InícioSaúdeAtenção às doenças respiratórias durante o inverno

Atenção às doenças respiratórias durante o inverno

- continua após a publicidade -

Em cada ano observa-se um aumento significativo das doenças respiratórias, principalmente em crianças. Resfriados, gripes, pneumonias, alergias, amigdalites, otites e sinusites estão entre as mais comuns desencadeadas, principalmente, no inverno.

“Todas essas doenças ocorrem com grande frequência porque as pessoas costumam permanecer em ambientes fechados e aglomerados, o que facilita a disseminação de agentes infecciosos, como vírus e bactérias”, explica a Dra. Fabiana Lopes Gribl do Carmo, pediatra e alergologista que faz parte do corpo clínico do Pronto Atendimento de Pediatria do Centro Médico Portomed Tatuapé.

Segundo a Dra. Fabiana, os resfriados são causados por vírus e costumam apresentar sintomas leves, como coriza, tosse e febre baixa. Duram em média de três a cinco dias e, geralmente, necessitam apenas de sintomáticos (analgésicos, antitérmicos e lavagem nasal). Já as gripes são causadas pelo vírus Influenza, apresentam sintomas semelhantes aos resfriados, mas com intensidade muito maior, têm potencial para complicações e podem evoluir para pneumonias. A vacina anual é a melhor forma de prevenção.

As pneumonias são processos infecciosos dos pulmões e causam febre, tosse, falta de ar e variam muito em gravidade. O tratamento, geralmente, é feito com antibióticos. Ao contrário do que se imagina, o frio e o vento não ocasionam pneumonias, mas manter-se aquecido e protegido das baixas temperaturas ajuda na prevenção, que também pode ser feita com algumas vacinas, como a pneumococócica.

As alergias podem se manifestar de muitas formas, sendo a asma e a rinite as mais frequentes. A rinite alérgica apresenta-se com coceira nasal, espirros, coriza e obstrução nasal. Já a asma, ou popularmente conhecida como bronquite, provoca episódios de tosse e falta de ar. Ambas têm intensidade variável e demandam tratamento específico.

- CONTINUA DEPOIS DE PUBLICIDADE -

As amigdalites são processos infecciosos das amígdalas e apresentam-se com dor de garganta e febre. As otites são processos infecciosos das orelhas e podem ocasionar dor de ouvido. As sinusites acometem os seios da face, podendo despertar vários sintomas como dor de cabeça, tosse produtiva, febre.

As bronquiolites acometem crianças até 18 meses e são causadas, na maioria das vezes, por um vírus específico, chamado vírus sincicial respiratório que causa um processo inflamatório nos pulmões. O paciente apresenta tosse e pode evoluir com cansaço. Geralmente, a doença tem boa evolução e não necessita de hospitalização, mas há casos graves que demandam tratamento em UTI. Nas crianças menores de um ano, a bronquiolite é uma doença bastante comum e de gravidade muito variável.

 

Dra. Fabiana Lopes Gribl do Carmo dá algumas dicas importantes para se prevenir das doenças de inverno:

Evitar locais fechados e aglomerados de pessoas;

Evitar exposição ao frio e a fumaça de cigarro;

Lavar frequentemente as mãos e evitar levá-las aos olhos, boca e nariz;

Não compartilhar objetos pessoais;

Ter boa alimentação com alimentos ricos em vitamina C.

Manter-se hidratado;

Manter as vacinas sempre em dia;

Cuidar da saúde e, quando necessário, procurar atendimento médico.

Veja mais notícias de Ribeirão Preto e Região no Em Ribeirão

publicidade
.
publicidade

Colégio Metodista suspende atividades em Ribeirão Preto

Instituição contava com 122 anos de atuação na cidade encerra atividades por conta da situação financeira da instituição de ensino. A economia vemos depois.

O fundo do posso sem fundo: Fiocruz indica atenção com dengue

Períodos chuvosos atrelados ao calor são favoráveis à proliferação do Aedes aegypti, que é também transmissor do vírus da zika e chikungunya.

Mãe do presidente Jair Bolsonaro morre aos 94 anos

De Uma família humilde do interior de São Paulo, dona Olinda, partiu mas pode ver os feitos do filho. Nossos sentimentos ao @jairmessias.bolsonaro

Coronavac é liberada e SP confirma dose para crianças em até 3 semanas

Eles garantem que o medicamento é seguro, e casos de mortes não são relacionados com a picada salvadora. Se ele garante nós acreditamos na ciência.

Criança de 10 anos infartou depois da picada mas o motivo não foi a vacina

Prefeitura diz que criança teve parada cardíaca após vacina, mas estado rapidamente concluiu que criança tinha doença rara no coração que os pais não sabiam. E nós acreditamos no trancarua
- PUBLICIDADE -