Home » Cidades » Saude » É preciso falarmos sobre suicídio: 32 pessoas se suicidam por dia no Brasil, ou uma a cada 45 minutos

É preciso falarmos sobre suicídio: 32 pessoas se suicidam por dia no Brasil, ou uma a cada 45 minutos

No mundo todo chega a mais de 800 mil por ano, isso equivale a 2200 pessoas por dia

foto do filme da serie 13 Reasons Why

Olá, hoje vamos falar um pouquinho sobre o “Tabu” que é falar de suicídio.

Suicídio, resumidamente, é o ato de tirar a própria vida voluntariamente.

O que faz com que as pessoas cometam tal ato? Qual seria o motivo? E o que poderemos fazer a respeito?

Antes de focarmos em como ajudar na prevenção ou discutirmos o que causa isso, preciso deixar alguns números nada animadores aqui. Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde) a taxa de suicídios que ocorre no mundo todo chega a mais de 800 mil por ano, isso equivale a 2200 pessoas por dia, ou a 1 suicídio a cada 40 segundos. E pior, essa conta pode dobrar entre os anos de 2020 e 2030. Esse número pode ser cerca de 20 vezes maior, devido às pessoas que cometem suicídio no transito, esse fato faz com que nas estatísticas o número vá para a contagem de acidentes de trânsito e não pelo ato de suicidar-se. Isso tudo equivale a mais mortes por suicídios do que morte por guerras no mundo todo!

A principal causa de suicídio no mundo é a depressão. Se a pessoa apresenta os sintomas e não procura ajuda essa depressão leve passa a ser uma depressão profunda, que é o ultimo estagio que a pessoa chega antes do suicídio. Mas para essa pessoa chegar a cometer o ato, ela passa por um pequeno ciclo, algumas etapas que podem fazer as pessoas próximas a identificar e ajudar quem pretende fazer o ato.

A primeira parte do ciclo chamamos de ideação suicida, a pessoa com depressão profunda começa a ter a ideia de suicidar-se. A pessoa sente uma dor muito profunda que quase ninguém entende o que se ta passando na mente dela, a ideia dela é que a única forma de acabar com essa dor é cometendo o suicídio, porem essa ideia faz com que a pessoa “solte” inconscientemente algumas frases no ar, como se fosse um pedido de ajuda, frases do tipo “Queria dormir para sempre”; “Minha vida não tem sentido”; “Queria morrer”.

Temos também algumas mudanças de comportamentos, por exemplo, se a pessoa sempre foi muito amiga de todos e de repente passou a evitar as pessoas, ou ao contrário, sempre foi muito fechada e agora é o amigão de todo mundo, fique atento. Esses há esses comportamentos e essas frases são ditas frequentemente pela pessoa, é um motivo de se ligar o alerta e tentar ajuda-la.

A segunda parte do ciclo, podemos chama-la de plano suicida, nessa hora geralmente conseguimos identificar algumas mudanças de comportamentos mais facilmente, pois a pessoa procura manter-se isolada das outras pessoas para justamente ‘planejar’ o ato, é nessa hora que a pessoa define se o ato será por enforcamento, toma de remédios, etc.

A terceira parte chamamos de tentativa de suicídio, é nessa etapa que as pessoas tentam por em pratica a ideia e o planejamento, para cada 1 suicídio existem pelo menos 20 tentativas, e é nessa hora que a pessoa precisa de uma grande intervenção profissional, nessa etapa entram os medicamentos, pois simplesmente o ato de conversar não ajuda muito. Mas é claro que pode acontecer de a pessoa conseguir o suicídio já na primeira tentativa, mas a casos e casos.

A quarta e ultima etapa é o suicídio, após a pessoa passar por todas as 3 etapas anteriores e não conseguir ajuda, ela finalmente resolve acabar com a dor que está sentindo terminando com a própria vida.

O suicídio é uma forma que a pessoa, após tantos “pedidos de ajuda inconsciente”, encontra de acabar com a dor que está sentindo, na maioria das vezes a pessoa que comete o ato não pensa na morte e sim em acabar com essa dor e angustia que tem dentro dela.

Você deve ter visto nos últimos dias uma campanha pelas redes sociais sobre o “Setembro amarelo” que é o mês de prevenção ao suicídio. Usaram a cor amarela, porque é a cor que indica o estado de ATENÇÃO. Junto com os cartazes vem à frase: “Falar é o melhor remédio”. Realmente falar é o melhor remédio, existe um tabu que faz com que as pessoas tenham receio de conversar sobre o assunto com medo de influenciar a pessoa a cometer o ato. Claro que não se deve falar qualquer coisa, ou rir da pessoa quando ela solta uma dessas frases, mas tem como ajuda-la sim!

Em primeiro lugar temos que ter empatia, temos que nos colocar no lugar das pessoas e ‘sentir o que ela sente’, quando a pessoa diz que quer dormir para sempre, provavelmente ela tem algo muito sério que está causando uma imensa dor nela, nessas horas não é bom tirar sarro com o modo que ela demonstrou isso, se coloque no lugar e perceba que ela tem algo que a está machucando seriamente.

Também temos que respeitar o que a pessoa está sentindo, não adianta dizer para essa pessoa que ela tem uma vida boa, um bom emprego e uma boa família, você não sabe o que ela está passando para dizer que a vida dela é boa. E por último, não devemos JULGAR a pessoa de forma alguma.

Se percebermos alguns desses comportamentos, procure ajuda-la, essa pessoa está precisando de carinho e atenção, e se conseguirmos notar que isso já acontece algum tempo, procure ajuda profissional, se você não conhece nenhum profissional que possa ajudar, leve a pessoa a algum pronto socorro ou hospital que lá eles lhe orientarão da melhor forma possível.

Comente

Deixe uma resposta