InícioPolíticaDenúncia de 2013 já apontava irregularidades no DAERP (Exclusivo)

Denúncia de 2013 já apontava irregularidades no DAERP (Exclusivo)

- continua após a publicidade -

As ações do Ministério Público e da Polícia Federal na operação Sevandija tem movimentado os noticiários políticos de Ribeirão Preto na última semana com empresários presos, demissões de funcionários comissionados e afastamento de vereadores. A população, como apontam as recentes pesquisas do IBOPE, já estava insatisfeita com a Dárcy Vera no comado da Prefeitura de Ribeirão Preto, mas tanta corrupção envolvendo diversos partidos, secretarias, pessoas ligadas ao governo e empresários surpreendeu a todos, bom, quase todos.

Em 2013, Marcio Francisco, professor, jornalista e cientista político, noticiou uma denúncia de moradores de Ribeirão Preto protocolada no Ministério Público solicitando a investigação e auditoria nas contas do DAERP. De acordo com a denúncia feita pelo Movimento do Povo Ribeirãopretano o DAERP era um cabide de empregos e cargos comissionados.

A operação Sevandija já prendeu empresários, advogados, secretários, funcionários do DAERP e CODERP e tudo indica que foi apenas o começo. Podemos ver que a lama no DAERP e na política de Ribeirão Preto é antiga.

Confira na íntegra a denúncia realizada em agosto de 2013.

14 de agosto de 2013.
Movimento do Povo Ribeirãopretano.

- CONTINUA DEPOIS DE PUBLICIDADE -

-Ao Egrégio Tribunal de Contas do Estado de São Paulo
-A/c Dr. Claudio Alvarenga Ferraz presidente do TCE-SP.

-Ref- PEDIDO DE INVESTIGAÇÃO e AUDITORIA CONTÁBIL NAS CONTAS DO DAERP– Departamento de Água Esgoto de Ribeirão Preto e maus tratos ao Meio Ambiente e a Água
Senhores promotores o artigo V da lei N 8.876 que regula as Autarquias , diz que uma das funções das autarquias é fomentar a produção mineral e estimular o uso racional e eficiente dos recursos minerais)

Senhores promotores, a água é considerada pela( ONU- Organização das Nações Unidas), como patrimônio da humanidade, sendo ela essencial a vida, também é fato notório e divulgado pela mídia, que a autarquia Daerp, é um celeiro de delitos e mau uso do dinheiro público ,uma autarquia que por direito constitucional deveria ser transparente, porque é mantida com o SOLDIS PUBLIS, o dinheiro publico.

Mas justo a transparência é que falta ao órgão, que tornou-se celeiro de cabide de empregos e cargos comissionados. Ainda há no Daerp, um completo sucateamento da frota de veículos e todo tipo de material,bombas de água,equipamentos diversos. O órgão DAERP, não cumpre mais com sua função institucional e constitucional, e neste órgão esta o dom da vida, A ÁGUA.

Ribeirão Preto esta em cima de um tesouro, o Aguifero Guarani, única fonte de água potável da cidade, e esta riqueza é criminosamente jogada fora, desperdiçada nos inúmeros vazamentos da rede de água, e o esgoto,que jorra a céu aberto pelas ruas da cidade, ruas que não tem asfalto de qualidade, porque não existe na mistura do asfalto um elemento químico, chamado LIGANTE, que da a liga a mistura asfáltica, evitando que e mesma vire farinha, como é o nosso asfalto, FARINHA.

ESGOTO A CÉU ABERTO, CASO DE GRAVE DE SAUDE PUBLICA

O esgoto é pago por todos os munícipes, vem descontado na conta de água, dizem que é 100% tratado, mas como pode ser, se jorra a céu aberto, contaminando o solo, contaminando a água que bebemos? Água é um dom de Deus e no caso de Ribeirão Preto, um dom dobrado, pois Deus foi generoso com a cidade, mas Deus, não imagina que iria um dia nascer o Daerp, verdadeiro mau feito na cidade.

Inútil nesta representação elencar todos os problemas e denúncias contra o DAERP, pois o doutor promotor assiste o noticiário das TEVES , e todo dia há denuncias e reclamações de falta de água, esgoto quebrado, buracos por toda a cidade, impedindo muita vezes o direito de ir e vir, o direito de bebermos água limpa, o direito sagrado de matarmos a nossa sede, E PAGAMOS POR ISSO

Lembro ao Dr. promotor, que PAGAMOS pela água, pagamos pelo esgoto, pagamos para tapar os buracos, e não temos o retorno, não temos a contra partida por parte da prefeitura
Peço nesta representação, que o Ministério Publico, faça uma AUDITORIA nas contas do Daerp, e que seja aberto inquérito e remetido ao Egregio Tribunal de Contas de São Paulo,onde esta representação também será protocolada

DA LEI DAS AUTARQUIAS PÚBLICAS
LEI Nº 8.876, DE 2 DE MAIO DE 1994.
O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei:

Art. 1º Fica o Poder Executivo autorizado a instituir como Autarquia o Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), com sede e foro no Distrito Federal, unidades regionais e prazo de duração indeterminado.

Art. 2º A Autarquia ficará vinculada ao Ministério de Minas e Energia e será dotada de personalidade jurídica de direito público, autonomia patrimonial, administrativa e financeira, nos termos do inciso I do art. 5º do Decreto-Lei nº 200, de 25 de fevereiro de 1967.

Art. 3º A autarquia DNPM terá como finalidade promover o planejamento e o fomento da exploração e do aproveitamento dos recursos minerais, e superintender as pesquisas geológicas, minerais e de tecnologia mineral, bem como assegurar, controlar e fiscalizar o exercício das atividades de mineração em todo o território nacional, na forma do que dispõe o Código de Mineração, o Código de Águas Minerais, os respectivos regulamentos e a legislação que os complementa, competindo-lhe, em especial:
I – promover a outorga, ou propô-la à autoridade competente, quando for o caso, dos títulos minerários relativos à exploração e ao aproveitamento dos recursos minerais, e expedir os demais atos referentes à execução da legislação minerária;
II – coordenar, sistematizar e integrar os dados geológicos dos depósitos minerais, promovendo a elaboração de textos, cartas e mapas geológicos para divulgação;
III – acompanhar, analisar e divulgar o desempenho da economia mineral brasileira e internacional, mantendo serviços de estatística da produção e do comércio de bens minerais;
IV – formular e propor diretrizes para a orientação da política mineral;
V – fomentar a produção mineral e estimular o uso racional e eficiente dos recursos minerais;
VI – fiscalizar a pesquisa, a lavra, o beneficiamento e a comercialização dos bens minerais, podendo realizar vistorias, autuar infratores e impor as sanções cabíveis, na conformidade do disposto na legislação minerária;
VII – baixar normas, em caráter complementar, e exercer fiscalização sobre o controle ambiental, a higiene e a segurança das atividades de mineração, atuando em articulação com os demais órgãos responsáveis pelo meio ambiente e pela higiene, segurança e saúde ocupacional dos trabalhadores;
VIII – implantar e gerenciar bancos de dados para subsidiar as ações de política mineral necessárias ao planejamento governamental;
Sem mais

Atenciosamente.

Veja mais notícias de Ribeirão Preto e Região no Em Ribeirão

publicidade
.
publicidade

Com dois a menos, Palmeiras se classifica na libertadores

10 SEMIS DE #LIBERTADORES NA HISTÓRIA! 10 CLASSIFICAÇÕES CONSECUTIVAS EM MATA-MATA NO TORNEIO! 10 PASSAGENS DE FASE EM #LIBERTADORES EM CASA!

Patriotas vão para Paulista: Ribeirão inicia preparativos para o desfile de 7 de Setembro

Em Ribeirão vários grupos se organizam para participar das manifestações em São Paulo, dia que esta sendo considerado o mais importante dos últimos 200 anos. Confira como participar.

WhatsApp lança novas ferramentas para garantir mais segurança e privacidade aos usuários

As funções do aplicativo de mensagens estão em fase de testes, mas devem chegar ao público em breve

Vereador esquerdista que defende mulheres deve cumprir medida protetiva com a ex-namorada

a vítima se sente perseguida e agredida moralmente e psicologicamente pelo autor

“Funcionário” recebe R$ 22 mil por mês da Câmara para estudar Direito na USP em período integral

Trabalhar por que? Se nem os vereadores fazem isso, o O acadêmico em questão é Saulo Wellington Marchiori Magron, lotado no cargo de agente de administração
- PUBLICIDADE -