InícioEconomiaVendas dos supermercados retraem 1,39% no primeiro quadrimestre

Vendas dos supermercados retraem 1,39% no primeiro quadrimestre

- continua após a publicidade -

O faturamento real dos supermercados no Estado de São Paulo (deflacionado pelo IPS/FIPE) no conceito de mesmas lojas – que considera as lojas em operação no tempo mínimo de 12 meses – registrou queda de 1,39%, de janeiro a abril de 2016 em relação ao mesmo período de 2015. Em abril, houve queda de 3,84% nas vendas comparadas ao mesmo período de 2015 e, em comparação com março de 2016, houve retração de 3,91%.

Já no conceito de todas as lojas – que consideram todas as lojas criadas no período pesquisado – houve queda em 2015 de 1,85%. Em abril, houve queda de 3,69% em relação a abril de 2015, e retração de 3,41% em relação a março.

As vendas ao longo de 2016 continuam a apresentar desaceleração expressiva quando comparadas a 2015. O motivo é a inflação mais elevada e persistente que afetou o poder de aquisitivo da população e reduziu o volume de compra das famílias nos supermercados. Porém, o ritmo das vendas constatado nos resultados analisados pela APAS – Associação Paulista de Supermercados – apresenta tendência de estabilidade das quedas, aspecto que pode contribuir para uma desaceleração menor ao longo dos próximos meses.

O setor supermercadista, mesmo diante de um cenário macroeconômico instável, continua apresentando um desempenho mais favorável quando comparado a outras atividades econômicas. “Em análise dos resultados ao longo dos últimos anos, o setor supermercadista foi o último a ser impacto pela instabilidade que afeta a economia brasileira. E o setor deve ser o primeiro a ser beneficiado em caso de melhora na confiança e no ambiente de negócios”, comenta o gerente de economia e pesquisa da APAS, Rodrigo Mariano.

- CONTINUA DEPOIS DE PUBLICIDADE -

O setor supermercadista vem ao longo dos últimos meses buscando alternativas para enfrentar as dificuldades político-econômicas do País por meio de oportunidades que possam manter o desempenho das vendas em ritmo mais estáveis e sem maiores impactos para os resultados dos negócios.

Contudo, esse esforço para garantir um equilíbrio do volume de vendas prejudica a margem do setor, que é inferior a outras atividades econômicas. “A redução de vendas com elevação dos custos por conta principalmente de preços administrados força o setor supermercadista a intensificar ações para que a margem não seja afetada de maneira expressiva, contribuindo, assim, para a estabilidade de seu negócio”, diz Mariano.

Com relação ao faturamento real dos supermercados no Estado de São Paulo (deflacionado pelo IPCA/IBGE), no acumulado de 2016 em relação ao mesmo período de 2015, este apontou alta de 1,20% no conceito de mesmas lojas. Em abril houve ligeira alta de 0,07% em relação a abril de 2015 e houve queda de 3,75% em relação a março. No conceito de todas as lojas houve elevação de 0,73% de janeiro a abril em relação ao mesmo período de 2015. Em abril, alta de 0,22% em relação a abril de 2015 e retração de 3,24%em relação a março.

Faturamento nominal cresce

O Faturamento nominal dos supermercados no Estado de São Paulo, no acumulado de janeiro a abril de 2016, em relação a 2015 teve alta de 11,25% no conceito de mesmas lojas. Em abril, a alta foi de 9,35% comparada ao mesmo mês em 2015 e queda de 3,16% em relação a março. No conceito de todas lojas houve alta de 10,73% de janeiro a abril em relação a 2015. Em abril, alta de 9,52% em relação ao mesmo período de 2015 e queda de 2,65% em relação a março.

Mesmo diante de uma inflação elevada e persistente e do seu impacto no consumo das famílias, com consequente queda nas vendas, o setor conseguiu apresentar desempenho ligeiramente favorável quando comparado a outras atividades econômicas.

Esse desempenho contribuiu para a manutenção de emprego e renda na economia brasileira. O setor supermercadista foi um dos setores com o menor número de fechamento de vagas formais de emprego ao longo dos últimos 12 meses. A expectativa para 2016 é de um desempenho ligeiramente melhor que 2015, mesmo em meio ao cenário econômico crítico em que a inflação tende a permanecer em patamar elevado.

Nota Metodológica

O Índice de Vendas dos Supermercados tem como objetivo acompanhar e analisar o desempenho das vendas do setor supermercadista no estado de São Paulo através da evolução do faturamento dos Hipermercados e dos Supermercados. A pesquisa é composta por hipermercados e supermercados do estado de São Paulo, os quais possuem uma representatividade de 85% do setor supermercadista. Os indicadores são divulgados tanto em caráter de mesmas lojas (que consideram apenas lojas abertas há pelo menos um ano) e de todas lojas (que consideram todas as lojas criadas no período pesquisado). As análises dos resultados auxiliam os empresários do setor na tomada de decisão com relação a reabastecimento, investimentos, compras, estoque. E de maneira geral auxilia o mercado na análise de tendências, plano de negócios, potencialidades e inserção no mercado.

Sobre a APAS – A Associação Paulista de Supermercados representa o setor supermercadista no Estado de São Paulo e busca integrar toda a cadeia de abastecimento. A entidade tem 1.340 associados, que somam mais de 3.036 lojas.

Veja mais notícias de Ribeirão Preto e Região no Em Ribeirão

publicidade
.
publicidade

Colégio Metodista suspende atividades em Ribeirão Preto

Instituição contava com 122 anos de atuação na cidade encerra atividades por conta da situação financeira da instituição de ensino. A economia vemos depois.

O fundo do posso sem fundo: Fiocruz indica atenção com dengue

Períodos chuvosos atrelados ao calor são favoráveis à proliferação do Aedes aegypti, que é também transmissor do vírus da zika e chikungunya.

Mãe do presidente Jair Bolsonaro morre aos 94 anos

De Uma família humilde do interior de São Paulo, dona Olinda, partiu mas pode ver os feitos do filho. Nossos sentimentos ao @jairmessias.bolsonaro

Coronavac é liberada e SP confirma dose para crianças em até 3 semanas

Eles garantem que o medicamento é seguro, e casos de mortes não são relacionados com a picada salvadora. Se ele garante nós acreditamos na ciência.

Criança de 10 anos infartou depois da picada mas o motivo não foi a vacina

Prefeitura diz que criança teve parada cardíaca após vacina, mas estado rapidamente concluiu que criança tinha doença rara no coração que os pais não sabiam. E nós acreditamos no trancarua
- PUBLICIDADE -