InícioMundoCom a Venezuela em crise, enfim, a Europa sai do muro

Com a Venezuela em crise, enfim, a Europa sai do muro

- continua após a publicidade -

Ao conceituar o Estado-nação, Hans Morgenthau, em sua obra “A política entre as nações” conceitua uma sociedade governada por leis, e por isso dotada de estrutura coercitiva para cumprimento deste ordenamento legal: 


As sociedades nacionais devem sua paz e sua ordem à existência de um Estado que, dotado de poder supremo dentro do território nacional, mantém a referida paz e ordem. Essa, aliás, era a doutrina de Hobbes, defensor da ideia de que, sem Estado, as sociedades nacionais se pareceriam com o cenário internacional, e a guerra “de cada homem contra cada homem” constituiria a condição universal da humanidade (Morgenthau, 2003, p. 905).


A Venezuela, hoje, não exerce qualquer poder soberano em relação aos seus cidadãos, não proporciona qualquer segurança para seus nacionais, não conta com o reconhecimento uníssono internacional de possua um governo central, e não oferece qualquer segurança jurídica interna ou externa, não tem economia (inflação de mais de 1.700.000 a/a!). Sequer o país tem controle de seu território.
O que estamos acompanhamento na Venezuela é o esfacelamento da soberania do próprio Estado em face de seus nacionais, haja vista o líder da oposição, Juan Guaidó, mandatário da Assembleia Nacional, e o presidente Nicolás Maduro afirmarem ambos que são presidentes do país.

- CONTINUA DEPOIS DE PUBLICIDADE -


Ousamos dizer que o Estado-nação praticamente derreteu toda sua estrutura política, restando apenas de nação seus cidadãoatônitos ante a total incerteza de futuro. Ou seja, a Venezuela caminha a passos largos para uma insurreição civil ou militar.
O caos da Venezuela sequer pode ser visto sob o viés de ideologias de esquerda ou direita, pois nenhum sistema administrativo resta em operação correta no país.
Enquanto o bloco ocidental, que envolve países como EUA, Brasil, Argentina e a maioria dos países europeus reconhecem a presidência de Guaidó, China e Rússia mantém apoio a Maduro sobre o falso pretexto de preservação de soberania.
A soberania é um dos princípios mais frágeis na geopolítica, uma vez que o Estado infestado pela doença da desordem e do caos é palco ideal para joguete e medição de forças.
A questão geopolítica de disputa pelo petróleo e predominância na ordem mundial dão o pano de fundo. Tudo isso sem deixar de mencionar o campo aberto aos narcotraficantes e simbiótica relação com o Poder cambaleante e suscetível a acordos espúrios.
Se força tivessem, o bloco sul-americano de países, bem como a OEA, deveriam procurar uma solução urgentemente negociada.
O Brasil corre sério risco de ter tragédia semelhante a Síria no norte do país, e não deve ceder à tentação de arrefecimento de ânimos, especialmente por sofrer na fronteira com a onda de refugiados que se avizinha.
Do furacão Venezuela aproxima-se mais que simples ventania.

 

Sobre Dr Cássio Faeddo

Advogado. Mestre em Direitos Fundamentais. Pós-graduado em Direito do Trabalho e Processo do Trabalho. Especialista em Direito Público internacional e Relações internacionais.

Professor universitário desde 1998 tendo lecionado nas Faculdades Hebraico Brasileira Renascença, Anhembi-Morumbi, Unibero e Centro Unversitário SENAC.

www.faeddo.com.br – Instagram:  www.instagram.com/faeddo

Veja mais notícias de Ribeirão Preto e Região no Em Ribeirão

publicidade
.
publicidade

Rayssa Leal, a Fadinha, fatura prata no skate street em Tóquio 2020

Com apenas 13 anos atleta é a mais jovem na história a conquistar uma medalha para o país

De virada Fogão vence o Ituano e cola no G-4

Com a vitória, o Pantera chegou a 16 pontos —mesma pontuação do Ituano, quarto colocado

Olimpíadas de Tóquio: Oitavas do surfe começam neste domingo com quatro brasileiros

Medina, Italo, Silvana e Tatiana caem na água a partir das 22h

Olimpíadas de Tóquio: Rebeca Andrade dá show e se classifica para três finais

Ginasta vai brigar por medalhas no solo, individual geral e salto, Flávia Saraiva conseguiu a vaga na final na trave.

Universidade federal terá cotas para detentos, ex-presidiários e refugiados

Ser bandido virou bom negocio no Brasil, com aplauso do PSOL a decisão penaliza o cidadão de bem
- PUBLICIDADE -