InícioPolicialO peso da prisão do chefe da Casa Civil de Santa Catarina...

O peso da prisão do chefe da Casa Civil de Santa Catarina (PSL)

#fiqueemcasa enquanto eles rouba a população. O que merece quem se aproveita de uma crise para roubar e colocar muitas vidas em jogo?

- continua após a publicidade -

A prisão de Douglas Borba, ex-chefe da Casa Civil do governo Moisés, dentro da operação Oxigeno, que investiga a compra de 200 respiradores por R$ 33 milhões para o combate ao coronavírus em Santa Catarina, tem um peso condizente com a relevância que ele ganhou desde a eleição de 2018.

Douglas era o homem forte da atual gestão até ser exonerado da função no começo de maio após a primeira fase da investigação coordenada pelo Gaeco, do Ministério Público, e pela Deic, da Polícia Civil.

Nos primeiros depoimentos, a ex-superintendente de Gestão Administrativa da secretaria de Saúde, Marcia de Pauli, disse que foi Douglas o responsável por indicar a empresa Veigamed para oferecer os 200 respiradores.

ARQUIVO

Em depoimentos, ele negou ter intermediado a compra.

- CONTINUA DEPOIS DE PUBLICIDADE -

O agora ex-vereador de Biguaçu (ele renunciou ao cargo depois de deixar o governo) se aproximou de Moisés ainda na eleição para o governo do Estado.
Douglas o acompanhava em entrevistas, por exemplo.
Estava com o então candidato lado a lado até a vitória no segundo turno da eleição de 2018.

Ao assumir, o governador deu a ele a principal pasta do seu secretariado.

Aos poucos, o chefe da Casa Civil foi ganhando ainda mais espaço.
Nos bastidores, algumas pessoas que se relacionavam com o governo reclamavam do poder dado a Douglas.

Mesmo assim, cabia a ele a interlocução nos principais assuntos do Executivo.

No lado político, ficou para Douglas, que se desfiliou do PP, o protagonismo para organizar o PSL, escolhido por Moisés mesmo depois de o presidente Jair Bolsonaro decidir pela saída do partido.

O chefe da Casa Civil tornou-se o articulador da sigla de olho nas eleições municipais de 2020.

Mesmo que não esteja mais no cargo, o histórico do ex-secretário tem forte impacto na gestão de Moisés e a segunda fase da operação é um abalo para o governo.

Os investigadores têm dito que o Executivo deu todo o aval para a apuração no caso dos respiradores.

Na primeira fase, o procurador-geral do MP-SC, Fernando Comin deixou claro que não havia indícios da participação do governador na compra.

Mesmo assim, do ponto de vista político e para a sociedade, o contexto do primeiro ano e cinco meses de governo resumem a repercussão da prisão de Douglas.

Na primeira fase da investigação, a Justiça negou um pedido de prisão do ex-chefe da Casa Civil. Os fatos novos que embasaram uma nova solicitação e a permissão judicial são, sem dúvida, respostas importantes para o entendimento do cenário.

arquivo

Veja mais notícias de Ribeirão Preto e Região no Em Ribeirão

publicidade
.
publicidade

Contações de histórias compõem a programação do final de semana do Museu Casa de Portinari

Conheça também a faceta poética de Candido Portinari no Pela Janela (25); on-line e gratuita

Terceira via discute impeachment de Bolsonaro como única forma de derrotar Lula

Com economia e empregos em recuperação, falta de escândalos no governo e popularidade nas ruas em alta, os concorrentes enxergam no impeachment a única forma de barrar Bolsonaro em 2022

Olimpíada de Tóquio: saiba quem são os brasileiros favoritos ao ouro

Judô? Vôlei? Natação? Atletismo? Futebol? De onde virão as medalhas de ouro para o Brasil?

Ribeirão Preto já vacinou mais de 50% da população com a primeira dose

Foram 360.962 pessoas imunizadas com a primeira dose, 112.238 com a segunda e 15. 948 com dose única

120 vagas para cursos gratuitos de qualificação com bolsa-auxílio em Ribeirão Preto

São 60 vagas para o curso de Porteiro e Controlador de Acesso e 60 vagas para o curso de Recepção e Atendimento, os dois com duração de 12 dias
- PUBLICIDADE -