InícioEconomiaConsumo das famílias cresce 4% em junho, diz Abras

Consumo das famílias cresce 4% em junho, diz Abras

Prorrogação de auxílio e pagamento de parcela do 13º puxaram aumento

- continua após a publicidade -

Prorrogação de auxílio e pagamento de parcela do 13º puxaram aumento

O consumo das famílias aumentou 4% no primeiro semestre do ano em comparação com o período de janeiro a junho de 2020, segundo levantamento divulgado hoje (12) pela Associação Brasileira de Supermercados (Abras).

Em junho, no entanto, o Índice Nacional de Consumo nos Lares Brasileiros teve queda de 0,68% na comparação com o mesmo mês do ano passado. Segundo o vice-presidente Administrativo e Institucional da Abras, Marcio Milan, o resultado é o primeiro recuo nas vendas registrado neste ano.

“Isso mostra um ponto de atenção”, enfatizou.

arquivo



De acordo com Milan, a alta no semestre foi puxada por fatores como a prorrogação do auxílio emergencial, o pagamento da segunda parcela do 13º para os aposentados e pensionistas e o pagamento do segundo lote da restituição do Imposto de Renda.

As perspectivas para o ano ainda são de crescimento de 4,5% no consumo das famílias em 2020. O cenário positivo deve ser possível, na avaliação de Milan, pela melhora da situação econômica possibilitada pelo avanço da imunização contra a covid-19. “O Brasil vem avançando na vacinação. Em São Paulo e outros estados a gente já vai ter uma cobertura de todas as pessoas adultas [nos próximos dias]”, destacou.

Ainda devem contribuir para a expansão do consumo as novas rodadas do auxílio emergencial e de restituição do Imposto de Renda, acrescentou o vice-presidente da Abras.

Milan disse ainda que as empresas do setor de supermercados estão otimistas e ampliando os investimentos. Segundo ele, no primeiro semestre do ano, os supermercados e hipermercados abriram 60 novas lojas no país.

arquivo

Inflação

O custo da cesta com os 35 produtos mais vendidos em supermercados pesquisada pela Abras aumentou 22,1% em junho na comparação com o mesmo mês do ano passado, estando atualmente estimada em R$ 662,12. Estão incluídos nessa lista alimentos, cerveja e produtos de higiene.

O aumento dos preços tem levado muitos consumidores a buscar alternativas mais baratas dos produtos de preferência. “O consumidor acaba optando por outras marcas para poder exatamente olhar o seu bolso”, disse Milan.

Há ainda a possibilidade de substituir um produto por outro mais barato. É o caso de famílias que passam, por exemplo, a consumir menos carne bovina e optam pelo frango, carne suína ou ovos.

Veja mais notícias de Ribeirão Preto e Região no Em Ribeirão

publicidade
publicidade

Dia do desafio: SESC tem atividades o dia todo

Devido à instabilidade do tempo, as atividades que aconteceriam na Praça XV, foram transferidas para a unidade do Sesc Ribeirão, na Rua Tibiriçá, 50 – Centro.

Região de Ribeirão Preto exporta 2,5 bilhões de dólares em 2022

Estudo da Fundação Seade sobre o Comércio Exterior divulgado ontem (29) mostra que a região de Ribeirão Preto exportou mais de 2,5 bilhões de...

Stand up de Afonso Padilha tem duas apresentações na sexta, no Theatro Pedro II

Ator também é roteirista de teatro e do Porta dos Fundos; ingressos custam de R$ 40 a R$ 120

Prefeitura chama 79 professores para atuação na Rede Municipal

Aprovados em processo seletivo, professores completam o quadro da rede

Aplicativo Saúde Digital tem grande adesão para agendamento de consultas

Foram ofertados mais de 43 mil vagas em clínica médica, enfermagem, ginecologia, odontologia e pediatria; de janeiro a abril foram realizados e 37.339 agendamentos O...
- PUBLICIDADE -