InícioEsportesOlimpíadasMãe drogada, Abusada, Pressionada, Simone não aguentou

Mãe drogada, Abusada, Pressionada, Simone não aguentou

A estrela das Olimpíadas teve uma vida terrível. Separada da mãe viciada, abusada sexualmente por médico do Comitê de Ginástica Norte-Americano, cobrada por recordes.

- continua após a publicidade -

A estrela das Olimpíadas teve uma vida terrível. Separada da mãe viciada, abusada sexualmente por médico do Comitê de Ginástica Norte-Americano, vítima de preconceito racial, cobrada por recordes. Desistiu de Tóquio

24 anos, ginasta, norte-americana, negra.
Vinte e cinco medalhas em Mundiais. 19 de ouro.
Nas Olimpíadas do Rio de Janeiro entrou para a história, com quatro medalhas de ouro e uma de bronze.

Era a grande atração da Olimpíada de Tóquio.
A expectativa era para a conquista de quatro ou cinco medalhas de ouro. A imprensa norte-americana garantia que ela estava no auge da forma. E que iria aproveitar os holofotes para mostrar movimentos inéditos na ginástica olímpica. 
Iria além de onde ninguém foi. 

A pressão era imensa.

- CONTINUA DEPOIS DE PUBLICIDADE -

Ela chegou sorridente em Tóquio. Conversou, brincou com seus seguidores no Instagram. Comemorou o aniversário do seu namorado, que ficou nos Estados Unidos. Parecia estar no melhor momento de sua carreira.

Havia trocado a Nike, que fora sua patrocinadora por seis anos, por uma marca que prioriza as mulheres, Athleta, divisão da GAP. A troca foi milionária. E a escolha feminista.

Seria a Olimpíada de consagração.

Ela chegou a dizer ao New York Times que ela competia não só pelos Estados Unidos. Mas por todas ‘garotas negras e pardas do mundo’.

E a decepção maior ainda, quando ela começou sua participação na prova em equipes.

Ela parecia muito insegura e cometeu erros incríveis para a maior ginasta de todos os tempos. Mesmo falhando, conseguiu se classificar para a final no salto, nas barras e no solo. A dificuldade dos seus movimentos garantiu notas suficientes para seguir adiante.

Mas chegou a final. E logo depois de um salto ruim, para os seus padrões, veio a desistência. O Comitê Olímpico Norte-Americano ainda tentou disfarçar, alegando que ela estava com problemas físicos. Mas depois a verdade veio à tona. 

“Assim que piso o tatami, sou só eu e a minha cabeça a lidar com demónios. Tenho de fazer o que é certo para mim e tenho de me focar na minha saúde mental. Temos de proteger a nossa saúde e o nosso bem-estar e não fazer apenas o que o mundo quer que façamos”, disse Simone.

A desistência, em cima da hora, fez os Estados Unidos perderem o ouro, conquistado pelas russas.

Mas hoje viria a pior notícia para a organização das Olímpiadas de Tóquio. Simone Biles desistiu de competir também no individual. Ou seja, acabou a competição para ela.

“As Olimpíadas são muito pesadas. São muitas emoções envolvidas nisso. Posso falar sobre isso por uma hora. A maneira mais fácil de dizer isso é que acho que os atletas, e os atletas olímpicos de um modo geral, precisam de alguém em quem possa confiar. Alguém que possa nos deixar ser nós mesmos, ouvir e permitir que nos tornemos vulneráveis.

“Alguém que não vai tentar nos consertar. Carregamos muitas coisas e muito peso nos ombros. É um desafio, especialmente quando temos as luzes sobre nós e todas as expectativas que estão sendo jogadas sobre nós”, disse o norte-americano Michael Phelps, que conquistou 28 medalhas para os Estados Unidos. comentando a Olimpíada em Tóquio, entendendo perfeitamente a Simone Biles.

Veja mais notícias de Ribeirão Preto e Região no Em Ribeirão

publicidade
publicidade

Anvisa alerta sobre risco de miocardite e pericardite pós-vacinação

A Anvisa informa que os Estados Unidos (EUA) relataram a ocorrência de casos de miocardite (inflamação do músculo cardíaco) e de pericardite (inflamação do tecido que envolve o coração) após a vacinação

Campeonato Esportivo movimenta mais de mil alunos das escolas municipais

Cirem será realizado até a 2a quinzena de dezembro

Assistência Social realizará “V Caminhada Mulher Maravilha” neste domingo

Evento promovido pelo NAEM acontece em referência aos 16 dias de ativismo pelo fim da violência contra as mulheres

Projeto Guri está com inscrições abertas

Crianças e adolescentes de seis a 18 anos podem aprender a tocar um instrumento musical, sem a necessidade de conhecimento prévio

Fogos de artifício: veterinário explica como proteger os animais durante as comemorações

Especialista explica as possíveis reações dos pets e o que pode ser feito para amenizar o pânico e transtornos causados pelas explosões
- PUBLICIDADE -