Início Saúde Ele morreu pois a Sta Casa de Ribeirão não tinha equipamento para...

Ele morreu pois a Sta Casa de Ribeirão não tinha equipamento para cauterizar um sangramento

- continua após a publicidade -

Ele morreu pois a Sta Casa de Ribeirão não tinha equipamento para cauterizar um sangramento.

Neste próximo dia 07 de fevereiro o Morador nascido em Ribeirão Preto, foi internado na santa casa de Ribeirão Preto, em ótimas condições físicas.
Prova deste fato que o então paciente chegou ao hospital dirigindo seu carro, desceu com sua mochila e fez ele próprio a documentação para ser internado.

Motivo? Uma simples cirurgia de hérnia.
Não, não era um AVC, ou Infarto.
Mas o caso evoluiu, e perdeu sangue por 18 horas ininterruptas.

- CONTINUA DEPOIS DE PUBLICIDADE -

O hospital não tinha capacidade para fazer uma cauterização, e solicitou a transferência para o HC centro.
No caminho ocorreram duas paradas cardíacas (o transporte não era uma UTI móvel).
Ao dar entrada no hospital, os profissionais fizeram todo o possível para reverter o caso, mas já era tarde.

Provável que a falta do equipamento seria facilmente pago com os desvios de bandidos que recebem os votos.

No próximo dia 07 ele deveria completar 52 anos, mas morreu com 39 anos.

Mas quem é Claudinei?

Ninguém, simplesmente mais uma das milhões de pessoas que morrem diariamente e não tem condições de arcar com uma estrutura compatível com um país que ROUBA bilhões em impostos.

- CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Pobre Claudinei […] não era irmão, filho ou casado com um político!

Não houveram homenagens e nem comoção. Na verdade a grande maioria da população não ficou sabendo.
Mas ele pagou impostos desde seu primeiro dia de vida, e nunca desviou dinheiro de propina, portanto não recebeu atendimento dos melhores médicos e não pode contar com a estrutura do hospital Sírio Libanês.
A semelhança é que nos dois casos a família autorizou a doação de órgãos.
Este é apenas um caso, mas poderíamos citar aquele senhor que morreu depois de cair por conta de um buraco no asfalto, que não deveria existir, não fosse os roubos.

Podemos citar a garota que esteve várias vezes em Pronto atendimento e UPA de Ribeirão, mas mandaram a garota para casa, e quando se deram conta, o caso já era irreversível.

Se formos enumerar, teremos tantos outros casos, de pessoas que morrem nas filas esperando atendimento.

Quantas mortes nas estradas de pista simples e mau sinalizadas?

Quantas mortes por falta de segurança?
O Brasil é um dos países que mais se cobra impostos, mas a população não tem o mínimo de dignidade, e a vida de dona Mariza não vale mais ou menos do que a do Claudinei; mas no caso dele podemos dizer que foi roubado e teve a morte prematura por conta de roubalheira.

No caso da DNA Mariza, querem transformá-la em mártir, mesmo tendo todo atendimento possível, mesmo tendo feito parte da quadrilha que lapidou os cofres brasileiros.

A dor.
é impossível medir qual a maior dor, mas não vamos fazer inversão de valores, e não vamos permitir que esta morte seja levantada como bandeira por loucos desesperados pelo poder.

Uma vida vale mais do que a outra?

Um ladrão merece mais cuidados do que um simples trabalhador?

Veja mais notícias de Ribeirão Preto e Região no Em Ribeirão

publicidade
publicidade

Urgente: Bolsonaro afirma que não tem acordo com Doria e não comprar vacina chinesa

Nesta Quarta-feira (21) Brasília deve pegar fogo com decisão de Bolsonaro, cancelando acordo feito entre governadores e Pazuello

Justiça bloqueia R$ 29 milhões em bens de Doria em ação por improbidade

PSDB e sua fake: Doria gastou com propaganda pessoal o equivalente a 21% do total empregado nas obras de asfalto.

Padaria Pet abre unidade em Ribeirão Preto

Loja é a 9ª franquia da rede, que terá tratamento de aromaterapia, espaço para aniversário pet, petiscaria gourmet para cães e gatos como, pipoca, bolo de caneca, cerveja e café

TEL abre 300 vagas de emprego em São Paulo

Home Office: Processo seletivo oferece oportunidades em telemarketing para vendas; empresa já emprega 15 mil profissionais no Brasil

68% dos lojistas apontam aumento nas vendas, após seis meses de quarentena

Setor de eletrônicos foi o mais beneficiado, segundo FCDLESP; apenas 15% das micro e pequenas empresas conseguiram o PRONAMPE