InícioRegiãoJardinopolisCPP Jardinópolis apresenta balanço de ação educativa e tratamento de hanseníase

CPP Jardinópolis apresenta balanço de ação educativa e tratamento de hanseníase

- continua após a publicidade -

A Coordenadoria de Unidades Prisionais da Região Noroeste do Estado de São Paulo acaba de divulgar balanço da ação educativa, busca ativa de casos de hanseníase e tratamento dos reeducandos do Centro de Progressão Penitenciária de Jardinópolis (SP). O trabalho iniciou em abril de 2016 e encerrou em maio deste ano com 18 reeducandos em tratamento e 14 já curados da doença.

O trabalho foi coordenado pelo presidente da Sociedade Brasileira de Hansenologia (SBH) Marco Andrey Cipriani Frade e equipe de cinco médicos dermatologistas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP, Centro de Referência Nacional de Dermatologia Sanitária-Hanseníase (CRNDSHansen) e Secretaria Municipal de Saúde de Jardinópolis.

Foram realizados exames físicos, anamneses e coleta de exames laboratoriais em 1.261 reeducandos e cerca de 10 funcionários, com avaliação de características da pele, lesões, dermatoses, além de testes de sensibilidade e suor – o paciente de hanseníase não tem suor em algumas partes do corpo. Como a doença é de difícil diagnóstico, este é um teste que auxilia na avaliação clínica. Os exames médicos identificam apenas 50% dos casos. O diagnóstico depende de experiência e treinamento – por isso a SBH promove cursos gratuitos de atualização em todo o país.

Os casos diagnosticados clinicamente e confirmados com resultados de laboratório e biopsia foram notificados e os pacientes entraram em tratamento e acompanhamento mensal. No sistema carcerário, o contato prolongado possibilita a transmissão do bacilo que causa a hanseníase. Grande parte da população tem resistência natural contra a hanseníase, mas não há como saber quais são os indivíduos vulneráveis.

- CONTINUA DEPOIS DE PUBLICIDADE -

Balanço

No dia 25 abril, durante a Jornada de Cidadania e Empregabilidade, no Centro de Progressão Penitenciária de Jardinópolis (projeto da Secretaria da Administração Penitenciária do Estado de São Paulo), foi apresentado o balanço da ação. A jornada objetiva levar para dentro do sistema prisional um mutirão de benefícios que auxiliam no processo de ressocialização dos reeducandos. Esse projeto também visa a criar parcerias com órgãos externos, mostrando para a sociedade que uma unidade prisional faz parte do contexto social e que os cidadãos, então privados de liberdade, voltarão a fazer parte da sociedade livre.

Antes da solenidade, o presidente da SBH, Marco Andrey, apresentou o trabalho o cenário da hanseníase no Brasil, país que ocupa o 2° lugar no ranking mundial da doença, atrás da Índia e concentra 90% dos casos de hanseníase das Américas. O evento contou com a participação de sentenciados e de autoridades da sociedade civil.

De março a outubro de 2016, 16 reeducandos estiveram em tratamento para hanseníase. Em novembro do ano passado mais 2 casos foram confirmados, sendo 18 pacientes em tratamento. Em dezembro, 7 tiveram alta. Em janeiro, outros 2 tiveram alta. Em fevereiro, mais dois pacientes estavam curados. Em março, outros 2 tiveram cura, restando 5 indivíduos em tratamento. Atualmente, apenas quatro internos continuam o tratamento com previsão de alta em breve.

A hanseníase tem cura e o tratamento pode durar 6 meses para pacientes com poucos bacilos ou um ano para pacientes com muitos bacilos. A doença tem cura. O tratamento seguido no Brasil todo é gratuito e recomendado pela Organização Mundial de Saúde.

O tratamento da hanseníase é ambulatorial, utilizando os esquemas terapêuticos padroniza­dos, e está disponível em todas as unidades públicas de saúde do país. A poliquimioterapia mata o bacilo e evita a evolução da doença, levando à cura. O bacilo morto é incapaz de infectar outras pessoas, rompendo a cadeia epidemiológica da doença. Assim, logo no início do tratamento a transmissão da doença é interrompida e, se realizado de forma completa e correta, garante a cura da doença.

Hanseníase no Brasil

A SBH alerta para a importância da parceria com a Secretaria de Segurança pública do Estado de São Paulo para o trabalho na unidade de Jardinópolis. “Esperamos que estre seja um exemplo e que outras organizações realizem ações de busca ativa, tratamento e esclarecimento sobre a hanseníase para seus públicos”, alerta Marco Andrey, da SBH. Segundo ele, a doença cresce silenciosamente em todo o país, independentemente de características econômicas, sociais ou étnicas.

“A família, os professores, as igrejas, a sociedade toda deve falar sobre a doença e esclarecer a população, pois temos visto em todo o país um aumento preocupante de crianças doentes menores de 15 anos com hanseníase e muitas ainda estão sem tratamento e sem sequer suspeitar da doença”, alerta o presidente da SBH.

Para popularizar o assunto, a SBH criou uma página educativa na rede social Facebook/todoscontraahanseniase. Por ano, mais de 30 mil casos da doença são notificados oficialmente no Brasil, mas a SBH estima que haja pelo menos de 5 a 10 vezes mais casos porque a hanseníase é uma doença negligenciada.

Veja mais notícias de Ribeirão Preto e Região no Em Ribeirão

publicidade
.
publicidade

60 anos esperando titulo Comercial pode sair da fila

Com acesso garantido, Comercial busca 1º título de uma divisão de Paulista em 64 anos. O time terá força máxima no primeiro jogo da final, sábado às 19h, em Bauru

Iguatemi passa a integrar a maior iniciativa voluntária de sustentabilidade corporativa do mundo

A Iguatemi S.A, uma das maiores empresas full service no setor de shopping centers do país, acaba de ingressar no Pacto Global da ONU...

ACIS completa 53 anos de dedicação ao setor empresarial sertanezino; conheça a história da entidade

Fundada em 25 de maio de 1969, na época contou com a adesão de 70 associados. Os comerciantes locais sentiam dificuldades de se organizar para enfrentar determinados problemas

O bilionário Elon Musk chega hoje(20) ao Brasil para conversar com Bolsonaro

O homem mais rico do mundo visita o Brasil a convite do ministro Fábio Faria

Cinema do Shopping Iguatemi Ribeirão Preto exibe pré-estreia de Top Gun: Maverick

Maverick será lançado oficialmente no dia 26 de maio, entretanto, os fãs poderão se adiantar e aproveitar as sessões de pré-estreia, que acontecem de 21 a 25 de maio
- PUBLICIDADE -