Início Saúde Suicídio e depressão: questões individuais ou coletivas?

Suicídio e depressão: questões individuais ou coletivas?

No entanto, quando a Organização Mundial da Saúde declara a depressão como o mal do século e as taxas de suicídio se elevam consideravelmente em épocas de crise e especialmente agora

- continua após a publicidade -

Na obra “O Suicídio”, publicada em 1897, o sociólogo francês Émile Durkheim traz uma abordagem sociológica para um fenômeno envolto em uma série de preconceitos.

A novidade não foi somente em analisar um tema que era (e ainda é) considerado tabu sob um viés isento de juízos de valor, mas também em designá-lo como fato social e, portanto, objeto de estudo da sociologia.

Ou seja, apesar de o ato ser individual, o suicídio possuiria relação com fatores externos que não apenas as trajetórias particulares das pessoas que cometeriam tal ato extremo.  

- CONTINUA DEPOIS DE PUBLICIDADE -

Na sociedade europeia do século XIX os estudos sobre suicídio estavam se deslocando da ideia de que fosse uma questão moral, passando a ser visto como um crescente problema social.

arquivo

O acúmulo de informações estatísticas sobre o assunto permitiu correlacioná-lo a outros dados e formular hipóteses.

Valendo-se dos dados estatísticos e do método comparativo, a análise de Durkheim estabelece conexões entre a forma com que o suicídio ocorre e sua frequência, ao meio social.

Além das regularidades relativas a variáveis como perfil, faixa etária, região e época do ano, Durkheim também observou que o grau de integração social dos indivíduos seria um fator a incidir consideravelmente nas taxas de suicídio.

E a partir disso, elaborou uma classificação dos tipos mais comuns: o suicídio anômico, que seria uma resposta a alguma situação de anomia social (como uma crise econômica, por exemplo); o suicídio egoísta, que se manifestaria em indivíduos não socialmente integrados,  numa espécie de “desencaixe” com o mundo social; e o suicídio altruísta, em que ocorre o contrário, o indivíduo encontra-se tão profundamente identificado e engajado ao seu grupo social que está disposto a dar a vida por isso  – que, adaptando para a contemporaneidade, encontraria seu exemplo nos “homens-bomba”.

arquivo
- CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Passados mais de cem anos desde a publicação do estudo percebe-se que, apesar dos avanços, ainda há muito desconhecimento e preconceitos em relação ao fenômeno e aos transtornos que geralmente o acompanham, como a depressão.

Mais do que isso, a maior parte das discussões sobre suicídio e depressão os concebe como problemas individuais cujo tratamento e solução também seria individual.

Não se trata de afirmar que pessoas que se encontram em sofrimento psicológico e possuem ideações suicidas não devam buscar tratamento especializado para si, longe disso.

No entanto, quando a Organização Mundial da Saúde declara a depressão como o mal do século e as taxas de suicídio se elevam consideravelmente em épocas de crise e especialmente agora, em meio à pandemia, podemos concluir, como Durkheim, que o problema é também social.

foto arquivo

E que, portanto, exige um tipo de abordagem diferenciada e a busca por soluções coletivas.

Além de ser necessário que todos tenham condições mínimas de viver com dignidade, precisamos rever urgentemente nosso modelo societal, baseado em padrões extremamente individualistas e competitivos que são excludentes para boa parte da população.

Certas definições sobre o que seria o sucesso, a felicidade, a beleza e o bem-estar, potencializadas pelas redes sociais, colaboram para a geração de sentimentos de inadequação e angústia para quem não consegue alcançá-las.

Tratemos nossas aflições pessoais e nossas – como diria Durkheim – anomias sociais. Pois ambas estão conectadas e precisam de tratamento adequado.

Autora: Maria Emília Rodrigues é mestra em Sociologia, professora da área de Humanidades do curso de Sociologia do Centro Universitário Internacional Uninter.

foto arquivo

Veja mais notícias de Ribeirão Preto e Região no Em Ribeirão

publicidade
publicidade

Nogueira, Suely e Chiarelli lideram pesquisa eleitoral em Ribeirão Preto

Brancos e nulos ocupam o segundo lugar na pesquisa. Pelo visto a população apoia João Doria e todas empresas fechadas e falta de tratamento precoce.

Pais de Wesley oferecem R$ 5 mil para quem oferecer informações reais

Wesley Filho, de 13 anos, está desaparecido há 60 dias, e pai afirma que recebe trote diariamente de pessoas pedindo dinheiro para “libertar” o filho de “sequestro”

Presidente do TSE defende maior participação feminina na política

Na ocasião, o presidente do TSE defendeu o aumento da participação das mulheres na política. Segundo ele, o Brasil tem “irrisórios” 15% de participação feminina no Congresso Nacional

Organização de networking de negócios amplia atuação para seis cidades da região

Orlândia, Guaíra, São Joaquim da Barra, Jardinópolis, Brodowski e Serrana contarão com unidades do BNI Nordeste Paulista

Minczuk rege 9ª de Beethoven com Sinfônica de Ribeirão Preto e coro no Theatro Pedro II

O concerto vem sendo ensaiado desde março de forma remota pela regente ucraniana Snizhana Drahan. Há três semanas, os ensaios passaram a ser presenciais no Pedro II.