Home » Cidades » Policial » Jornalista revela como funciona a “máfia das invasões de prédios”

Jornalista revela como funciona a “máfia das invasões de prédios”

O jornalista Victor Grimbaum, que escreve para o site Sensoincomum, do Rio de Janeiro, há anos investiga o que denomina de “máfia das invasões” de prédios urbanos, com atuação principalmente em São Paulo. Logo após o incêndio que destruiu o Edifício Wilton Paes de Almeida, na madrugada deste terça-feira (1.º), no centro histórico da capital paulista, Victor fez um resumo sobre como funciona esta máfia:

1) Dono de prédio que não consegue mais alugar suas unidades tem prejuízo para manter seu imóvel desocupado.
2) Ele convida uma ONG de sem-tetos para invadirem seu prédio.
3) Sem-tetos invadem prédio vazio e entram com pedido de usucapião.
4) Prefeitura declara prédio “de interesse social” e o desapropria mediante pagamento de indenização para o proprietário.
5) Proprietário entra na Justiça para revisar o valor da indenização e ganhar mais.
6) Sem-tetos vão ficando e transformam o prédio invadido em mafuá.
7) Corpo de Bombeiros vistoria o imóvel e decreta que ele não tem condições de moradia e que pode sofrer incêndio a qualquer momento. Desocupação é recomendada.
8) ONG de sem-tetos levanta liminar na Justiça para deixar moradores no prédio condenado.
9) Quando não pega fogo ou desaba, prédio é finalmente “comprado” pela Prefeitura, que o doa à ONG invasora por convite.
10) Indenização é paga ao antigo proprietário, que racha a bufunfa com a ONG.

Parabéns! Você acaba de aprender como funciona a indústria das ocupações, que somente na região central de São Paulo já possui cerca de 150 prédios.
Algumas informações sobre a invasão do Edifício Wilton Paes de Almeida, em São Paulo, que desabou na madrugada de hoje em decorrência de um incêndio:

– Famílias pagavam ALUGUEL no valor de R$ 150,00 a R$ 400,00 aos coordenadores do Movimento de Luta Social por Moradia (MLSM). Quem atrasava o pagamento, era expulso do local.

– O fornecimento de água só ocorria na madrugada, sob fiscalização dos coordenadores.

– Uma das regras da invasão era a proibição da entrada e saída de pessoas a partir das 19h. No local, havia um coordenador que trancava a porta principal do prédio. Um cárcere privado, basicamente.

– No momento do incêndio, a porta principal estava trancada e o tal coordenador não deu as caras. Um dos moradores quebrou a porta e só assim, o restante das pessoas puderam se evadir do local.

– Falando em coordenador, haviam dois deles na invasão. Quando o fogo começou, eles fugiram em >carros<, que estavam estacionados na garagem do próprio prédio.

– Este post está sendo publicado às 14:34 e até o momento, o prefeito e o governador de São Paulo e até o Presidente da República estiveram no local, mas NENHUM representante de qualquer movimento social compareceu no local. Mas o Guilherme Boulos já soltou notinha no Twitter.

No final das contas, descobrimos da pior forma possível como um movimento sem teto pode ser rentável para os seus líderes, que estão cada vez mais gordos e com iPhones da última geração na mão, fazendo lives no Facebook a fim de mostrar como o socialismo é bom e que o Lula é inocente.

Enquanto isso, famílias perdem tudo e seus parentes morrem nos escombros.

Comente

Deixe uma resposta