InícioEconomiaPedidos de seguro-desemprego sobem 76,2% na primeira quinzena de maio

Pedidos de seguro-desemprego sobem 76,2% na primeira quinzena de maio

É possível estimar que até 250 mil pedidos ainda possam ser realizados por demissões já ocorridas.

- continua após a publicidade -

Os pedidos de seguro-desemprego na primeira quinzena de maio subiram 76,2% sobre igual período do ano passado, a 504.313 solicitações, informou o Ministério da Economia nesta quinta-feira, em dado que ilustra o impacto sobre o mercado formal de trabalho da pandemia do coronavírus.

O número também representa uma elevação de 4,9% frente aos 15 dias imediatamente anteriores.

De janeiro até a primeira quinzena de maio, foram 2.841.451 pedidos de seguro-desemprego, alta de 9,6% ante igual etapa de 2019.

Em nota, o Ministério da Economia estimou ainda que, como os trabalhadores têm até 120 dias para pedir o seguro-desemprego, é possível estimar que até 250 mil pedidos ainda possam ser realizados por demissões já ocorridas.

foto ebc
- CONTINUA DEPOIS DE PUBLICIDADE -

(Por Marcela Ayres)

Veja mais notícias de Ribeirão Preto e Região no Em Ribeirão

publicidade
.
publicidade

O Papa Francisco critica a prática de tratar Pets como filhos

O papa Francisco fez um apelo, nesta quarta-feira, para que pais e mães adotem crianças, e disse que “vivemos uma época de orfandade notória”.

Depois de vacinação em massa Serrana tem recorde de casos desde o inicio da pandemia

Se após 3 doses a cidade tem números maiores do que antes da vacinação, para o que serviu a vacina? Doria garantiu.

Aluno de academia morre por mau súbito.

As UPAs lotadas com gripe e corona depois de picada em massa, agora já estamos com uma pandemia pouco falada, mas será com frequência. Os efeitos.

IBGE oferece 266 mil oportunidades de emprego até 21 de janeiro

Agentes recenseadores deverão visitar 78 milhões de lares brasileiros Cerca de 78 milhões de residências brasileiras devem receber, a partir do dia 1º de agosto,...

Auxílio Brasil começa a ser pago nesta terça-feira

O custo para os pagamentos supera R$ 7,1 bilhões aos cofres do governo federal
- PUBLICIDADE -