InícioSaúdeIvermectina reduz infecção e mortes, aponta estudo robusto publicado neste dia 15

Ivermectina reduz infecção e mortes, aponta estudo robusto publicado neste dia 15

A pergunta que não pode calar: Onde estão os bandidos que demonizaram o remedio e ajudaram a imprensa a MATAR milhares de pessoas? Ouvimos muitos insultos aqui, e não abrimos mão de trazer a verdade.

- continua após a publicidade -

Foi publicado ontem um artigo com estudos robustos na cidade de ITAJAÍ/SC, com apoio do poder público municipal e diversos pesquisadores BRASILEIROS, em 223.128 pessoas.

2. A IVERMECTINA foi demonizada por políticos, extrema-imprensa e negacionistas, e também devidamente censurada pelas big techs. Porém, os números da pesquisa realizada desde 2020 são conclusivos e atestam a eficácia da IVERMECTINA na redução de infecções e mortes por COVID

3. Trechos do estudo, publicado na CUREAUS, com o seguinte título, comprovam: “Profilaxia com ivermectina usada para COVID-19: um estudo observacional prospectivo em toda a cidade de 223.128 indivíduos usando correspondência de pontuação de propensão”

4. Esse estudo tem algumas características muito especiais: – É brasileiro e o maior estudo já realizado com a ivermectina: população analisada tem 220.517 habitantes; – É o segundo maior estudo da COVID-19 já realizado, só aquém do estudo de Israel com a vacina da Pfizer

arquivo
- CONTINUA DEPOIS DE PUBLICIDADE -

5. – É um estudo prospectivo observacional que pode ser analisado e comparável com estudo Randomizado e controlado, quase duplo cego, graças ao tipo de análise estatística utilizada, que combina o Método de Poisson (para os ajustes) com o PSM – propensity’s score matching (balanceamento das variáveis).

6. -A combinação dos dois métodos é considerado padrão ouro estatístico hoje em dia. – Utilizou a infraestrutura do SUS e teve o apoio financeiro do município. É um estudo forte, robusto, muito acurado, de altíssima qualidade.

7. O estudo é tão importante que já está repercutindo internacionalmente. Segundo o documento,os pesquisadores ficaram impressionados quando iniciaram o trabalho e o finalizaram com duas características locais: -No início descobriu-se que toda a população de Itajaí estava cadastrada digitalmente no SUS, onde todo o histórico médico constava e tiveram apenas que fazer atualizações dos dados desejados aplicando a ficha médica desenvolvida antes da distribuição da ivermectina; ao final constatou-se que todos os pacientes incluídos tinham dados médicos completos e não havia nenhum dado faltante.

A ivermectina, usada apenas profilaticamente, foi capaz de diminuir em: 57% a taxa de infecção pelo COVID-19, 56% a taxa de hospitalização pela doença, 68% a taxa de mortalidade e 76% o risco de morrer de COVID-19. Abaixo dos 50 anos

Acima dos 50 anos foram salvas 66 a cada 1000 vidas, demonstrando pela primeira vez que esta terapia é capaz de maior proteção em idosos e com comorbiidades, o que nunca havia sido demonstrado até então.

No artigo, os números ficaram assim distribuídos: “Resultados:

Dos 223.128 cidadãos de Itajaí considerados para o estudo, um total de 159.561 indivíduos foram incluídos na análise: 113.845 (71,3%) usuários regulares de ivermectina e 45.716 (23,3%) não usuários. Destes, 4.311 usuários de ivermectina foram infectados, sendo 4.197 da cidade de Itajaí (taxa de infecção de 3,7%) e 3.034 não usuários (de Itajaí) foram infectados (taxa de infecção de 6,6%), com redução de 44% na COVID -19 taxa de infecção (razão de risco [RR], 0,56; intervalo de confiança de 95% (IC 95%), 0,53-0,58; p < 0,0001). Usando o PSM, duas coortes de 3.034 indivíduos que sofrem de infecção por COVID-19 foram comparadas.

O uso regular de ivermectina levou a uma redução de 68% na mortalidade por COVID-19 (25 [0,8%] versus 79 [2,6%] entre não usuários de ivermectina; RR, 0,32; IC 95%, 0,20-0,49; p < 0,0001) .

Quando ajustado para variáveis ​​residuais, a redução na taxa de mortalidade foi de 70% (RR, 0,30; IC 95%, 0,19-0,46; p < 0,0001). Houve redução de 56% na taxa de hospitalização (44 versus 99 internações entre usuários e não usuários de ivermectina, respectivamente; RR, 0,44;IC 95%, 0,31-0,63; p < 0,0001).

Após ajuste para variáveis ​​residuais, a redução na taxa de hospitalização foi de 67% (RR, 0,33; IC 95%

Foto:: Montagem

Os pesquisadores chegaram à seguinte conclusão:

“Neste grande estudo de PSM, o uso regular de ivermectina como agente profilático foi associado a uma redução significativa nas taxas de infecção, hospitalização e mortalidade por COVID-19.”

O estudo completo pode ser acessado no seguinte link: https://www.cureus.com/articles/82162-ivermectin-prophylaxis-used-for-covid-19-a-citywide-prospective-observational-study-of-223128-subjects-using-propensity-score-matching

Veja mais notícias de Ribeirão Preto e Região no Em Ribeirão

publicidade
.
publicidade

Subsídio do Casa Verde Amarela aumentará em até 21,4%

Acréscimo varia conforme região, renda familiar e tamanho da população

Câmara aprova limite da alíquota de ICMS sobre combustíveis

Acabou a farra dos governadores: Projeto também limita alíquota para eletricidade e telecomunicações

Cervejaria Colorado lança edição especial colecionável para celebrar o João Rock 2022

No estilo American Lager e produzida com mandioca, cerveja possui 4,2% de teor alcoólico e 18 IBU e chega em seis embalagens diferentes

4 verdades sobre empréstimo online que você precisa conhecer

Existem muitos mitos sobre o empréstimo online. É seguro? Mais caro? É possível conseguir crédito para negativado? Descubra neste artigo.
- PUBLICIDADE -