InícioPolíticaGeneral demitido por Lula reúne Alto Comando do Exército

General demitido por Lula reúne Alto Comando do Exército

Objetivo é anunciar a decisão do presidente de demiti-lo

- continua após a publicidade -

Objetivo é anunciar a decisão do presidente de demiti-lo

O comandante do Exército, general Júlio César de Arruda, esteve em uma reunião neste sábado, 21, com o Alto Comando da Força. O objetivo do encontro era anunciar a decisão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva de demiti-lo.

Arruda atribuiu a decisão às críticas que o Exército tem recebido por suposta “falta de disposição” no combate aos atos de vandalismo registrados na Praça dos Três Poderes, em Brasília.

O general estava no Exército desde 28 de dezembro, antes da posse de Lula. A demissão ocorre na esteira da “crise de confiança” do petista com alguns militares. A tensão escalou depois das manifestações.

- CONTINUA DEPOIS DE PUBLICIDADE -

Em 12 de janeiro, o presidente responsabilizou os militares pelas consequências da invasão do Palácio do Planalto, do Supremo Tribunal Federal e do Congresso. “Estou convencido de que a porta do Palácio do Planalto foi aberta para essa gente entrar, porque não vi a porta de entrada quebrada”, disse.

Nova era
Logo depois de anunciar a demissão de Arruda, o governo comunicou que o general Tomás Miguel Ribeiro Paiva é o novo comandante do Exército.

Paiva, 62 anos, chefiava o Comando Militar do Sudeste desde 2021. Ele era o segundo na lista de generais que poderiam se tornar comandantes na gestão do ministro da Defesa, José Múcio Monteiro.

Em 2019, Ribeiro Paiva havia assumido o posto de general de Exército, o mais alto da carreira militar. Na ocasião, passou a integrar o Alto Comando do Exército — órgão colegiado que discute assuntos de interesse da Força.

O comandante escolhido por Lula nasceu em São Paulo. Iniciou a carreira militar em 1975, na Escola Preparatória de Cadetes do Exército. Foi declarado aspirante a oficial de Arma de Infantaria em 1981.

Ribeiro Paiva atuou em missão no Haiti como subcomandante do Batalhão de Infantaria de Força e Paz. Também liderou a Força de Pacificação da Operação Arcanjo VI, no Complexo da Penha e do Alemão, no Rio de Janeiro, em 2012.

Ele comandou o Batalhão da Guarda Presidencial, em Brasília, e trabalhou como ajudante de ordens da Presidência da República durante o governo de Fernando Henrique Cardoso. Também atuou como assessor militar do Brasil junto ao Exército do Equador.

Veja mais notícias de Ribeirão Preto e Região no Em Ribeirão

publicidade
publicidade

STF julga liberação de crininosas para prender manifestantes de 8 de janeiro

Vão soltar criminosas para sobrar lugar para prender senhoras que se manifestavam dentro da constituição e acreditaram em um capitão e alguns generais

As críticas do New York Times a Moraes

O jornal norte-americano New York Times voltou a falar sobre o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF). Uma reportagem publicada neste domingo, 22,...

5 depredações da esquerda contra o patrimônio público

“Nunca vocês leram alguma notícia sobre um movimento ou partido de esquerda invadir o Congresso Nacional, a Suprema Corte ou o Palácio do Planalto”,...

Valor bloqueado de manifestantes sobe para R$ 18,5 milhões

A Justiça Federal autorizou hoje (21) novos bloqueios de bens de suspeitos de financiar os atos que resultaram na depredação dos prédios dos Três Poderes...

José Dirceu propõe reestruturar papel dos militares no Brasil

Militares precisam voltar para os quartéis e sair de órgãos do governo, sugere. José Dirceu de Oliveira e Silva, ex-ministro da Casa Civil de Lula,...
- PUBLICIDADE -