Home » Cidades » Saude » Ribeirão Preto registra aumento de casos de dengue em fevereiro

Ribeirão Preto registra aumento de casos de dengue em fevereiro

Foram 219 casos, contra37 no ano anterior, aumento de 491,8%; Prefeitura adota medidas para conter proliferação do Aedes aegypti

Ribeirão Preto confirmou 219 casos de dengue no mês de fevereiro de 2019.   O número é 491,8% maior que o registrado no mesmo mês de 2018, quando ocorreram 37 registros da doença.

Quando a comparação é sobre os meses de janeiro de fevereiro de 2018, quando foram confirmados 82 casos da doença, o primeiro bimestre de 2019 registrou 388 pessoas com dengue em Ribeirão Preto, um aumento de 373%.

Os dados constam no Boletim Epidemiológico divulgado nesta quarta- feira, 6 de março, pelo Departemento de Vigilância em Saúde e Planejamento, órgão da Secretaria Municipal da Saúde

O secretário Sandro Scarpelini afirmou que, embora o número de casos tenha aumentado com relação ao mesmo período do ano passado, o índice é menor que de outras cidades da região. No entanto, são necessárias ações efetivas e a conscientização da população para conter a proliferação do mosquito Aedes aegypti e o avanço da doença.

“Isso se deve graças ao serviço desenvolvido pelas nossas equipes, contudo, com o fluxo migratório diário que temos na cidade há chance de aumentar o número de casos nos próximos dias. Portanto, mais uma vez estamos aqui para reforçar que, além das nossas atividades, precisamos muito da participação da população limpando sua própria casa” esclarece o Scarpelini.

No dia 15 de março, data considerada o Dia “D” de Combate ao Aedes aegypti, a Prefeitura promoverá um arrastão de limpeza na zona Oeste com foco em eliminar criadouros do mosquito.

A diretora do Departamento de Vigilância em Saúde da pasta, Luzia Marcia Romanholi Passos, ressalta que as ações de mobilização promovidas pela Prefeitura, aliadas à conscientização da população, são os únicos caminhos para evitar as doenças que o mosquito transmite.

“Pedimos às pessoas que ajudem nessa mobilização e já se preparem, que deixem separado somente o que é considerado um possível criadouro do mosquito para que possamos recolher com agilidade. A conscientização das pessoas é muito importante, além da coleta do material, orientamos a população sobre os riscos em deixar água parada nessa época de chuva, o que contribui para o aumento de proliferação do mosquito”, orienta.

Apoio do Governo do Estado de São Paulo

No dia 12 de fevereiro, o prefeito de Ribeirão Preto, Duarte Nogueira e o secretário Municipal da Saúde, Sandro Scarpelini, receberam o apoio do Governo do Estado no combate ao mosquito.

O secretário de Saúde do Estado de São Paulo, José Henrique Germann Ferreira, acompanhado do secretário Chefe da Casa Militar e coordenador da Defesa Civil do Estado de São Paulo, Coronel PM Walter Nyakas Júnior, estiveram em Ribeirão Preto para anunciar as medidas em conjunto com a Prefeitura.

Duarte Nogueira disse que o encontro teve o caráter de adesão à campanha e o anúncio de uma série de medidas, as que já foram adotadas e intensificadas em Ribeirão Preto e outras que serão incorporadas às ações, juntamente com o Governo do Estado de São Paulo, no combate ao mosquito Aedes aegypti em toda a cidade.

“Iremos colocar a coordenadoria da Defesa Civil Municipal, a Guarda Civil Municipal com as equipes da Secretaria Municipal da Saúde e da Sucen, que envolvem algo em torno de 150 pessoas, trabalhando no combate ao mosquito Aedes aegypti que transmite tantas doenças” anunciou o prefeito.

Duarte Nogueira fez ainda questão de enfatizar que 80% dos criadouros potenciais do mosquito Aedes aegypti estão dentro das casas e a conscientização da população é de extrema importância para vencer a batalha contra a dengue e outras doenças que o mosquito transmite.

“Esse é um papel importante e de cidadania que cada uma das pessoas deve exercer, olhar os vasinhos, verificar se tem água parada, olhar com uma lanterna se tem larva, secar, eliminar focos e não permitir que o mosquito se prolifere, para que nós possamos manter a cidade sem epidemia e saúde pública em boas condições para a população”, disse o chefe do Executivo.

Outras ações

Além de intensificar as ações de combate ao mosquito, a Prefeitura de Ribeirão Preto deu início a uma campanha na televisão, rádio, jornal e outras mídias para mobilizar a população no combate ao mosquito Aedes aegypti.

Chikungunya, zika vírus, microcefalia e febre amarela e gripe H1N1

Já para a chikungunya, o mês de fevereiro não registrou nenhum caso de doença. Em janeiro de 2018 também não houve nenhum caso confirmado.

Em fevereiro de 2019, foram notificados e investigados nove casos de zika vírus e quatro em fevereiro de 2018, mas nenhum confirmado.

Casos de microcefalia ou outras alterações neurológicas possivelmente relacionadas à infecção pelo zika vírus também não foram registrados em fevereiro de 2019 ou em outros meses do ano passado.

De acordo com o Boletim Epidemiológico, não houve registro de febre amarela em janeiro deste ano.  Desde 2016 não há registro de casos da doença em Ribeirão Preto.

Com relação à Síndrome Respiratória Aguda Grave (gripe causada pelo vírus Influenza H1N1), não foi confirmado nenhum caso da doença em fevereiro deste ano.

Ribeirão Preto confirmou 219 casos de dengue no mês de fevereiro de 2019.   O número é 491,8% maior que o registrado no mesmo mês de 2018, quando ocorreram 37 registros da doença.

Quando a comparação é sobre os meses de janeiro de fevereiro de 2018, quando foram confirmados 82 casos da doença, o primeiro bimestre de 2019 registrou 388 pessoas com dengue em Ribeirão Preto, um aumento de 373%.

Os dados constam no Boletim Epidemiológico divulgado nesta quarta- feira, 6 de março, pelo Departemento de Vigilância em Saúde e Planejamento, órgão da Secretaria Municipal da Saúde

O secretário Sandro Scarpelini afirmou que, embora o número de casos tenha aumentado com relação ao mesmo período do ano passado, o índice é menor que de outras cidades da região. No entanto, são necessárias ações efetivas e a conscientização da população para conter a proliferação do mosquito Aedes aegypti e o avanço da doença.

“Isso se deve graças ao serviço desenvolvido pelas nossas equipes, contudo, com o fluxo migratório diário que temos na cidade há chance de aumentar o número de casos nos próximos dias. Portanto, mais uma vez estamos aqui para reforçar que, além das nossas atividades, precisamos muito da participação da população limpando sua própria casa” esclarece o Scarpelini.

No dia 15 de março, data considerada o Dia “D” de Combate ao Aedes aegypti, a Prefeitura promoverá um arrastão de limpeza na zona Oeste com foco em eliminar criadouros do mosquito.

A diretora do Departamento de Vigilância em Saúde da pasta, Luzia Marcia Romanholi Passos, ressalta que as ações de mobilização promovidas pela Prefeitura, aliadas à conscientização da população, são os únicos caminhos para evitar as doenças que o mosquito transmite.

“Pedimos às pessoas que ajudem nessa mobilização e já se preparem, que deixem separado somente o que é considerado um possível criadouro do mosquito para que possamos recolher com agilidade. A conscientização das pessoas é muito importante, além da coleta do material, orientamos a população sobre os riscos em deixar água parada nessa época de chuva, o que contribui para o aumento de proliferação do mosquito”, orienta.

Apoio do Governo do Estado de São Paulo

No dia 12 de fevereiro, o prefeito de Ribeirão Preto, Duarte Nogueira e o secretário Municipal da Saúde, Sandro Scarpelini, receberam o apoio do Governo do Estado no combate ao mosquito.

O secretário de Saúde do Estado de São Paulo, José Henrique Germann Ferreira, acompanhado do secretário Chefe da Casa Militar e coordenador da Defesa Civil do Estado de São Paulo, Coronel PM Walter Nyakas Júnior, estiveram em Ribeirão Preto para anunciar as medidas em conjunto com a Prefeitura.

Duarte Nogueira disse que o encontro teve o caráter de adesão à campanha e o anúncio de uma série de medidas, as que já foram adotadas e intensificadas em Ribeirão Preto e outras que serão incorporadas às ações, juntamente com o Governo do Estado de São Paulo, no combate ao mosquito Aedes aegypti em toda a cidade.

“Iremos colocar a coordenadoria da Defesa Civil Municipal, a Guarda Civil Municipal com as equipes da Secretaria Municipal da Saúde e da Sucen, que envolvem algo em torno de 150 pessoas, trabalhando no combate ao mosquito Aedes aegypti que transmite tantas doenças” anunciou o prefeito.

Duarte Nogueira fez ainda questão de enfatizar que 80% dos criadouros potenciais do mosquito Aedes aegypti estão dentro das casas e a conscientização da população é de extrema importância para vencer a batalha contra a dengue e outras doenças que o mosquito transmite.

“Esse é um papel importante e de cidadania que cada uma das pessoas deve exercer, olhar os vasinhos, verificar se tem água parada, olhar com uma lanterna se tem larva, secar, eliminar focos e não permitir que o mosquito se prolifere, para que nós possamos manter a cidade sem epidemia e saúde pública em boas condições para a população”, disse o chefe do Executivo.

Outras ações

Além de intensificar as ações de combate ao mosquito, a Prefeitura de Ribeirão Preto deu início a uma campanha na televisão, rádio, jornal e outras mídias para mobilizar a população no combate ao mosquito Aedes aegypti.

Chikungunya, zika vírus, microcefalia e febre amarela e gripe H1N1

Já para a chikungunya, o mês de fevereiro não registrou nenhum caso de doença. Em janeiro de 2018 também não houve nenhum caso confirmado.

Em fevereiro de 2019, foram notificados e investigados nove casos de zika vírus e quatro em fevereiro de 2018, mas nenhum confirmado.

Casos de microcefalia ou outras alterações neurológicas possivelmente relacionadas à infecção pelo zika vírus também não foram registrados em fevereiro de 2019 ou em outros meses do ano passado.

De acordo com o Boletim Epidemiológico, não houve registro de febre amarela em janeiro deste ano.  Desde 2016 não há registro de casos da doença em Ribeirão Preto.

Com relação à Síndrome Respiratória Aguda Grave (gripe causada pelo vírus Influenza H1N1), não foi confirmado nenhum caso da doença em fevereiro deste ano.

Comente

Deixe uma resposta