InícioEsportesOlimpíadasOnça Juma mascote do exercito foi abatida após pousar ao lado da...

Onça Juma mascote do exercito foi abatida após pousar ao lado da tocha olímpica

- continua após a publicidade -

O Comitê Organizador da Rio-16 assumiu que errou ao permitir que a onça Juma, abatida pelo Exército na última segunda-feira (20), participasse acorrentada do revezamento da tocha em Manaus.

Após a passagem da chama olímpica na capital do Amazonas, o animal silvestre ensaiou fugir, mas foi contido pelo Exército. Em nova tentativa de fuga horas depois, Juma foi alvo de tranquilizante, mas ameaçou atacar um dos seus cuidadores e foi abatida com arma de fogo.

“Erramos ao permitir que a Tocha Olímpica, símbolo da paz e da união entre os povos, fosse exibida ao lado de um animal selvagem acorrentado. Essa cena contraria nossas crenças e valores”, admitiu o Comitê em texto publicado no Facebook.
“Estamos muito tristes com o desfecho que se deu após a passagem da tocha. Garantimos que não veremos mais situações assim nos Jogos Rio 2016”, termina o comunicado.

O Ipaam (Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas) afirmou que apenas um dos animais, Simba, uma onça macho, tinha autorização para ser exibida no evento.

De acordo com o superintendente do Ibama no Amazonas, Mario Reis, “quanto menos exposição de animais silvestres, melhor”. No entanto, ele ressaltou que não se pode demonizar o trabalho dos militares no cuidado com animais resgatados.

- CONTINUA DEPOIS DE PUBLICIDADE -

Segundo o porta-voz do Exército, o coronel Luiz Gustavo Evelyn, a morte de Juma causou comoção na instituição.

“O Exército está transtornado com morte dela. Cheguei em casa transtornado, muito triste com essa situação. Estamos todos muito abatidos. Foi uma fatalidade que jamais esqueceremos”, afirmou.

Juma pertencia ao 1º Batalhão de Infantaria de Selva, mas foi exibida perto de um zoológico militar ao lado de seu cativeiro. O zoológico do Centro de Instrução de Guerra na Selva (Cigs) tem outras onças-pintadas, animal que está ameaçado de extinção. O órgão, porém, não captura os animais na selva para exibi-los.

São diversas as origens. Alguns eram vítimas de maus tratos ou perderam os pais para caça ilegal. No zoológico militar, eles são tratados, alimentados e adestrados.

Os mais dóceis acabam virando mascotes de grupamentos e costumam participar de exibições públicas.

Veja mais notícias de Ribeirão Preto e Região no Em Ribeirão

publicidade
.
publicidade

Botafogo encara S. José o frio e gramado sintético no sul

O treinador Argel Fuchs relacionou 20 jogadores para o duelo contra o São José-RS, marcado para este domingo (1º)

Governo estuda aumento do Bolsa Família, diz Guedes

A intenção é que o valor do benefício chegue a R$ 300.

Tribunal de Justiça abre concurso para para 845 vagas de Escrevente

Certame disponibiliza oportunidades entre diversas localidades do estado; veja como participar

Dois lotes de parques municipais serão administrados por iniciativas privadas

Gestão e encerramento do contrato (até cinco anos de contrato com a possibilidade de prorrogação por mais cinco anos).

Ribeirão Preto estende abertura do comércio a partir desta sexta-feira, dia 30

Medida se antecipa ao Plano São Paulo. Veja como ficam os horários.
- PUBLICIDADE -