InícioSaúde26 de junho é o Dia Internacional de Combate às Drogas

26 de junho é o Dia Internacional de Combate às Drogas

- continua após a publicidade -

O Relatório Mundial sobre Drogas, da UNODC, agência da ONU para drogas e crime, divulgado nesta semana, traz dados importantes sobre o consumo de substâncias lícitas e ilícitas em diversos países. “A análise desses números é a oportunidade de refletirmos o quanto avançamos e se as políticas de combate às drogas são eficientes”, comenta Carlos Salgado, psiquiatra e presidente da Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas (Abead).

De acordo com o levantamento, diminui a produção e o consumo das principais drogas, como crack, cocaína e heroína, contudo, com o crescente consumo de drogas legais, também apontado pelo relatório, o cenário pode rapidamente retroceder. “Isso porque as substâncias consideradas ‘leves’ e as legais, como álcool e tabaco, são a porta de entrada para outras drogas. Podemos cair em uma espécie de círculo vicioso”, explica o psiquiatra.

Ainda em análise do relatório, outros aspectos preocupantes foram revelados, como o consumo da maconha, a droga ilícita mais consumida no mundo, e o uso de anfetaminas, que deverá, em breve, ultrapassar a soma de usuários de heroína e cocaína. O dado é alarmante, já que as drogas sintéticas ainda não sofrem imposições eficientes da lei e, em muitos casos, são produzidas a partir de substâncias legais.

 

“Infelizmente, é necessário entender que a aceitação social das drogas consideradas legais está diretamente ligada aos problemas que enfrentamos com as substâncias ilícitas. Não pode existir prevenção e combate eficaz sem a adoção de medidas restritas a publicidade de álcool e tabaco, por exemplo. Precisamos de ações conjuntas e que levem em consideração todo o cenário de consumo, legal ou ilegal”, diz Salgado.

 

- CONTINUA DEPOIS DE PUBLICIDADE -

O especialista lembra ainda outro importante ponto do relatório indicando que a situação de maior risco envolve os países em desenvolvimento, como o Brasil.

“É uma triste realidade do país e, para contrapor essa situação, é preciso maior mobilização e iniciativa da sociedade. Assistimos hoje grande parte de nossos jovens terem contato com álcool e tabaco em suas casas, resultado de uma cultura equivocada, que entende a experimentação como algo indissociável do convívio social. Precisamos que a conscientização caminhe com políticas restritas ao consumo do álcool, como no que diz respeito à publicidade, assim como foi feito com o tabaco”, analisa.


Os resultados do relatório e de diversas outras pesquisas devem servir de subsídio para a elaboração de políticas publicas que sirvam aos interesses da população e precisa contar claramente com seu apoio. Nesse sentido, toda discussão é válida e o dia 26 de junho oferece a oportunidade. “O que falta é passarmos do discurso a ação”, completa Carlos Salgado.

Fonte:Universo da Mulher/ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)

Veja mais notícias de Ribeirão Preto e Região no Em Ribeirão

publicidade
publicidade

As críticas do New York Times a Moraes

O jornal norte-americano New York Times voltou a falar sobre o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF). Uma reportagem publicada neste domingo, 22,...

5 depredações da esquerda contra o patrimônio público

“Nunca vocês leram alguma notícia sobre um movimento ou partido de esquerda invadir o Congresso Nacional, a Suprema Corte ou o Palácio do Planalto”,...

Valor bloqueado de manifestantes sobe para R$ 18,5 milhões

A Justiça Federal autorizou hoje (21) novos bloqueios de bens de suspeitos de financiar os atos que resultaram na depredação dos prédios dos Três Poderes...

José Dirceu propõe reestruturar papel dos militares no Brasil

Militares precisam voltar para os quartéis e sair de órgãos do governo, sugere. José Dirceu de Oliveira e Silva, ex-ministro da Casa Civil de Lula,...

Lula quer endurecer penas para crimes ‘contra a democracia’

O Ministério da Justiça e Segurança Pública trabalha em uma proposta para endurecer as punições para crimes “contra a democracia”. O projeto, ainda a...
- PUBLICIDADE -