InícioPolicialLula Ladrão: 17 anos no caso do sítio de Atibaia

Lula Ladrão: 17 anos no caso do sítio de Atibaia

Lula foi preso em 2018, após a condenação No caso triplex, agora em liberdade sofre mais uma condenação em segunda instância.

- continua após a publicidade -

Lula foi condenado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no processo do sítio de Atibaia.

O recurso buscava reverter aspectos da sentença. Os desembargadores também negaram pedido preliminar da defesa de Lula, que buscava remarcar o julgamento para uma data futura, de forma a garantir que ele fosse feito presencialmente.

O julgamento desta quarta (6) foi concluído no plenário virtual do TRF-4. A análise do caso começou na semana passada.

arquivo

É a segunda sentença em segundo grau de Lula nos processos da Lava Jato, em Curitiba.

Em janeiro de 2018, o mesmo TRF-4 condenou o ex-presidente a 12 anos de prisão no processo do tríplex do Guarujá (SP) e determinou a prisão do petista para início do cumprimento provisório da pena, assim que esgotado os recursos no tribunal. A pena foi depois reduzida para 9 anos, no Superior Tribunal de Justiça (STJ), em julgamento no ano passado.

Lula foi preso em abril de 2018, após a condenação em segunda instância do caso triplex, e solto em novembro do ano passado após o Supremo Tribunal Federal rever entendimento sobre execução de pena antes do transito em julgado (quando o caso já não cabe recursos).

- CONTINUA DEPOIS DE PUBLICIDADE -

Por conta da mudança jurídica, o petista segue respondendo aos dois processos em liberdade.

Em primeira instância, Lula foi sentenciado no caso do sítio de Atibaia em fevereiro de 2019 pela 13.ª Vara Federal em Curitiba por supostamente receber R$ 1 milhão em propinas via reformas do sítio de Atibaia, que está em nome de Fernando Bittar, filho do amigo de Lula e ex-prefeito de Campinas, Jacó Bittar.

arquivo

A Lava Jato apontou que o sítio passou por três reformas:

Uma sob comando do pecuarista José Carlos Bumlai, no valor de R$ 150 mil, outra da Odebrecht, de R$ 700 mil, e uma terceira reforma na cozinha, pela OAS, de R$ 170 mil. Total de R$ 1,02 milhão gastos pelos acusados. Os pagamentos tiveram relação com negócios na Petrobrás e os caixas de propinas acertados entre as empreiteiras e o PT.

arquivo

Veja mais notícias de Ribeirão Preto e Região no Em Ribeirão

publicidade
.
publicidade

Nova data do Kiss em Ribeirão Preto – Dia 1º de maio de 2022

Os ingressos já adquiridos seguem válidos para a nova data, portanto, não há necessidade de troca ou substituição.

Inscrições para o Sisu começam nesta terça-feira

Prazo para o segundo processo seletivo de 2021 termina no dia 6

Oportunidade de 220 vagas de emprego para diversas áreas

De janeiro a junho deste ano, Ribeirão Preto registrou saldo de 6.955 novos registros em carteira de trabalho, ficando na 6º posição no Estado de São Paulo

GCM recebe 20 armas para uso em patrulhamento

Spark permite imobilizar o infrator sem a necessidade de uso de força
- PUBLICIDADE -