InícioMundoDia dos pais: Conheça a história de Marcelo, um dos raros casos...

Dia dos pais: Conheça a história de Marcelo, um dos raros casos de produção independente masculina no Brasil

Valdira, mãe de Marcelo, está grávida de gêmeos; bebês foram gerados com óvulo de doadora anônima e espermatozoide do filho

- continua após a publicidade -

Bastante comum entre as mulheres, a produção independente é uma realidade cada vez mais presente no Brasil. Porém, ainda são poucos os casos de homens que fazem a escolha de encarar a paternidade sem ter ao lado uma companheira. Marcelo das Neves Junior é um desses casos. O sonho de ser pai sempre esteve presente na vida dele, e, há pouco mais de um ano, o sonho começou a tomar forma quando a mãe, Valdira das Neves, hoje com 44 anos, decidiu ser a barriga solidária para o filho e gerar o bebê tão aguardado.

A história peculiar dessa família de Serrana começou há quase quatro anos, quando Valdira perdeu a pequena Helena, irmã de Junior. Com sete meses de gravidez, foi necessário fazer uma cesárea de emergência para tentar salvar a vida da menina, que infelizmente veio a falecer.

Com vontade de engravidar novamente, Valdira procurou por uma clínica de reprodução humana assistida para saber quais seriam as opções disponíveis. Ao escutar do médico que as melhores chances de a mãe conseguir gerar um bebê mais uma vez seriam se ela utilizasse o óvulo de uma doadora anônima, Junior propôs que ela o ajudasse a realizar o sonho de ser pai. “Sugeri que, já que ela iria ter que usar o óvulo de uma pessoa desconhecida, ela poderia ser a barriga solidária para gerar meu filho”, explica ele. Junto com o pai, Marcelo das Neves, a família então amadureceu a ideia e decidiu pelo óvulo doado, fertilizado com os espermatozoides de Junior.

Depois de três tentativas frustradas, a quarta vez veio para selar o destino com mais do que sorte. Valdira, na 30ª semana de gravidez, já celebra a oportunidade de gerar para o filho não apenas um bebê, mas dois. “Quando fomos fazer o ultrassom, o Junior já viu de cara que eram dois e estragou a surpresa que o médico queria fazer”, conta ela, emocionada.

- CONTINUA DEPOIS DE PUBLICIDADE -

Como Junior mora com os pais, a casa de Valdira e Marcelo já tem um quarto separado para receber os gêmeos, Maria Flor e Noah. “Estou muito feliz”, afirma Junior, que é estudante de enfermagem e promete ser o melhor enfermeiro para os bebês e também para a mãe. “Pego no pé dela por conta de tudo: alimentação, sono, etc.”

Produção independente masculina

Homosexual assumido, Junior sabia que não conseguiria formar uma família sem a ajuda de uma barriga solidária.

O Conselho Federal de Medicina (CFM) afirma que a barriga solidária deve ser de uma parente de até quarto grau e estabelece que o bebê deve ser gerado a partir do espermatozoide do “papai independente” e do óvulo de uma doadora.  

“A barriga solidária pode ser da mãe ou da irmã, tia e prima, filha ou sobrinha, e é necessário recorrer a um banco de óvulos de doadoras anônimas”, explica o médico Anderson Melo, especialista em reprodução humana assistida do CEFERP – Centro de Fertilidade de Ribeirão Preto.

De acordo com o médico, todos os envolvidos precisam de avaliação psicológica, e o pai biológico tem que garantir o seguimento médico durante a gravidez, o parto e após os primeiros meses do nascimento. “Essa técnica também é a mesma utilizada para casais homoafetivos masculinos terem seus bebês”, comenta.

Veja mais notícias de Ribeirão Preto e Região no Em Ribeirão

publicidade
.
publicidade

Rayssa Leal, a Fadinha, fatura prata no skate street em Tóquio 2020

Com apenas 13 anos atleta é a mais jovem na história a conquistar uma medalha para o país

De virada Fogão vence o Ituano e cola no G-4

Com a vitória, o Pantera chegou a 16 pontos —mesma pontuação do Ituano, quarto colocado

Olimpíadas de Tóquio: Oitavas do surfe começam neste domingo com quatro brasileiros

Medina, Italo, Silvana e Tatiana caem na água a partir das 22h

Olimpíadas de Tóquio: Rebeca Andrade dá show e se classifica para três finais

Ginasta vai brigar por medalhas no solo, individual geral e salto, Flávia Saraiva conseguiu a vaga na final na trave.

Universidade federal terá cotas para detentos, ex-presidiários e refugiados

Ser bandido virou bom negocio no Brasil, com aplauso do PSOL a decisão penaliza o cidadão de bem
- PUBLICIDADE -