Início Economia Mercado reduz de 4,94% para 3,89% estimativa de inflação para 2018

Mercado reduz de 4,94% para 3,89% estimativa de inflação para 2018

- continua após a publicidade -

A estimativa de instituições financeiras para a inflação este ano caiu pela sexta vez seguida. De acordo com pesquisa do Banco Central (BC), divulgada todas as segundas-feiras, em Brasília, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deve ficar em 3,89%. Na semana passada, a projeção estava em 4,94%.

Para 2019, a projeção da inflação passou de 4,12% para 4,11%. Não houve alteração na estimativa para 2020: 4%. Para 2021, passou de 3,86% para 3,78%.

A meta de inflação, que deve ser perseguida pelo BC, é 4,5% este ano. Essa meta tem limite inferior de 3% e superior de 6%.

- CONTINUA DEPOIS DE PUBLICIDADE -

Para 2019, a meta é 4,25% com intervalo de tolerância entre 2,75% e 5,75%. Já para 2020, a meta é 4%, e, para 2021, 3,75%, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para os dois anos (2,5% a 5,5% e 2,25% a 5,25%, respectivamente).

Taxa básica de juros

Para alcançar a meta de inflação, o Banco Central usa como instrumento a taxa básica de juros, a Selic, atualmente em 6,5% ao ano.

Para o mercado financeiro, a Selic deve permanecer em 6,5% ao ano na última reunião de 2018 do Comitê de Política Monetária (Copom), marcada para os dias 11 e 12 deste mês.

Em 2019, a expectativa é de aumento da taxa básica, terminando o período em 7,75% ao ano, a mesma previsão da semana passada. Para o término de 2020 e 2021, a expectativa segue em 8% ao ano.

Quando o Copom aumenta a Selic, a meta é conter a demanda aquecida, e isso causa reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.

- CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Quando o Copom diminui a Selic, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle da inflação.

A manutenção da taxa básica de juros, como prevê o mercado financeiro este ano, indica que o Copom considera as alterações anteriores suficientes para chegar à meta de inflação.

Crescimento econômico

As instituições financeiras ajustaram a estimativa para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país, de 1,39% para 1,32% em 2018.

Para o próximo ano, a estimativa de crescimento do PIB passou de 2,50 para 2,53%. Em 2020 e 2021, a estimativa segue em 2,50%.

Dólar

A expectativa para a cotação do dólar subiu de R$ 3,70 para R$ 3,75, no fim deste ano, e passou R$ 3,78 para R$ 3,80, no término de 2019.

Veja mais notícias de Ribeirão Preto e Região no Em Ribeirão

publicidade
publicidade

Da ala bolsonarista raiz Rodrigo Junqueira traz o PSL para disputa real a prefeitura

Entenda o que esta em jogo nas eleições de 2020, e quais os reais interesses para o futuro de Ribeirão Preto

O desespero do “Fique em Casa”, impediu a visão dos mais humildes ou desinformados

A politica da "reclusão" do povo, exemplificando o Estado de São Paulo, com a impossibilidade de tratamento antecipado de muitas pessoas, atrapalhou um resultado promissor

O preço do arroz subiu, e agora? Bora substituir o cereal em grande estilo

O chef Melchior preparou uma receita saborosa com um acompanhamento ideal para substituir o arroz e salvar o seu bolso em grande estilo.

Mortes no trânsito sobem na região de Ribeirão Preto

Vítimas fatais aumentam em 17% no mês de agosto segundo o Infosiga SP. Índices reduziram em todo o Estado

Dia do Idoso: Autocuidado é ainda mais importante na terceira idade

Podóloga da Doctor Feet ensina rotina de cuidados com o pés, pernas e unhas, na melhor fase da vida