Início Diversos As mulheres na história

As mulheres na história

- continua após a publicidade -

A historiadora Lilian Rosa, também é um exemplo de mulher com grande atuação no mercado de trabalho. Coordenadora do curso de História do Centro Universitário Barão de Mauá; Vice-presidente do IPCCIC – Instituto Paulista de Cidades Criativas e Identidades Culturais. Mestre e doutora em História e Pós-doutora em Administração com foco em Gestão Pública do Patrimônio Cultural.

Lilian explica que historicamente a mulher estava inserida em uma estrutura familiar patriarcal, que predominou no Brasil desde o período colonial. “Neste modelo, o pai era o patriarca, responsável pelo clã. Escravos, agregados, filhos e a esposa, tudo isso estava na sua esfera de domínio e eram considerados como suas propriedades. Esse poder se estendia para o campo econômico e político. Dessa forma, o espaço feminino estava restrito à varanda interna e à cozinha da casa e sua função era cuidar dos filhos e do marido. Não havia possibilidade de atuação fora desse ambiente. Essa herança portuguesa de organização social predominou no Brasil até as primeiras décadas do século XX. Muitos dos seus aspectos ainda estão arraigados em nossa cultura, em particular na forma como a mulher é vista em relação ao homem”.

“Em âmbito internacional, a Revolução Industrial tirou a mulher de baixa renda de casa e a levou para dentro das fábricas. Nesse novo ambiente ela passou a enfrentar as críticas da sociedade. Acusava-se o fim da família, com o aumento da promiscuidade, da infidelidade, entre outras questões. De lá para cá muita coisa mudou, mas a mulher ainda carrega o peso da responsabilidade familiar, associada ao trabalho profissional, o que resulta em dupla e, às vezes, tripla jornada”, completa.

- CONTINUA DEPOIS DE PUBLICIDADE -

Se há igualdade entre os sexos no mercado de trabalho, a historiadora explica. “Esse é um processo em construção e ainda falta um longo caminho para que a igualdade de gênero seja assimilada como prática cotidiana no mercado de trabalho.  Para que isso ocorra, as ações afirmativas que buscam a igualdade de oportunidades e a eliminação de elementos discriminatórios, tanto nas legislações como no dia a dia são fundamentais.

Segundo ela, existem muitas passagens históricas que marcam a busca feminina por espaço, mas destaca uma em especial. “Lembrada até os dias de hoje na data de 8 de março. Neste dia, em 1857, operárias de uma fábrica de tecidos na cidade de Nova Iorque iniciaram uma greve, cujo objetivo era melhorar as condições de trabalho. Naquela época trabalhavam  16 horas e os salários chegavam a ser um terço a menos do que os dos homens. Durante o movimento, as portas da fábrica foram trancadas e foi ateado fogo, resultando na morte por carbonização de 150 mulheres. Após 60 anos esse dia fatídico foi escolhido como uma data de reflexão e debate das condições da mulher. Em 1975, a ONU reconheceu a data como um dia internacional”.

 

Veja mais notícias de Ribeirão Preto e Região no Em Ribeirão

publicidade
publicidade

Foi nos pênaltis que o Botafogo definiu a vaga na final do Troféu do Interior

O Pantera abriu o placar com o atacante Wellington Tanque, aos 17 minutos do segundo tempo.

Trump anuncia que irá proibir TikTok nos EUA

Funcionários e legisladores americanos expressaram nas últimas semanas preocupação com a possibilidade de o TikTok ser usado pela China como ferramenta de espionagem.

Capital paulista normal tem menos casos que interior em quarentena

Até a reclassificação do próximo 7 de agosto, Franca, Piracicaba e Ribeirão Preto, permanecem na etapa vermelha

Transmissão do programa Escola na TV começa nesta segunda-feira em Ribeirão Preto

Aulas da rede municipal de ensino serão transmitidas na TV Câmara de segunda a sexta-feira, com veiculação simultânea no Youtube e Facebook

Esta provado morador de rua não morre de Covid

Esta é a segunda testagem dos abrigados na Cava do Bosque, na primeira foram testados 100 moradores de rua, e todos deram negativo.
- PUBLICIDADE -