Início Saúde Casos de dengue têm queda pelo quarto mês consecutivo em Ribeirão Preto

Casos de dengue têm queda pelo quarto mês consecutivo em Ribeirão Preto

A dengue caiu justamente no periodo da pandemia, chikungunya zerou. Estranho os mosquitos entraram em quarentena ou casos foram notificados em outra doença?

- continua após a publicidade -

O departamento de Vigilância em Saúde, órgão da Secretaria Municipal da Saúde, divulgou nesta quarta-feira (5) o Boletim Epidemiológico da dengue, com 21 casos confirmados na cidade no mês de julho.

Em comparação ao mesmo período do ano passado, quando foram registrados 319 casos da doença, houve uma redução de 93,42% de pessoas infectadas pelo mosquito Aedes aegypti.

Já em 2020, considerando os meses de janeiro, fevereiro, março, abril, maio, junho e julho, os números concentram 13.536 casos.

ARQUIVO
- CONTINUA DEPOIS DE PUBLICIDADE -

O índice é 25,30% maior que em 2019, quando foram registrados 17.361 casos no mesmo período. Desde abril, os casos de dengue em Ribeirão Preto estão em queda.

“Oitenta por cento dos casos estão nas casas das pessoas e, por isso, a conscientização da população é fundamental. Cada morador deve cuidar do seu quintal, eliminando focos de água parada para que o mosquito não se desenvolva. Portanto, além das nossas atividades, precisamos muito da participação da população limpando sua própria residência”, orienta o secretário da Saúde, Sandro Scarpelini.

A diretora do Departamento de Vigilância em Saúde, Luzia Márcia Romanholi Passos, ressalta que são encontrados e recolhidos muitos criadouros do mosquito durante o trabalho de campo, que prevê, além do recolhimento do material, orientação às pessoas.

divulgação

“A conscientização e ajuda da população são fundamentais para o controle da doença. Portanto, solicitamos aos moradores da cidade que eliminem os criadouros do mosquito, limpando seus quintais semanalmente e eliminado água parada, ambiente ideal para o Aedes crescer. Somente assim conseguiremos vencer essa batalha na cidade”, alerta a diretora.
 
Chikungunya, zika vírus, microcefalia, febre amarela, gripe H1N1 e Sarampo

No caso da chikungunya, não houve nenhuma confirmação da doença em julho de 2020.

Quanto à microcefalia ou outras alterações neurológicas possivelmente relacionadas à infecção pelo zika vírus, também não foi registrado nenhum caso suspeito em julho. No ano, foram 44 notificações, nenhuma confirmada.

De acordo com o Boletim Epidemiológico, não houve registro de febre amarela no mês de julho deste ano.  Desde 2016, não há registro de casos da doença em Ribeirão Preto.

- CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Em relação à Síndrome Respiratória Aguda Grave (gripe causada pelo vírus Influenza), não foi confirmado nenhum caso no mês. Também não houve casos confirmados de sarampo no mês de julho. 
 
O Boletim Epidemiológico está disponível no site da Prefeitura.

foto arquivo

Veja mais notícias de Ribeirão Preto e Região no Em Ribeirão

publicidade
publicidade

Eleições 2020: 67 congressistas irão disputar um novo cargo

A cidade de São Paulo é a capital que reúne a maior quantidade de parlamentares na corrida eleitoral

298 candidatos são flagrados recebendo auxílio emergencial

vice-prefeito e prefeito estão recebendo o auxílio emergencial, embora tenham patrimônio acima de R$ 1 milhão. E você ai dizendo que não vota e não se sente culpado(a)

Yom Kipur: Inicia o ano 5781. Você conhece o significado?

Que você seja achado no livro da vida. É um dia marcado por jejum, preces e arrependimento onde o destino de cada judeu é selado. Pedindo perdão ao próximo e a Deus.

Doria retira incentivos fiscais de 70 itens – preços devem aumentar

Na busca pelo aumento da arrecadação depois do #fiqueemcasa, Doria anunciou aumento de impostos que vão entre medicamentos até instituições como APAE e Hemocentro, passando por alimento entre outras areas

Doria deve aumentar imposto sobre herança no Estado de São Paulo

Projeto de Lei nº 250/2020 pretende alterar as regras do imposto sobre a transmissão de bens por herança ou doação, aumentando a tributação de 4% para até 8%