InícioEconomiaPrefeito de Aparecida do norte pede socorro: ‘Gente chorando e pedindo comida’

Prefeito de Aparecida do norte pede socorro: ‘Gente chorando e pedindo comida’

A fome e o desemprego batem à porta e a situação fica cada vez mais caótica. De acordo com ele, a cidade já conta com mais de 70% da população desempregada.

- continua após a publicidade -

As medidas ditatoriais impostas pelo governador João Doria (PSDB) no estado de São Paulo continuam devastando municípios paulistas. A fome e o desemprego batem à porta e a situação fica cada vez mais caótica.

Com a pandemia do vírus chinês controlada na cidade, o prefeito de Aparecida, Luiz Carlos de Siqueira, participou do programa “Opinião no Ar”, da Rede TV, nesta terça-feira (16), e falou sobre ter entrado na Justiça contra a “fase emergencial”. “Minha cidade está destruída no socioeconômico”, disse. 

Aparecida possui pouco mais de 36 mil habitantes. O prefeito Luiz Carlos criticou a falta de autonomia das cidades e disse que a cidade vive uma tragédia, em situação de miséria. 

De acordo com ele, a cidade já conta com mais de 70% da população desempregada.

“Não suporto mais ver gente chorando e pedindo comida. A situação é muito complicada”, afirmou. 

- CONTINUA DEPOIS DE PUBLICIDADE -

A declaração do prefeito é como um pedido de socorro. Ele afirmou que no momento nenhum paciente utiliza respirador nos 20 leitos disponíveis na cidade. A cidade precisa de doação de cestas básicas.

“Fui para a Justiça para que eu pudesse equilibrar o antagonismo que é a pandemia. Hoje eu não tenho nenhum paciente no respirador e eu tenho 20 leitos de respiradores aqui. Está difícil pra mim governar uma cidade que está subjugada, que está de joelhos, está suplicando uma ajuda do governo do estado e do governo federal. Ajuda para quê? Para matar a fome do nosso povo”.

Com o novo decreto, Aparecida — que guarda o Santuário Nacional da Padroeira do Brasil — não pode ter celebração de missas nem receber peregrinos, afogando ainda mais a economia local. 

foto internet

“Nós precisamos de cestas básicas, porque recursos próprios eu não tenho. A cidade não paga nada. A nossa situação é essa. Estamos vivendo o pior momento de uma cidade que é depositária da fé e da esperança do povo. Os peregrinos vêm aqui para suplicar aos pés da padroeira uma vida mais digna, ou para pedir ou para agradecer. Hoje nós não temos mais esses peregrinos aqui, infelizmente”, lamentou. Em outro momento da entrevista o prefeito relatou que houve tentativas de suicídio dos cidadãos devido ao caos no município.

Ajuda à Aparecida

Ao tomar conhecimento da situação em Aparecida (SP), o deputado estadual Douglas Garcia tentou contato com o prefeito Luiz Carlos. Nas redes sociais, a assessoria do parlamentar disse que irá mobilizar núcleos na coleta de cestas básicas.

Segundo as informações, a princípio são necessárias 15 mil unidades. Em breve, serão divulgados os pontos de coleta.

Veja mais notícias de Ribeirão Preto e Região no Em Ribeirão

publicidade
.
publicidade

Cientista chinês deserta para os EUA com segredos de armas hipersônicas

Ele estava disposto a fornecer informações detalhadas sobre o veículo hipersônico em troca de asilo para ele, sua esposa e seu filho.

Brasil já tem mais casos de covid-19 do que no periodo antes da vacina

A pergunta é: Fecha tudo e #fiqueemcasa? As picadas funcionam ou é apenas interesse financeiro?

Aulas da Rede Municipal retornam na próxima semana

Retorno será 100% presencial e obrigatório para os estudantes; todos os protocolos sanitários que dispõem sobre a Covid-19 serão cumpridos. Não é obrigatório apresentar passaporte sanitário.

Morre a cantora e pastora Ludmila Ferber aos 56 anos

"Quando tudo parece estranho ao redor ,Buscar tua face é preciso, Deus Quando a gente não sabe o que está ocorrendo Buscar tua face é preciso, Deus"

Prefeitura obriga funcionalismo apresentar passaporte sanitário

Seu corpo minhas regras: Funcionários que não apresentarem documento serão impedidos de trabalhar e terão descontada do salário.
- PUBLICIDADE -