InícioEducaçãoGarantir os direitos de crianças, adolescentes e jovens é uma das metas...

Garantir os direitos de crianças, adolescentes e jovens é uma das metas do Projeto Guri

- continua após a publicidade -

Cerca de 30 integrantes da diretoria de Desenvolvimento Social da Associação Amigos do Guri – gestora do Projeto Guri no litoral, interior e Fundação CASA – participarão do Simpósio Nacional de Fortalecimento do Sistema de Garantia de Direitos (http://www.simposiosgd.com.br). O encontro será realizado de 4 a 7 de abril, no Centro de Eventos Padre Vitor Coelho de Almeida, na cidade de Aparecida do Norte/SP.

O simpósio surgiu da necessidade de debater e aprimorar os conhecimentos sobre os direitos humanos de crianças e adolescentes entre os representantes que estão vinculados aos três eixos do Sistema de Garantia de Direitos: defesa, promoção e controle. Na abertura do evento, dia 4, às 18h30, haverá uma apresentação conjunta dos(as) alunos(as) dos polos Aparecida e Guaratinguetá.

A diretoria do Projeto Guri apoiou a participação de seus (suas) empregados(as), pois entende a importância da formação continuada como um processo fundamental para o empoderamento das suas equipes, que zelam pelo respeito aos direitos humanos das crianças, adolescentes e jovens. Especialmente daqueles que vivem cotidianamente situações de ameaça à sua integridade física e psicológica. Ainda que seja uma política pública de acesso universal, o Projeto Guri – maior programa sociocultural brasileiro, mantido pela Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo – estabelece como meta o atendimento de 70% de alunos em situação de vulnerabilidade social e econômica.

Além da participação no simpósio, o Guri adere à campanha Chega de Trabalho Infantil promovida em parceria com o Ministério Público do Trabalho, Cidade Escola Aprendiz, Rede Peteca, Associação para o Desenvolvimento dos Municípios do Estado do Ceará e Fórum Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil. A ideia é postar o cartaz que dá nome à iniciativa nas redes sociais das instituições, no período do simpósio e posteriormente. A ação visa ao combate de uma estatística alarmante: mais de 2,6 milhões de crianças e adolescentes entre 5 e 17 anos estão atualmente em situação de trabalho infantil. https://www.facebook.com/chegadetrabalhoinfantil

- CONTINUA DEPOIS DE PUBLICIDADE -

Para entender melhor sobre a garantia de direitos, conversamos com Francisco Rodrigues, diretor de Desenvolvimento Social da Associação Amigos do Projeto Guri:

Na sua opinião, qual a importância da participação do Projeto Guri em um simpósio sobre a garantia de direitos?
A Amigos do Guri tem no ECA – Estatuto da Criança e do Adolescente um de seus pilares de sustentação para alcançar sua missão, ou seja, o desenvolvimento humano de gerações em formação. O ECA preconiza, nos seus artigos de número 86 e 88, que o atendimento à criança e ao adolescente se dará por meio de um conjunto articulado de ações governamentais e não governamentais, descentralizadas e participativas. Portanto, acompanharmos e nos atualizarmos sobre o que vem sendo debatido sobre o Sistema de Garantia dos Diretos da Criança e do Adolescente – SGDCA é uma das formas de nos capacitarmos, a fim de atingir nossos objetivos.

Qual o papel das instituições que atuam com crianças e adolescentes neste enfrentamento? O que pode ser feito?
Zelar pelos direitos de crianças e adolescentes é garantir o pleno e saudável desenvolvimento das futuras gerações. É um dever de todos! No entanto, as instituições que trabalham com a população infantojuvenil têm a obrigação de atuar na promoção e na defesa desses direitos.

Como podemos envolver e empoderar as famílias em busca de proteção e garantia dos direitos?
O artigo 227 da Constituição Federal trata da doutrina da proteção integral de crianças e adolescentes e deixa claro que “é dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança e ao adolescente, com absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, à cultura, ao lazer, à profissionalização, à liberdade, ao respeito, à dignidade e à convivência familiar e comunitária, além de colocá-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão”. Portanto, a família é partícipe direta na garantia dessa proteção. O que se faz necessário é estimular e ampliar os espaços de participação, proposição e controle das políticas públicas voltadas à população infantojuvenil.

Qual o papel da sociedade civil?
O papel da sociedade civil é exatamente o de ocupar os espaços de participação, como os Conselhos Municipais da Criança e do Adolescente – CMDCA e Conselhos Municipais da Assistência Social – CMAS, entre outros, e cobrar dos poderes legislativo e executivo que reconheçam a criança e o adolescente como “prioridade absoluta” em suas ações e deliberações.

Projeto Guri www.projetoguri.org.br

Patrocinadores e apoiadores do Projeto Guri – Amigos do Guri: Instituto CCR por meio da CCR AutoBAn e CCR SPVias, SABESP, SKY, CTG, SEM, Microsoft, Usina Colorado, Caterpillar, Supermercados Tauste, Capuani, Grupo BB e Mapfre, Pinheiro Neto, WestRock, VALGROUP, Banco Votorantim, Mercedes Benz, Catho, Hasbro, Cipatex, PPE Fios, Grupo Maringá, Raízen, Castelo Alimentos, Arteris e Cremer.

Sobre o Projeto Guri
Mantido pela Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, o Projeto Guri é considerado o maior programa sociocultural brasileiro e oferece, nos períodos de contraturno escolar, cursos de iniciação musical, luteria, canto coral, tecnologia em música, instrumentos de cordas dedilhadas, cordas friccionadas, sopros, teclados e percussão, para crianças e adolescentes entre 6 e 18 anos. Mais de 49 mil alunos são atendidos por ano, em quase 400 polos de ensino, distribuídos por todo o estado de São Paulo. Os mais de 330 polos localizados no interior e litoral, incluindo os polos da Fundação CASA, são administrados pela Amigos do Guri, enquanto o controle dos polos da capital paulista e Grande São Paulo fica por conta de outra organização social. A gestão compartilhada do Projeto Guri atende a uma resolução da Secretaria que regulamenta parcerias entre o governo e pessoas jurídicas de direito privado para ações na área cultural. Desde seu início, em 1995, o Projeto já atendeu cerca de 650 mil jovens na Grande São Paulo, interior e litoral.

Sobre a Amigos do Guri
A Amigos do Guri é uma organização social de cultura que administra o Projeto Guri. Desde 2004, é responsável pela gestão do programa no litoral e no interior do estado de São Paulo, incluindo os polos da Fundação CASA. Além do Governo de São Paulo – idealizador do projeto –, a Amigos do Guri conta com o apoio de prefeituras, organizações sociais, empresas e pessoas físicas. Instituições interessadas em investir na Amigos do Guri, contribuindo para o desenvolvimento integral de crianças e adolescentes, têm incentivo fiscal da Lei Rouanet e do Fundo Municipal da Criança e do Adolescente (FUMCAD). Pessoas físicas também podem ajudar. Saiba como contribuir: www.projetoguri.org.br/faca-sua-doacao.

Veja mais notícias de Ribeirão Preto e Região no Em Ribeirão

publicidade
.
publicidade

Com dois a menos, Palmeiras se classifica na libertadores

10 SEMIS DE #LIBERTADORES NA HISTÓRIA! 10 CLASSIFICAÇÕES CONSECUTIVAS EM MATA-MATA NO TORNEIO! 10 PASSAGENS DE FASE EM #LIBERTADORES EM CASA!

Patriotas vão para Paulista: Ribeirão inicia preparativos para o desfile de 7 de Setembro

Em Ribeirão vários grupos se organizam para participar das manifestações em São Paulo, dia que esta sendo considerado o mais importante dos últimos 200 anos. Confira como participar.

WhatsApp lança novas ferramentas para garantir mais segurança e privacidade aos usuários

As funções do aplicativo de mensagens estão em fase de testes, mas devem chegar ao público em breve

Vereador esquerdista que defende mulheres deve cumprir medida protetiva com a ex-namorada

a vítima se sente perseguida e agredida moralmente e psicologicamente pelo autor

“Funcionário” recebe R$ 22 mil por mês da Câmara para estudar Direito na USP em período integral

Trabalhar por que? Se nem os vereadores fazem isso, o O acadêmico em questão é Saulo Wellington Marchiori Magron, lotado no cargo de agente de administração
- PUBLICIDADE -