InícioPolíticaMP aponta sobrepreço de R$ 723 mil em compras da Secretaria de...

MP aponta sobrepreço de R$ 723 mil em compras da Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo

Governo de São Paulo teria gasto mais de R$ 700 mil reais acima do valor de mercado em máscaras de proteção sem licitação.

- continua após a publicidade -

O Ministério Público de Contas de São Paulo (MPC-SP), apontou irregularidades em um processo de dispensa de licitação realizado pela Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo para a compra de “faceshield”, um modelo específico de máscara para proteção do rosto.

De acordo com o procurador Rafael Baldo, o Estado teria gasto aproximadamente R$ 24,00 acima do preço médio praticado pelo mercado por unidade.

“O estado pagou R$ 32,00 por cada máscara de proteção facial à empresa contratada, que vende, em seu site, exatamente o mesmo produto por R$ 7,90”, apontou o procurador.

Em nota, a Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo classificou como ‘inadequada’ a comparação feita pelo procurador, de acordo com a Secretaria, o material adquirido foi específico para uso em hospitais.

O MPC-SP informa em parecer emitido que ‘verificou falhas graves suficientes que comprometem a matéria’. O parecer é referente a dispensa de licitação 20/2020, um contrato fechado com a empresa Bold Participações S/A no valor total de R$ 960 mil reais. Segundo o MP entre as irregularidades está a apresentação de propostas para elaboração de orçamento por uma empresa que tem como atividade principal ‘serviços de escritório e apoio administrativo’, o que invalidaria o orçamento. No entanto o ‘fato mais grave’, segundo o procurador, é o sobrepreço, que teria totalizado R$ 723 mil reais.

- CONTINUA DEPOIS DE PUBLICIDADE -

A tese de sobrepreço é reforçada ao comparar a presente aquisição com as compras de mesmo objeto feitas por outras Secretarias. Nessa linha, em consulta à Bolsa Eletrônica de Compras de São Paulo, no total de 7 negociações ocorridas entre 13/07/2020 e 14/01/2021, constatou-se que o preço médio praticado foi de R$ 8,31 por unidade, enquanto o preço máximo foi de R$ 14,89, registrou Rafael Baldo.

O procurador entendeu que ‘restou configurada a contratação do objeto por preços acima do mercado, em prejuízo à economicidade e à vantajosidade previstos em lei e aos princípios que norteiam a Administração Pública’.

Veja mais notícias de Ribeirão Preto e Região no Em Ribeirão

publicidade
.
publicidade

Com dois a menos, Palmeiras se classifica na libertadores

10 SEMIS DE #LIBERTADORES NA HISTÓRIA! 10 CLASSIFICAÇÕES CONSECUTIVAS EM MATA-MATA NO TORNEIO! 10 PASSAGENS DE FASE EM #LIBERTADORES EM CASA!

Patriotas vão para Paulista: Ribeirão inicia preparativos para o desfile de 7 de Setembro

Em Ribeirão vários grupos se organizam para participar das manifestações em São Paulo, dia que esta sendo considerado o mais importante dos últimos 200 anos. Confira como participar.

WhatsApp lança novas ferramentas para garantir mais segurança e privacidade aos usuários

As funções do aplicativo de mensagens estão em fase de testes, mas devem chegar ao público em breve

Vereador esquerdista que defende mulheres deve cumprir medida protetiva com a ex-namorada

a vítima se sente perseguida e agredida moralmente e psicologicamente pelo autor

“Funcionário” recebe R$ 22 mil por mês da Câmara para estudar Direito na USP em período integral

Trabalhar por que? Se nem os vereadores fazem isso, o O acadêmico em questão é Saulo Wellington Marchiori Magron, lotado no cargo de agente de administração
- PUBLICIDADE -