Início Mundo Presidente argentino vai estatizar grupo agroexportador

Presidente argentino vai estatizar grupo agroexportador

A intervenção do Estado visa conter uma inflação projetada em 60% neste ano. No comando de um comunista Argentina caminha em direção a Venezuela.

- continua após a publicidade -

O Presidente argentino anunciou que a Vicentín, empresa líder do setor agroexportador, atualmente em concurso de credores, será expropriada pelo Estado que passará a intervir nos preços dos alimentos e no mercado de câmbio.

Vamos assinar um decreto que intervém no grupo, anunciou o Presidente argentino na Casa Rosada, sede do Governo.

Em paralelo, Alberto Fernández antecipou que enviará um projeto de lei ao Parlamento, onde o Governo tem a maioria, para expropriar o grupo Vicentín.

“Uma expropriação para que o Estado nacional assuma todos os ativos do grupo que formarão parte de um fundo a ser gerido pela YPF Agro”, completou o Presidente.

A petrolífera argentina Yacimientos Petrolíferos Fiscales (YPF), outra empresa expropriada em 2009 pela então Presidente Cristina Kirchner, hoje vice-presidente, tem um braço agropecuário, a YPF Agro.

- CONTINUA DEPOIS DE PUBLICIDADE -

“É uma empresa que está a caminho da quebra. Não estamos a expropriar uma empresa próspera”, defendeu-se Alberto Fernández, prevendo a inevitável comparação com as expropriações na Venezuela determinadas pelo então presidente Hugo Chávez.

arquivo

“No Parlamento terão a oportunidade de nos compararem com a Venezuela ou com o inferno”, previu o Presidente.

Assim, o Estado argentino passará a controlar uma empresa de referência “tanto no mercado de grãos quanto no mercado de câmbio”, indicou o ministro do Desenvolvimento Produtivo, Matías Kulfas, ao lado do Presidente argentino, durante o anúncio.

A Argentina tem na produção agropecuária a sua maior fonte de divisas, sendo esse segmento do comércio exterior aquele que orienta o mercado de câmbios. Atualmente o país está fora dos mercado internacional de crédito devido ao seu elevado défice fiscal combinado com um ‘default’ da dívida em processo de reestruturação.

Ao mesmo tempo, a intervenção do Estado na formação de preços visa conter uma inflação projetada em 60% neste ano. O aumento de preços tem relação com a desvalorização acelerada do peso argentino (a moeda do país) devido à falta de reservas do país. O Governo incide assim num mercado que terá alta procura mundial, sobretudo porque a Argentina é dos maiores exportadores de alimentos para o mundo.

“É uma decisão estratégica para a economia nacional. É uma empresa que, num momento pós-pandemia, tem uma relevância singular. Favorece à Argentina ter uma soberania alimentar”, apontou Fernández.

A empresa é líder na exportação de óleos e farinhas e a sexta maior em todo o mercado agropecuário.

A expropriação da empresa foi duramente criticada por atores económicos e por especialistas do setor. O ex-ministro da agroindústria, Luis Miguel Etchevehere, recordou que “quando o Estado administra empresas conduz a fracassos económicos e a fonte de corrupção”.

“Não é função do Estado intervir nem expropriar empresas. Quando uma empresa entra em concurso, outras interessadas compram os seus ativos e pagam os credores. Se as coisas começarem a ter preço político, seremos comparáveis com a Venezuela. Quem vai investir e arriscar se terá o Estado a impor preços?”, questionou.

Outro ex-ministro da Agroindústria, Ricardo Buryaile, vê risco para o mercado quando o Estado exerce o papel de empresário.

“Preocupa-me essa visão porque o Estado será empresário para incidir nos preços num mercado que hoje tem transparência internacional. E sabemos que o Estado nunca foi transparente nessas intervenções”, advertiu.

arquivo

Veja mais notícias de Ribeirão Preto e Região no Em Ribeirão

publicidade
publicidade

Comunicado do Sindicato dos Servidores sobre presidente da ACIRP

Estranhamente, o líder empresarial entende que sua classe está sendo atingida por medidas determinadas por Antônio ou por João, mas, por receio ou conveniência, decide combater José.

Secretário do Desenvolvimento Regional do Estado de São Paulo acredita em melhora na economia da região no segundo semestre

No Webinar Avança 016 realizado pela Amcham, Marco Vinholi falou sobre expectativas para a retomada na região

Estado de SP tem queda de mortes por coronavírus pela 2ª semana seguida

Taxa de letalidade também caiu para 5% e é a menor já registrada desde o início da pandemia; dados apontam tendência de achatamento de curva

Com quarentena, varejo e serviços registram os piores resultados para um mês de abril

A estimativa da FecomercioSP é de que, em 100 dias do comércio não essencial de portas fechadas no Estado, o prejuízo tenha chegado a R$ 43,7 bilhões

Anvisa autoriza testes da vacina contra o coronavírus

nscrições para a terceira fase dos ensaios clínicos começam dia 13 de julho e processo de testagem será iniciado dia 20 na Escola da Faculdade de Medicina da USP de Ribeirão Preto.
- PUBLICIDADE -