Início Economia Em meio à sua pior crise, setor de restaurantes e bares terá...

Em meio à sua pior crise, setor de restaurantes e bares terá aumento do ICMS em São Paulo

João Doria publicou diversos decretos alterando a legislação do ICMS, com a finalidade de aumentar a arrecadação do imposto, para superar o rombo ocasionado pelo #fiqueemcasa

- continua após a publicidade -

Em meio a um período de tentativa de retomada depois da pior crise já enfrentada por causa da necessidade de isolamento social, os restaurantes, bares e lanchonetes do Estado de São Paulo receberão mais um duro golpe com o provável aumento tributário relacionado ao ICMS já no início de 2021

“O governo do Estado de São Paulo publicou recentemente diversos decretos alterando a legislação do ICMS, com a finalidade de aumentar a arrecadação do imposto, para superar o rombo ocasionado pela crise. São medidas de ajuste fiscal para equilíbrio das contas públicas, em face da pandemia do Covid-19. Contudo, existem vários desses decretos que representarão aumentos desse tributo, complicando ainda mais as finanças das empresas”, explica o diretor tributário da Confirp Consultoria Contábil, Welinton Mota.

Imagem divulgação

O diretor da Confirp detalha que uma das mudanças diz respeito ao aumento nas alíquotas do ICMS, previstas para vigorar a partir de 15 de janeiro de 2021 e um dos setores afetados é o ramos de refeições, que inclui de bares, restaurantes, lanchonetes, pastelarias, casas de chá, de suco, de doces e salgados, cafeterias, hotéis, entre outros, bem como as empresas preparadoras de refeições coletivas.

“Com a mudança, a partir de janeiro, a alíquota do ICMS das refeições vai aumentar de 3,2% para 3,69%, ou seja, um aumento de 0,49%. Por mais que em um primeiro momento não pareça relevante, em situação de crise isso se mostra um novo complicador. Outro ponto é que certamente em muitos casos os referidos estabelecimentos repassarão esse aumento para o consumidor, encarecendo o custo das refeições”, analisa Welinton Mota.

Essa majoração está prevista para vigorar por dois anos, ou seja, até 15 de janeiro de 2023, segundo o Decreto Estadual/SP n° 65.255/2020 (DOE de 16.10.2020). Resta saber se daqui dois anos o governo vai publicar novo decreto restabelecendo as alíquotas anteriores, fato que ainda é incerto.

arquivo
- CONTINUA DEPOIS DE PUBLICIDADE -
- CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE -
- CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Veja mais notícias de Ribeirão Preto e Região no Em Ribeirão

publicidade
publicidade

Professor da Cava do Bosque é preso por pedofilia em Ribeirão Preto

O homem foi preso em flagrante e prestou depoimento. Logo depois, foi encaminhado à cadeia de Serra Azul.

Prefeitura recorre de decisão judicial contra maior flexibilização em Ribeirão Preto

Mas até o julgamento do recurso, a cidade se mantém na fase amarela. Eles fazem que nos enganam e nós fazemos que acreditamos

Filho de Kátia Abreu, senador é acusado de estupro em SP

Seu Irajá é filho da Kátia Abreu. E agora militância lacradora, o que vão vão fazer com esta atitude "errática" ?

PT não vai apoiar candidatos no 2° turno em Ribeirão Preto

Antônio Alberto Machado, candidato do PT nas eleições, foi o sexto mais votado no pleito

Banco de Sangue de Ribeirão Preto celebra Dia Nacional do Doador de Sangue

Campanha "Vem doar" homenageia os Doadores de Sangue e chama a atenção da sociedade para a importância do gesto solidário que salva vidas