InícioSaúdeRibeirão Preto tem leitos sobrando na rede privada e deveria contratar com...

Ribeirão Preto tem leitos sobrando na rede privada e deveria contratar com urgência

Presidente da entidade diz que hospitais de campanha são um erro estratégico e que Ribeirão Preto vive o cenário já experimentado por Manaus

- continua após a publicidade -

O presidente da FEHOESP-Federação dos Hospitais, Clínicas e Laboratórios do Estado de São Paulo e SindRibeirão-Sindicato local, médico Yussif Ali Mere Jr., disse hoje (10/7) que os hospitais da rede particular do estado ainda podem criar leitos de UTI para o SUS e comparou o cenário atual de casos de COVID-19 em Ribeirão Preto à situação experimentada por Manaus, capital brasileira que vivenciou cenário desesperador durante esta pandemia com falta de leitos e condições de atender aos doentes.

Yussif Ali Mere Jr. alertou que a situação a que Ribeirão Preto apresenta hoje não era esperada, mas que a cidade poderia ter negociado novos leitos com a rede privada.

“Há cerca de dois meses, o HC de Ribeirão Preto tinha ocupação de 50% dos leitos disponíveis para a COVID-19; ninguém esperava que chegasse rapidamente a 100% como aconteceu, mesmo assim, o que precisaria ter feito é criar leitos de UTI”.

Ainda há possibilidade de disponibilização de leitos da rede particular para o SUS.

“Os hospitais estão lotados, mas existe possibilidade de diálogo. Isso está colocado para o governo estadual. Nos colocamos à disposição, mas não avançou a ideia de se criar esses leitos. Muitas prefeituras pequenas no estado de São Paulo se adiantaram a isso e compraram leitos dos hospitais privados. Ribeirão não fez isso, mas a situação atual exige mais leitos”.

arquivo

A rede privada de hospitais , pela migração significativa de usuários dos planos de saúde para o SUS, segundo Ali Mere Jr., tem condições, ainda, de criar leitos.

- CONTINUA DEPOIS DE PUBLICIDADE -

Sobre a criação de hospitais de campanha para o interior paulista, onde a contaminação pelo novo coronavírus tem crescido significativamente, o presidente da FEHOESP diz que as estruturas armadas foram um erro estratégico por não suportarem estruturas mais complexas como as de UTI.

“Disponibilizar leitos de enfermaria é a mesma coisa que isolar o paciente em casa para acompanhamento”, comparou.

foto internet

Cloroquina

Sobre o uso da cloroquina e outros medicamentos que ainda não têm protocolo científico para tratamento da COVID-19, Yussif Ali Mere Jr. lamentou a politização do debate. “A decisão é do médico.

Por enquanto temos mais notícias de complicações pelo uso de medicamentos ainda sem protocolo para tratamento da COVID-19 do que soluções; e não temos pesquisas que comprovem a eficácia”, analisou.

O médico ainda comentou sobre a politização do debate em torno dos protocolos de tratamento para a COVID-19.

“Trata-se de um caso que é científico usado politicamente. Nosso inimigo é o vírus. Vemos alguns casos de prefeitos que começaram a distribuir cloroquina para a população e isso é um absurdo porque o medicamento tem de ser administrado pelo médico. O que não podemos fazer é transformar um assunto científico em debate político ideológico”.

divulgação

Veja mais notícias de Ribeirão Preto e Região no Em Ribeirão

publicidade
.
publicidade

Cerca de 40 mil pessoas não retornaram para receber a segunda dose da vacina contra Covid-19

Dados são Vigilância Epidemiológica, que conclama a população a procurar os postos de vacinação e manter o controle da doença

“Concertos Internacionais” apresenta homenagem a Astor Piazzolla

Concerto será transmitido no dia 23 de outubro, às 19h, como parte das comemorações de 91 anos do Theatro Pedro II

Nogueira quer que você receba agua do Rio Pardo nas torneiras

Hoje a agua do DAERP é do aquífero guarani, uma agua mineral será substituída por aguas do Rio Pardo. Você aprova esta mudança?

Atenção: Alerta para tentativa de golpe contra aposentados

Instituto de Previdência orienta beneficiários a não informar dados pessoais ou bancários

Ditador Moraes manda prender e extraditar Allan dos Santos

Se não estamos vivendo em uma ditadura do judiciário, o que se compara com atitudes destes loucos? Maduro, Chaves, Alexandre de Moraes...
- PUBLICIDADE -