Início Mundo 'Javalis Selvagens' da Tailândia contam sua "odisseia" após deixarem hospital

‘Javalis Selvagens’ da Tailândia contam sua “odisseia” após deixarem hospital

- continua após a publicidade -

Os 12 meninos do time de futebol ‘Javalis Selvagens’ e seu treinador, que permaneceram mais de duas semanas presos em uma caverna na Tailândia, contaram nesta quarta-feira sua “odisseia” após receberem alta do hospital, na primeira e única entrevista coletiva que devem conceder.

Os 13 vestiam a camisa do time de futebol e todos estavam sorridentes e com bom aspecto físico durante a entrevista coletiva em Chiang Rai, a capital da província homônima situada no norte do país.

Alguns dos meninos, que têm entre 11 e 17 anos, estavam mais soltos diante das câmeras do que outros, mas o que tomou a palavra mais vezes para responder às perguntas formuladas por um apresentador foi o treinador, Ekapol Chantawong.

- CONTINUA DEPOIS DE PUBLICIDADE -

Foi ele quem contou como ficaram presos na caverna Tham Luang no dia 23 de junho sem alimentos e como não deixaram de buscar uma saída durante os nove dias em que estiveram desaparecidos.

Os meninos e o treinador entraram na caverna após um treino para comemorar o aniversário de um deles, Peerapat Sompiangjai, também conhecido como Night, que completava 17 anos, mas uma tempestade imprevista alagou partes da caverna e bloqueou sua saída.

Os meninos cavaram em busca de uma saída e para encontrar lugares seguros onde dormir, contou um dos ‘javalis’, que acrescentou que eles conseguiram avançar “três ou quatro metros”.

Ekapol indicou que, durante os nove dias que permaneceram desaparecidos, a única água que bebiam era a que escorria e era filtrada pelo teto e pelas paredes da caverna.

Um dos meninos relatou que não sentiram fome em um primeiro momento, mas, após 48 horas, começaram a ficar cansados e fracos.

Não obstante, a cada dia, encorajados pelo treinador, os meninos faziam algo para buscar uma saída e não perder a esperança.

No dia 2 de julho, os mergulhadores britânicos John Volanthen e Rick Stanton encontraram o grupo em uma câmara situada a quatro quilômetros da entrada da caverna.

Um dos ‘javalis’ descreveu hoje esse momento, depois de nove dias sem alimentos e às escuras, como “um milagre”.

A partir daí, a busca estava encerrada e começava o resgate: os britânicos tentaram levantar a moral dos meninos e deixaram lanternas com eles antes de partirem para dar a boa notícia aos outros integrantes de um operação que chegou a contar com mais de mil pessoas, entre elas especialistas de Austrália, Estados Unidos, China, Dinamarca, Finlândia, Israel e Japão, entre outros países.

O médico Phak Lonhanchun, do exército tailandês e que esteve com o grupo no interior da caverna, contou na entrevista coletiva que todos os meninos apresentavam as mesmas condições físicas e não havia nenhum deles em estado grave, por isso deixaram que eles mesmos decidissem quem sairia primeiro.

O treinador Ekapol revelou hoje que o grupo decidiu que os primeiros a sair seriam aqueles que viviam mais longe.

O resgate foi dividido em três jornadas: quatro meninos foram retirados no dia 8, outros quatro no dia 9 e o restante do grupo no dia 10. Os meninos receberam tranquilizantes e transportados em maca nos trechos inundados, até a saída da caverna.

Os médicos que trataram do grupo após o resgate indicaram que todos já recuperaram força mental e física suficientes para retornarem às suas casas.

O governo recomendou ao grupo que volte à sua vida normal e que evite se transformar no foco dos meios de comunicação.

Os meninos também contaram que serão ordenados monges por algumas semanas para, de acordo com a tradição budista, ganhar méritos em favor de Saman Kunan, o veterano mergulhador tailandês que morreu durante as operações de resgate.

Veja mais notícias de Ribeirão Preto e Região no Em Ribeirão

publicidade
publicidade

Governo amplia vetos na lei que torna obrigatório o uso de máscara

Esses dispositivos vetados pelo presidente Jair Bolsonaro, poderiam ferir a inviolabilidade do domicílio privado.

Comunicado do Sindicato dos Servidores sobre presidente da ACIRP

Estranhamente, o líder empresarial entende que sua classe está sendo atingida por medidas determinadas por Antônio ou por João, mas, por receio ou conveniência, decide combater José.

Secretário do Desenvolvimento Regional do Estado de São Paulo acredita em melhora na economia da região no segundo semestre

No Webinar Avança 016 realizado pela Amcham, Marco Vinholi falou sobre expectativas para a retomada na região

Estado de SP tem queda de mortes por coronavírus pela 2ª semana seguida

Taxa de letalidade também caiu para 5% e é a menor já registrada desde o início da pandemia; dados apontam tendência de achatamento de curva

Com quarentena, varejo e serviços registram os piores resultados para um mês de abril

A estimativa da FecomercioSP é de que, em 100 dias do comércio não essencial de portas fechadas no Estado, o prejuízo tenha chegado a R$ 43,7 bilhões
- PUBLICIDADE -