InícioEsportesTreinador do RP Alligators vê futebol americano engatinhando, mas projeta crescimento e...

Treinador do RP Alligators vê futebol americano engatinhando, mas projeta crescimento e evolução do esporte no Brasil

- continua após a publicidade -

A NFL (National Football League), campeonato esportivo profissional de futebol americano dos Estados Unidos, é a liga que mais arrecada dinheiro no mundo. Contudo, o esporte no Brasil ainda está vivendo um processo primitivo de difusão, profissionalização e incentivo de patrocinadores, de acordo com treinador do RP Alligator, Leonardo Santos.

Conhecido como Léo, o jovem técnico de 26 anos,  foi consultor educacional na Austrália e já passou por vários países na Europa e pelo América do Norte para aprender novos métodos de treinamentos, com a missão de passar todo aprendizado a seus alunos.

Para o treinador, a existência de profissionais despreparados para realizar a gestão de treinamentos é uma das barreiras que impedem o progresso da modalidade.

“Vemos várias pessoas que se dizem coach ou técnicos, mas não se prepararam para isso. Tive como objetivo estudar, primeiramente, para que depois pudesse comandar uma equipe”, comenta.

Um dos objetivos do RP Alligators é construir uma equipe com jovens de até 19 anos, para que possam figurar entre os melhores times da América do Sul.

- CONTINUA DEPOIS DE PUBLICIDADE -

A falta de comprometimento da diretoria das equipes e de gerenciamento dos organizadores de competições, ainda interferem no crescimento da modalidade. Para mais, a falta de incentivo financeiro faz com que o esporte ainda não seja levado a sério.

“É difícil profissionalizar um esporte sem oferecer um bom salário, ainda mais com pouco patrocínio. Estamos engatinhando, não podemos dar um passo maior que a perna”.

O time de Ribeirão Preto propõe uma modalidade adaptada do Full Pad, praticada nos jogos profissionais, chamada flag. As regras dessa nova metodologia são similares ao do futebol americano original, mas em vez de derrubar o jogador com a bola ao chão, o defensor deve retirar uma fita para parar o adversário.

A comparação com o nível técnico dos jogadores profissionais do exterior ainda é desproporcional. O jovem treinador comenta a boa qualidade de alguns jogadores no Brasil, mas falta de suporte ainda prejudica.

“Querer comparar com os Estados Unidos é um pouco complicado. Temos atletas para competição de nível internacional, mas se torna uma situação dura manter esses bons jogadores, que não possuem treinos à altura para sustenta-los”.

 

 

 

 

Créditos: Divulgação

Texto: Geovanni Henrique

Veja mais notícias de Ribeirão Preto e Região no Em Ribeirão

publicidade
.
publicidade

60 anos esperando titulo Comercial pode sair da fila

Com acesso garantido, Comercial busca 1º título de uma divisão de Paulista em 64 anos. O time terá força máxima no primeiro jogo da final, sábado às 19h, em Bauru

Iguatemi passa a integrar a maior iniciativa voluntária de sustentabilidade corporativa do mundo

A Iguatemi S.A, uma das maiores empresas full service no setor de shopping centers do país, acaba de ingressar no Pacto Global da ONU...

ACIS completa 53 anos de dedicação ao setor empresarial sertanezino; conheça a história da entidade

Fundada em 25 de maio de 1969, na época contou com a adesão de 70 associados. Os comerciantes locais sentiam dificuldades de se organizar para enfrentar determinados problemas

O bilionário Elon Musk chega hoje(20) ao Brasil para conversar com Bolsonaro

O homem mais rico do mundo visita o Brasil a convite do ministro Fábio Faria

Cinema do Shopping Iguatemi Ribeirão Preto exibe pré-estreia de Top Gun: Maverick

Maverick será lançado oficialmente no dia 26 de maio, entretanto, os fãs poderão se adiantar e aproveitar as sessões de pré-estreia, que acontecem de 21 a 25 de maio
- PUBLICIDADE -