InícioPolicialValeixo diz que Bolsonaro nunca lhe pediu relatórios de inteligência ou informações...

Valeixo diz que Bolsonaro nunca lhe pediu relatórios de inteligência ou informações de inquéritos

Maurício Valeixo afirmou hoje em seu depoimento que, em 2019, quando aceitou assumir a direção-geral da Polícia Federal, tratou com Sergio Moro os cargos chefias na corporação.

- continua após a publicidade -

Maurício Valeixo afirmou hoje em seu depoimento que:

“Quando houve o convite e as conversas que se seguiram com o ex-ministro, trataram sobre as indicações dos cargos de chefia, os quais entendia que as definições deveriam se dar no âmbito da Polícia Federal. Que houve concordância sobre isso por parte do dr. Sergio Moro”, disse.

arquivo

“Na gestão do depoente, a escolha de superintendentes era tratada em reuniões de diretoria, nas quais os diretores eram consultados; Que não havia nenhum critério objetivo pré-estabelecido, no entanto era considerado o histórico de trabalho, funcional, do avaliado; Que não havia necessidade de aprovação por parte do Ministro da Justiça para a escolha de algum superintendente; Que nunca foi indicado pelo dr. Moro qualquer nome para a função de superintendente”, afirmou o delegado.

Em seu depoimento, Maurício Valeixo foi questionado sobre o que considera interferência política na Polícia Federal.

Segundo ele, seria quando há uma “indicação com interesse específico numa investigação específica”. Mas que, sob seu ponto de vista, isso nunca aconteceu.

foto ebc

Ao depor, o próprio Sergio Moro disse que Bolsonaro tratou de eventuais demandas de relatórios de inteligência, pela primeira vez, na reunião do dia 22 de abril. Ele se demitiu dois dias depois.

Ex-diretor-geral demitido pelo presidente prestou depoimento por mais de 6h para inquérito sobre supostas interferências de Bolsonaro na Polícia Federal

- CONTINUA DEPOIS DE PUBLICIDADE -

O delegado também relatou no depoimento que recebeu, na noite de 23 de abril, um telefonema do próprio Bolsonaro. Valeixo relatou que, na conversa, o presidente comunicou sua exoneração do cargo de diretor-geral da PF.

ARQUIVO

Nesse telefonema, Valeixo afirmou que Bolsonaro lhe informou que sua exoneração sairia “a pedido”, como se ele próprio tivesse pedido demissão. O então diretor-geral da PF relatou que não apresentou objeção ao fato de constar “a pedido” na exoneração.

O ex-diretor-geral foi ouvido na Superintendência da PF em Curitiba, onde está passando férias após sua saída do cargo.

arquivo

Veja mais notícias de Ribeirão Preto e Região no Em Ribeirão

publicidade
.
publicidade

Nova data do Kiss em Ribeirão Preto – Dia 1º de maio de 2022

Os ingressos já adquiridos seguem válidos para a nova data, portanto, não há necessidade de troca ou substituição.

Inscrições para o Sisu começam nesta terça-feira

Prazo para o segundo processo seletivo de 2021 termina no dia 6

Oportunidade de 220 vagas de emprego para diversas áreas

De janeiro a junho deste ano, Ribeirão Preto registrou saldo de 6.955 novos registros em carteira de trabalho, ficando na 6º posição no Estado de São Paulo

GCM recebe 20 armas para uso em patrulhamento

Spark permite imobilizar o infrator sem a necessidade de uso de força
- PUBLICIDADE -