InícioLazer e CulturaBazar “Cauim É Nosso” acontece no próximo dia 8

Bazar “Cauim É Nosso” acontece no próximo dia 8

- continua após a publicidade -

No dia 8 de abril, a partir das 10h, o Cineclube Cauim promove o bazar “O Cauim é nosso”.

Os visitantes poderão conhecer a feira de livros do Cauim e a feira orgânica além de visitar o espaço onde ocorrerá uma exposição cultural. O evento também contará com área de alimentação e venda de artesanatos, patchwork, roupas, bolsas, sapatos e acessórios.

Também haverá apresentação da banda Rock Friends que tocará sucessos dos anos 80. “O objetivo principal é arrecadar dinheiro para a ONG do Cauim, para manter a instituição, recuperação e manutenção de espaço de circulação da produção cultural”, explica Fernando José da Silva, o Fernando Kaxassa, presidente do Cine Cauim.

Serviço:
Bazar o Cauim é Nosso
Data: 08 de Abril, sábado, a partir das 10h da manhã.
Local: Cineclube Cauim – R. São Sebastião, 920 – Centro

- CONTINUA DEPOIS DE PUBLICIDADE -

Veja mais notícias de Ribeirão Preto e Região no Em Ribeirão

publicidade
.
publicidade

Vacinação: Agendamento para pessoas com 43 a 59 anos será aberto nesta quarta-feira (23)

Serão disponibilizadas 21 mil vagas; vacinação acontecerá na sexta-feira, sábado e segunda-feira, dias 25, 26 e 28 de junho

Receitas de sopas e caldos para fortalecer a imunidade nesse inverno

Gripe, asma, bronquite, sinusite e até pneumonia costumam ser mais comuns nessa época do ano - além de ainda estarmos em pandemia, sempre com o risco de contaminação do vírus da Covid-19.

Brasil antecipou mais de 16 milhões de doses de vacinas

Tem governador de calça colada, fazendo campanha dizendo que esta adiantando a vacinação, só não conta que isso é possível por conta do governo federal

Pediatra ensina receitas criativas e saudáveis para uma Festa Junina em casa

Junho chegou e, com ele, a lembrança das Festas Juninas que, mais uma vez, precisaram ser adiadas devido à pandemia.

‘Araraquara vive situação de pós-guerra’, afirma presidente da Ceagesp

“Havia pessoas passando fome, tendo de comer animais domésticos”, lamentou. “A situação que eu vi, na cidade, é de pós-Guerra.
- PUBLICIDADE -