InícioSaúdeNo Dia Mundial da Saúde, mulheres sofrem com ausência de tratamento oncológico

No Dia Mundial da Saúde, mulheres sofrem com ausência de tratamento oncológico

- continua após a publicidade -

Há um ano, no dia 7 de abril de 2017, Dia Mundial da Saúde, a Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama (FEMAMA) lançou nacionalmente a campanha #PacientesNoControle, que mobilizou a sociedade civil para que participasse de duas consultas públicas abertas pela Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias do SUS (CONITEC). As consultas serviriam para que o órgão do Ministério da Saúde conhecesse a opinião da população sobre a inclusão no sistema público de saúde dos tratamentos trastuzumabe e pertuzumabe para pacientes com câncer de mama metastático HER2+. Os tratamentos em questão inovaram na forma de combater a doença, não havendo nenhum substituto compatível ofertado pelo SUS. O trastuzumabe compõe inclusive a lista modelo de medicamentos elaborada pela Organização Mundial de Saúde usada para orientar governos sobre a oferta básica de tratamentos para enfrentar a oncologia, e é comercializado no Brasil há quase 20 anos, mas não era disponibilizado à pacientes usuárias do sistema público de saúde nesse estágio da doença.

As consultas públicas trabalhadas pela campanha estão entre as que tiveram o maior número de contribuições da sociedade em 2017. Todos os esforços de mobilização e pressão realizados pela FEMAMA, ONGs associadas, instituições parceiras e da sociedade civil como um todo, inclusive esforços que antecederam essa campanha, culminaram no anúncio do Ministério da Saúde pela incorporação do trastuzumabe, em agosto de 2017, e do pertuzumabe, em dezembro do mesmo ano. Depois do anúncio, o Ministério teria 180 dias para iniciar a distribuição de cada medicamento para as pacientes com câncer de mama metastático HER2+.

Um ano depois, no Dia Mundial da Saúde de 2018, pacientes usuárias do SUS com câncer de mama metastático que já deveriam estar recebendo o trastuzumabe ainda não têm acesso ao tratamento e a FEMAMA clama pelo cumprimento efetivo da decisão. Pelas regras da própria CONITEC, o prazo máximo para incorporação do trastuzumabe (primeiro medicamento a ter a incorporação anunciada) encerrou no dia 29 de janeiro de 2018. Sabe-se, entretanto, que os estados não estão fornecendo o medicamento para as pacientes que dele necessitam.

Por entender que essas pacientes estão tendo o seu direito desrespeitado, a FEMAMA reune casos de pessoas que sofrem com a falta de acesso ao tratamento para realizar uma denúncia ao Ministério Público Federal (para participar acesse www.femama.org.br). A iniciativa faz parte de um mapeamento realizado pela instituição, com o objetivo de garantir acesso ao tratamento no estágio mais avançado da doença e tentar prevenir que esse atraso se repita também na oferta do pertuzumabe, que deve ser fornecido às pacientes a partir do início de junho. O primeiro passo aconteceu em 4 de fevereiro, Dia Mundial do Câncer, quando as ONGs que integram a Federação entregaram ofícios às Secretarias Municipais e Estaduais de Saúde questionando sobre a disponibilidade do trastuzumabe.

- CONTINUA DEPOIS DE PUBLICIDADE -

Em 2018, o tema do Dia Mundial da Saúde escolhido pela OMS é “Saúde para todos”. O desejo da FEMAMA é que todas as pacientes tenham de fato acesso aos tratamentos de que necessitam e possam usufruir de uma vida digna enquanto controlam sua doença.

A luta da FEMAMA por tratamentos para câncer de mama no SUS

A FEMAMA vem trabalhando há muitos anos pela ampliação do acesso a tratamentos para pacientes com câncer de mama metastático no SUS. Além da campanha #PacientesNoControle, a instituição, ao lado de sua rede de ONGs associadas, promoveu Ciclos de Debates com Parlamentares e Audiências Públicas sobre o tema em 15 estados brasileiros, eventos de fortalecimento da atuação da sociedade civil organizada para perseguir esse objetivo como o Fórum de Combate ao Câncer da Mulher, e projetos que estimulam a atuação conjunta de instituições do terceiro setor com lideranças políticas regionais como a Conferência Nacional de Prefeitas e Governadoras e a Conferência Nacional de Primeiras Damas.

Também realiza articulações com ONGs parceiras para análise e formulação de documentos orientadores, mobilização do executivo e legislativo, atuação na Conferência Nacional de Saúde, além de campanhas de conscientização e mobilização em anos anteriores (Para Todas as Marias, Por Mais Tempo – em parceria com Instituto Oncoguia e Roche, #AcessoJá) pela ampliação de acesso a tratamentos.

No Dia Mundial da Saúde, a FEMAMA reitera que continua batalhando para que os direitos conquistados sejam garantidos.

Sobre a FEMAMA
A Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama é uma organização sem fins econômicos que trabalha para reduzir os índices de mortalidade por câncer de mama em todo o Brasil, influenciando políticas públicas para defender direitos de pacientes, ao lado de 73 ONGs de apoio a pacientes associadas em todo o país. A FEMAMA foi a primeira instituição a trazer o Outubro Rosa de forma organizada para o Brasil, em 2008, com ações em diversas cidades, em parceria com ONGs associadas.
Conheça nosso trabalho: www.femama.org.br

Veja mais notícias de Ribeirão Preto e Região no Em Ribeirão

publicidade
.
publicidade

Cerca de 40 mil pessoas não retornaram para receber a segunda dose da vacina contra Covid-19

Dados são Vigilância Epidemiológica, que conclama a população a procurar os postos de vacinação e manter o controle da doença

“Concertos Internacionais” apresenta homenagem a Astor Piazzolla

Concerto será transmitido no dia 23 de outubro, às 19h, como parte das comemorações de 91 anos do Theatro Pedro II

Nogueira quer que você receba agua do Rio Pardo nas torneiras

Hoje a agua do DAERP é do aquífero guarani, uma agua mineral será substituída por aguas do Rio Pardo. Você aprova esta mudança?

Atenção: Alerta para tentativa de golpe contra aposentados

Instituto de Previdência orienta beneficiários a não informar dados pessoais ou bancários

Ditador Moraes manda prender e extraditar Allan dos Santos

Se não estamos vivendo em uma ditadura do judiciário, o que se compara com atitudes destes loucos? Maduro, Chaves, Alexandre de Moraes...
- PUBLICIDADE -