudo completo pode ser acessado no seguinte link: https://www.cureus.com/articles/82162-ivermectin-prophylaxis-used-for-covid-19-a-citywide-prospective-observational-study-of-223128-subjects-using-propensity-score-matching

Veja mais notícias de Ribeirão Preto e Região no Em Ribeirão

publicidade
publicidade

As críticas do New York Times a Moraes

O jornal norte-americano New York Times voltou a falar sobre o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF). Uma reportagem publicada neste domingo, 22,...

5 depredações da esquerda contra o patrimônio público

“Nunca vocês leram alguma notícia sobre um movimento ou partido de esquerda invadir o Congresso Nacional, a Suprema Corte ou o Palácio do Planalto”,...

Valor bloqueado de manifestantes sobe para R$ 18,5 milhões

A Justiça Federal autorizou hoje (21) novos bloqueios de bens de suspeitos de financiar os atos que resultaram na depredação dos prédios dos Três Poderes...

José Dirceu propõe reestruturar papel dos militares no Brasil

Militares precisam voltar para os quartéis e sair de órgãos do governo, sugere. José Dirceu de Oliveira e Silva, ex-ministro da Casa Civil de Lula,...

Lula quer endurecer penas para crimes ‘contra a democracia’

O Ministério da Justiça e Segurança Pública trabalha em uma proposta para endurecer as punições para crimes “contra a democracia”. O projeto, ainda a...
- PUBLICIDADE -