InícioSaúdeHospital Municipal Francisco de Assis começa a funcionar na segunda-feira, dia 11

Hospital Municipal Francisco de Assis começa a funcionar na segunda-feira, dia 11

Hospital funcionará como suporte para liberação de leitos dos hospitais terciários da cidade e fortalecerá rede pública de saúde

- continua após a publicidade -

A Prefeitura Municipal de Ribeirão Preto irá inaugurar na próxima segunda-feira (11) o novo Hospital Municipal Francisco de Assis.

A unidade atuará como braço nas ações de retaguarda para poder desinternar pacientes

De média e alta complexidade, caso haja a necessidade de vagas para pacientes infectados pelo novo coronavírus (Covid-19) e reforçar o sistema de saúde da cidade.

O projeto de reforma e transformação do hospital Francisco de Assis, transformando-o em hospital municipal, reflete o compromisso em combater a pandemia na cidade com planejamento e a melhoria contínua da saúde pública da cidade, oferecendo aos pacientes atendimento de acordo com os padrões de qualidade e segurança.

- CONTINUA DEPOIS DE PUBLICIDADE -

O investimento nas reformas e adaptações com readequação estrutural, pintura interna e externa, reformulação das redes elétrica, hidráulica e de gazes medicinais, paisagismo, recomposição de 31 leitos de enfermaria e novos equipamentos, em uma área de dois mil metros quadrados, foi na ordem de R$ 216.269,03, recursos da Secretaria Municipal da Saúde e R$ 1.395.183,31 em equipamentos, que estão em licitação.

Houve também doação de equipamentos do Hospital das Clínicas e de empresas para a reforma.

O hospital será gerido pela Fundação Santa Lydia, por meio de convênio no valor de R$ 539 mil mensais. A equipe conta com 40 profissionais, formado por médicos, enfermeiros, técnicos, fisioterapeutas, farmacêuticos e nutricionistas, que também acompanha esse crescimento, apostando na valorização e capacitação de nosso capital humano.

divulgação

“O hospital não é referência para os casos confirmados de coronavírus, mas funcionará como suporte para liberação de leitos dos hospitais terciários da cidade, transferindo para cá os pacientes estáveis e, consequentemente, liberando leitos para tratamento de pacientes portadores de Covid-19”, explica o superintendente da Fundação Hospital Santa Lydia, Marcelo Carboneri.

Na primeira etapa, segunda-feira, o hospital começa a operar com 12 leitos de enfermaria.

Na segunda fase, mais 19 leitos serão liberados e, na terceira e última fase, a operação passa a ser total.

O secretário da Saúde, Sandro Scarpelini, ressalta que a reestruturação do Hospital São Francisco faz parte do Plano de Contingencia para o Enfrentamento da Covid-19.

“Embora estejamos em relativo controle da pandemia em Ribeirão Preto, há meses nos antecipamos e essa estratégia é para não perdermos tempo e estarmos preparados para acomodar pacientes infectados pela Covid-19. Passando essa pandemia, a cidade ganha mais um hospital público, ampliando e melhorando a saúde pública de Ribeirão Preto”, explicou Scarpelini.

dvulgaçao

Veja mais notícias de Ribeirão Preto e Região no Em Ribeirão

publicidade
publicidade

🏅 Olimpíadas: Seleção feminina de handebol estreia com vitória sobre a Espanha! 🇧🇷

A Seleção Brasileira feminina de handebol teve uma estreia impressionante nos Jogos Olímpicos de Paris, vencendo a Espanha por 29 a 18.

🚗 Dia de São Cristóvão: conheça a origem e a história do santo padroeiro dos motoristas 🌟

São Cristóvão é venerado como protetor dos motoristas e viajantes, com uma história que remonta ao século XIII.

Tomate retorna ao RP Folia com show especial após arrastar foliões em 2023

Cantor baiano se prepara para nova apresentação que promete agitar o público. Micareta será realizada no dia 14 de setembro, no Estádio Palma Travassos, em Ribeirão Preto

Jornada do Patrimônio chega a 40 municípios em todo o Estado

Recuperando a memória sobre as ferrovias de São Paulo, evento abre as comemorações do Dia do Patrimônio Histórico

🌡️ Brasil inabitável em 50 anos? A verdade por trás do estudo da Nasa ☀️

Um estudo citado pela Nasa e liderado pelo cientista Colin Raymond prevê que, até 2070, áreas do Brasil podem se tornar inabitáveis devido ao calor extremo causado pelas mudanças climáticas.
- PUBLICIDADE -